www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 19 de Abril de 2021
16:19 hs.

Twitter Faceboock
UFRN
UFRN não respeita as férias de bolsistas
Redação Esquerda Diário Nordeste

De acordo com o Regulamento dos bolsistas (Resolução nº 222/2010- CONSEPE), as atividades da bolsa deveriam seguir o calendário acadêmico da instituição, garantindo-lhes, no mínimo, 30 dias de recesso. No entanto, a realidade é que grande parte dos bolsistas voltarão às aulas sem nem uma semana de descanso.

Ver online

Os estudantes contemplados com as bolsas de apoio técnico na UFRN são chamados de "prioritários", isso se deve à situação de vulnerabilidade social à qual estão submetidos como filhos da classe trabalhadora mais precarizados e pobres. Além de serem obrigados a cumprir a função de um servidor e terem que abrir mão de tempo de estudo e lazer para cumprir suas funções, esses estudantes sofrem constantemente com as arbitrariedades dos coordenadores de bolsa que se utilizam de sua posição superior para impor a não existência de férias.

A UFRN encerrou suas atividades acadêmicas em dezembro e voltará às aulas no dia 17 de fevereiro, ou seja, tirar os 30 dias de férias para a maioria dos bolsistas já é inviável. A desculpa é uma brecha na cláusula do regulamento, que diz que isso é um direito do bolsista a depender do andamento dos projetos. O artigo referente às férias é o 6º, que diz:

Art. 6o - As atividades da bolsa, em princípio, deverão seguir o calendário acadêmico da UFRN, possibilitando um período mínimo de 30 (trinta dias) de recesso, de acordo com o plano de atividades.

É inadmissível que os direitos destes estudantes não sejam garantidos. No ano passado, a UFRN foi responsável por fazer estudantes passarem fome com os atrasos do auxílio alimentação em meio à reforma do Restaurante Universitário, que até agora não foi entregue.

A Reitoria da UFRN até hoje não se pronunciou contrária ao Future-Se e deu demonstrações de sua inclinação ao projeto privatizante da universidade, como o faz com a entrada de empresas privadas e serviços organizados em parcerias na universidade como no Ágora e no IMD. É inadmissível que esta estrutura de poder anti-burocrática, onde os estudantes e trabalhadores (amplíssima maioria dentro da universidade) não tem nenhuma voz, avancem para, junto aos coordenadores, impedirem o mínimo direito de descanso entre um ano e outro. É necessário que a PROAE se posicione e oriente os servidores responsáveis.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui