www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Viernes 15 de Enero de 2021
18:22 hs.

Twitter Faceboock
ECONOMIA
Autonomia do BC: entenda o projeto aprovado que aprofunda a submissão do país
Daphnae Helena

Na última terça feira, quando todos os olhos estavam voltados para as conturbadas eleições nos Estados Unidos, o Senado Federal avançou num importante ataque com a aprovação do projeto sobre a autonomia do Banco Central. Esta medida é um grande passo na submissão do Brasil ao capital financeiro estrangeiro. Entenda seus impactos.

Ver online

Na última terça feira, quando todos os olhos estavam voltados para as conturbadas eleições nos Estados Unidos, o Senado Federal avançou num importante ataque com a aprovação do projeto sobre a autonomia do Banco Central do Brasil (BCB). O Projeto de Lei Complementar PLP 19/2019 foi elaborado pelo senador Plínio Valério (PSDB/AM). Com a aprovação, o projeto será encaminhado para votação na Câmara dos Deputados, onde Rodrigo Maia já disse que garantirá a tramitação. O ministro da economia Paulo Guedes, ultraliberal e representante do mercado financeiro, evidentemente comemorou a decisão, já que o projeto fazia parte da sua plataforma desde a campanha para as eleições de Bolsonaro.

A burguesia ao utilizar o termo de autonomia (ou independência) do Banco Central, pretende confundir os trabalhadores e fazer parecer que uma medida como essa significaria um avanço para o país. Mas ao contrário, a autonomia do BC é um grande passo na submissão do Brasil ao capital financeiro estrangeiro. Entenda os impactos dessa medida.

Quais as funções do Banco Central brasileiro?

O Banco Central é uma instituição de fundamental importância para o país. Ele é responsável pela formulação e execução da política monetária, cambial e de crédito. Ou seja, é o responsável por duas variáveis chaves na economia nacional: a taxa de juros e a taxa de câmbio.

É função do BCB coordenar o nível da taxa de juros básica do país, a SELIC, que funciona como um piso para os juros praticados pelos bancos nos financiamentos e empréstimos pessoais, por exemplo. Também é sua responsabilidade intervir no mercado de câmbio para evitar desvalorizações cambiais. O Brasil está entre os países que possui maior oscilação cambial e o real é uma das moedas que mais se desvalorizou neste ano. Os impactos do câmbio são muito relevantes na economia porque altera o nível de preços dos produtos consumidos. Por exemplo, quando desvaloriza o real, as importações do país encarecem e produtos, como combustível, aumentam de preço.

O BCB também é responsável por gerir as reservas internacionais do país. O Brasil possui uma quantidade significativa de reservas em moedas estrangeiras, especialmente o dólar, que é um instrumento muito importante para, entre outras coisas, fazer frente as chantagens como fuga de capitais estrangeiros no país.

O BCB também organiza e fiscaliza as instituições financeiras. Por uma série de mecanismos ele tem capacidade de influir no nível de liquidez dos bancos comerciais. Durante o ano de 2020, o Banco Central foi quem entregou trilhões de reais aos bancos para garantir seus lucros em meio a crise, comprando, por exemplo, títulos de dívidas dos bancos comerciais e outras instituições financeiras. Ou seja, ele possui uma capacidade de influenciar diretamente nos resultados dos bancos.

Além disso, é o responsável pela emissão de moeda e pelos meios de pagamentos utilizados na economia. A decisão de fazer uma nota de 200 reais, por exemplo, ou a autorização do Pix no Brasil, são exemplos disso.

Ou seja, embora as funções ou decisões do BCB não ganhem tanta repercussão para os trabalhadores e a população em geral, inclusive pela própria dificuldade de entender o seu funcionamento, o que é importante remarcar é que esta é uma instituição fundamental para a burguesia, na relação do Estado brasileiro com o capital financeiro estrangeiro, na concorrência intercapitalista e, consequentemente, para a realização de qualquer política estatal, como, por exemplo, novos investimentos. Ou seja, as ações do BCB têm reflexos diretos na vida de toda a população.

O que muda com este projeto?

O projeto aprovado tem como objetivo modificar a forma como o presidente do Banco Central e a diretoria são nomeados e demitidos. Atualmente o BCB é uma autarquia federal que responde ao Ministério da Economia, o seu presidente e, também a diretoria, são nomeados pelo Presidente do país e podem ser demitidos a qualquer momento.

Caso o projeto aprovado no Senado entre em vigor, o presidente do BCB e a diretoria deverão ser nomeados pelo Presidente brasileiro na metade do seu mandato, eles cumprirão uma gestão de quatro anos (que seria intercalada com o mandato presidencial e prorrogada por mais quatro anos) e só poderão ser demitidos por condenação criminal transitada em julgado, por pedido de dispensa formulado pela própria pessoa e por iniciativa do Presidente da República com justificativa e deve ser aprovada no Senado.

Em resumo, significam medidas que separam a gestão do BC da política do governo, dificultam a demissão por parte do poder executivo e, na prática, entregam a decisão de comando dessa instituição inteiramente para os bancos nacionais e estrangeiros.

De onde vem a discussão de autonomia ou independência do Banco Central?

O projeto de autonomia (ou independência do Banco Central) não é uma questão propriamente nova. Na literatura econômica existe um amplo debate sobre isso, que não vamos entrar neste artigo. Mas a autonomia aqui é entendida como a ideia de que os objetivos perseguidos pelo Banco Central devem ser alheios à política econômica do governo, com a justificativa de que, grosso modo, isso traria maior eficiência para economia.

Traduzindo isso, é a visão de que as variáveis chaves para a economia do país – taxa de juros e taxa de câmbio- sejam inteiramente reguladas pelo mercado – leia-se pelo capital financeiro estrangeiro- e não pelo governo. É a garantia total para o mercado financeiro de que a economia do país atenderá aos seus interesses, independentemente de quem esteja governando.

Os debates sobre isso no Brasil se intensificaram a partir da década de 1990, quando Fernando Henrique Cardoso, seguindo as determinações do Consenso de Washington, aplicou uma série de medidas neoliberais. Dentre essas medidas estava o regime de metas de inflação, adotado em 1999, que coloca como objetivos para o BC o combate a inflação e amarra a política monetária e o orçamento público, por consequência, aos interesses dos banqueiros.

Essas medidas, que foram iniciadas no governo de FHC, seguiram também durante os governos petistas. Os presidentes do Banco Central durante a era petista eram pessoas como, por exemplo, Henrique Meirelles, conhecido representante do mercado financeiro.

O projeto atual procura aprofundar ainda mais esse processo, modificando a lei e tirando qualquer tipo de margem de manobra do Estado brasileiro para definitivamente entregá-lo aos ditames do capital financeiro estrangeiro.

Por que essa proposta pode avançar agora?

Uma aprovação como essa é impossível de ser entendida se não levamos em conta o pacto que vigora no país entre as diversas instituições do regime e as pressões exercidas pelo imperialismo, no marco das disputas para o orçamento de 2021. O governo quer seguir com as políticas como o auxílio emergencial, mas para isso é necessário romper com o Teto de Gastos. O capital financeiro coloca como exigência para esse rompimento medidas como reforma administrativa e reforma tributária.

No entanto a reforma administrativa e a reforma tributária para passarem exigem articulações políticas muito mais difíceis de serem feitas. A primeira porque se enfrenta com o funcionalismo público, uma das categorias mais organizadas do país; e a segunda porque se enfrenta com interesses de diferentes frações da burguesia. Avançar numa medida como a autonomia do Banco Central, que possui pouco apelo público, significa a entrega do BCB ao mercado financeiro e, portanto, a garantia de que a agenda de submissão do país ao imperialismo e de ataque aos trabalhadores, iniciada após o golpe institucional, seguirá a todo vapor.

O avanço em medidas como essa, assim como outras, tais quais o teto de gastos, a reforma da previdência e a trabalhista, mostram que a burguesia está promovendo mudanças profundas, alterando as leis e a constituição brasileira pelo alto, à revelia dos trabalhadores e da população pobre. Por isso, é fundamental um processo de mobilização da classe trabalhadora para que este projeto não seja aprovado. Mas que este seja também o início de uma mobilização por uma assembleia constituinte, livre e soberana, que anule todos os ataques aprovados desde o golpe institucional, que reverta as privatizações, questione a Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas que os trabalhadores decidam também sobre questões fundamentais do país, como por exemplo, pelo não pagamento da dívida pública. Essa defesa é fundamental para que se possa avançar na perspectiva de um governo dos trabalhadores.

Não basta, como coloca o PT e outros setores da esquerda, a defesa de uma política de taxas de juros mais baixas que deixam os trabalhadores a reboque de outros setores da burguesia. É necessário que a esquerda levante uma política anticapitalista, que ataque os lucros dos bancos e do capital estrangeiro e se enfrente com a política imperialista de ajustes fiscais, de submissão do país e ataque aos trabalhadores e ao povo.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui