www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 6 de Julio de 2020
12:16 hs.

Twitter Faceboock
O desemprego nos EUA é o maior desde a Grande Depressão
Redação

Desemprego nos EUA é o maior desde a Grande Depressão
Devido à pandemia do coronavírus, o desemprego no coração do imperialismo atingiu o maior número desde que começou a ser registrado em 1948 e já é o mais alto em 90 anos.

Ver online

EFE/EPA/JUSTIN LANE
Texto publicado originalmente em espanhol no La Izquierda Diario, integrante argentino da Rede Internacional de Diarios La Izquierda Diario.

Os Estados Unidos se tornaram o epicentro global da pandemia há tempos. Como esperado, não apenas a saúde, mas também a economia, sofreram um duro golpe e, nesta sexta-feira, o desemprego registrado foi quase 15%. Mas se o detonador é claramente a pandemia, a responsabilidade por essa explosão não recai sobre o vírus, mas sobre um sistema cujo motor é a acumulação de lucros.

O sistema de saúde dos EUA é altamente privatizado, o que faz com que apenas aqueles que podem pagar seus altos custos sejam tratados. Os empregadores não são obrigados a pagar planos de saúde para seus funcionários e mesmo aqueles que têm o privilégio de tê-los precisam pagar por uma parte de seu atendimento médico. Mesmo programas estatais como o Medicare e o Medicaid não garantem atendimento gratuito. Nesse contexto, houve quase um milhão e meio de demissões no setor de saúde, pois todos os pacientes cancelaram qualquer tipo de tratamento não essencial. Um absurdo que só pode encontrar sua justificativa na irracionalidade do sistema capitalista.

É por isso que o pessoal médico de Nova York está na linha de frente do combate não apenas ao vírus, mas também ao sistema. As enfermeiras municipais propõem que a saúde seja nacionalizada e colocada sob o controle de seus trabalhadores e usuários.

A crise econômica, que tem um grande impacto no emprego em massa, também é uma consequência do capitalismo americano. A enorme quantidade de trabalho precário e a facilidade que os empregadores têm de demitir fizeram com que os EUA atingissem, em apenas alguns meses de pandemia, o nível mais alto de desemprego desde 1948, quando os dados começaram a ser registrados. O anúncio desta sexta-feira de 14,7% de desemprego está apenas abaixo de algumas estimativas do ano de 1932 que falam de 25%, mas, na ausência de registros oficiais, o número pode não ser muito preciso.

Uma análise um pouco mais aprofundada dos dados publicados pelo Labor Department (Departamento do Trabalho) nos fornece uma excelente radiografia do país. A onda de desemprego começou no setor de hospitalidade, com hotéis liderando o caminho, destruindo 7,7 milhões de empregos. O comércio, incluindo grandes redes de supermercados e vendas pela internet, perdeu 2,1 milhões e na manufatura houve 1,3 milhão de demissões. Os dois primeiros setores trabalham predominantemente afroamericanos e latinos, que além de terem os salários mais baixos, têm as piores posições e muitos são ultraprecarizados.

Não é por acaso que, como o Washington Post relata com dados do Departamento do Trabalho, o desemprego entre os hispânicos chega a 19% e entre os afro-americanos quase 17%. São esses dois setores da classe trabalhadora norte-americana que sofrem não apenas com a exploração do sistema capitalista, mas também com a opressão racial brutal, que também se manifesta no fato de morarem em bairros com pior infraestrutura e onde os cuidados de saúde são de menor qualidade. Portanto, não é surpreendente ver que os dois grupos étnicos são os mais afetados pelo vírus. Por exemplo, os afroamericanos representam 13,4% da população do país, mas representam mais da metade dos infectados e quase 60% das mortes.

E se falamos de opressão, a situação das mulheres não pode ser negligenciada. Também não é de surpreender, embora gere raiva, ver que sua taxa de desemprego é de 16,2% contra 13,5% dos homens. Os dados não são apresentados para fazer a análise, mas ninguém poderia duvidar que se eles fossem, o resultado seria que aqueles que estavam na pior condição são mulheres negras e latinas.

O pior de tudo é que esse sinistro gráfico da situação é baseado em estatísticas oficiais, que geralmente ocultam ou disfarçam os dados. O próprio Departamento do Trabalho reconheceu que o número total de desempregados seria próximo de 20% se contássemos aqueles que não estavam trabalhando por "outras razões". Isso também não leva em conta os milhões de imigrantes ilegais que compõem o escalão mais baixo da classe trabalhadora estadunidense. Esse setor invisível, o mais explorado, geralmente ocupa lugares essenciais da economia, como trabalho em armazéns ou limpeza, mas não pode solicitar seguro-desemprego e nem sequer tem o privilégio de aparecer nas estatísticas.

A perspectiva atual é sombria e há mais nuvens negras no horizonte. Contra os anúncios de Trump de que a economia reabrirá em breve e os empregos serão restaurados, a maioria dos analistas concorda que a crise será pior. Muitos trabalhadores que foram suspensos ou demitidos por um tempo verão seus empregos permanentemente cortados. E a ajuda financeira do estado não aparece em lugar algum. Trump assinou um pacote de resgate milionário para grandes empresas, que incluía um pequeno benefício para as famílias trabalhadoras. Mas a maioria reclama da dificuldade de acessar esses programas, com páginas da web caindo constantemente e linhas telefônicas saturadas.

Mesmo os US$ 1.200 que o estado deu a todos os trabalhadores registrados são totalmente insuficientes. As filas intermináveis nos bancos de alimentos para retirar comida são um bom exemplo da situação.
Mas a classe trabalhadora não aceitará facilmente pagar pelos pratos quebrados da festa capitalista. Greves da Amazon, da rede de supermercados Whole Foods, trabalhadores de limpeza de Nova Orleans, entre outros, sinalizam o início da resistência. Um aumento da luta de classes em resposta à tentativa da burguesia de descarregar a crise sobre os trabalhadores. É necessário discutir medidas como dividir o horário de trabalho entre as mãos disponíveis e aumentar as medidas sanitárias no local de trabalho para unificar a classe trabalhadora na luta contra o capital.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui