www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Martes 12 de Noviembre de 2019
19:36 hs.

Twitter Faceboock
DIREITOS LGBT
Em Pleno Mês do Orgulho: Vaticano se lança contra o direito a identidade de gênero
Nancy Cázares

Com o nome "O homem e a mulher os criaram: rumo a um caminho de diálogo sobre a questão da teoria do gênero na educação", o Vaticano publicou um documento onde se posicionou contra o direito a identidade de gênero. Ativistas LGBT católicos consideraram o documento "anacrónico" e uma incitação a discriminação.

Ver online

Nesta segunda-feira, o Estado capital da ocultação da pedofilia, ou seja, o Vaticano, publicou seu primeiro documento oficial sobre "teoria do gênero". Nesta extensa publicação, representantes da Igreja Católica rejeitaram que as pessoas possam escolher sua identidade de gênero.

Assinado pelo cardeal Giuseppe Versaldi, chefe da Congregação para a Educação Católica do Vaticano, este documento foi apresentado como um "guia para escolas católicas, professores e educadores".

Emitido pelo departamento do Vaticano responsável pela supervisão da educação católica, este documento desenvolve a ideia de que a família tradicional está ameaçada pela assimilação nas escolas e sistemas legais de "definições de gênero fluido". Estes, eles dizem, "ignoram as diferenças naturais entre homens e mulheres" e os tornam "ambíguos", confundindo e desestabilizando a família como uma instituição.

O Vaticano lamentou o reconhecimento do direito à identidade de gênero, bem como "uma pluralidade de novos tipos de sindicatos" que contradizem o modelo de casamento pelo qual a Igreja luta e que reforça esse tipo de organização social, essencialmente conservadora e tão servil. para o patriarcado e capitalismo que o Vaticano chama neste documento "família tradicional".

No meio de uma crise sobre incontáveis ​​casos de pedofilia, a publicação do Vaticano pediu a promoção do ensino tradicional sobre "diferenças biológicas intrínsecas entre homens e mulheres".

LGBTI + ativistas católicos expressaram desapontamento com as expectativas de um cenário mais "tolerante" que foi finalmente negado por este documento. Segundo o New York Times, eles consideraram esta mensagem um revés "esotérico", que eles descreveram como "anacrônico". Eles também declararam que é um convite da Igreja à discriminação baseada no ódio, com uma estrutura em uma série de lutas que estão sendo travadas em diferentes países pelo reconhecimento e direitos da diversidade de gênero sexual.

O que não surpreendeu foi o discurso de ódio que delineou um documento que pretendia ser "um chamado ao diálogo". Praticamente neste documento a comunidade LGBTTTIQ está associada a uma sexualidade voltada para a "exposição provocativa".

Francisco descreveu o "colonialismo cultural" como a implementação de "teorias de gênero" na educação. Com a publicação deste documento, em pleno "mês de orgulho", os ativistas LGBT alertam sobre a violência que é nutrida por esse tipo de posicionamento. Em particular, sobre as experiências trans, um dos setores mais vulneráveis ​​e que continuam a ser invisíveis e atacados por uma das religiões mais poderosas do mundo.

Este documento, além de destacar o papel reacionário da Igreja em reforçar um senso comum de ódio, deixa claro que na luta pela educação sexual integral em todas as escolas - demanda não apenas da comunidade LGBT, mas também do movimento das mulheres, o Vaticano é um fator a ser enfrentado. Desta forma, é necessário articular as demandas por direitos plenos para a comunidade LGBT com a demanda pela efetiva separação da Igreja e do Estado.

Originalmente publicado em La Izquierda Diário
Tradução Virgínia Guitzel

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui