www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 16 de Septiembre de 2019
08:58 hs.

Twitter Faceboock
SUDÃO
Aumenta a tensão no Sudão após a greve geral
Salvador Soler

O Exército sudanês declarou na quinta-feira que os protestos são "uma ameaça à segurança nacional" após a greve geral que paralisou o Sudão por 48 horas na terça (28/5) e na quarta-feira (29/5). A crise aberta se aprofunda.

Ver online

A greve geral de 48 horas convocada pela Associação dos Profissionais do Sudão (APS), na terça e quarta-feira da semana passada, paralisou quase 100% da atividade no país. Aeroportos, terminais de ônibus, destilarias, lojas, bancos, mídia e hospitais com a exigência de que o poder passe para um governo civil. Milhares de pessoas se manifestaram com alto grau de organização diante de suas empresas, estudantes, mulheres e trabalhadores atingindo com um único punho em todo o país.

O acampamento da capital, Cartum, em frente ao Ministério da Defesa, sede do Exército, permaneceu firme desde 11 de abril, o dia da queda do presidente Al Bashir. É o centro de organização das manifestações, símbolo da luta contra o regime de Al Bashir, é a pedra no sapato do Exército, mas com a greve geral, as coisas elevaram o nível de confronto.

As declarações do exército desta quinta-feira contra os manifestantes são um salto na escalada das tensões. Em uma transmissão televisionada, o general Bahar Ahmed, chefe regional do exército na capital, disse: "O acampamento em Cartum é uma ameaça à segurança nacional". Uma retórica que representa um aumento repressivo nas manifestações. "Os acampamentos tornaram-se um lugar inseguro, até mesmo para os próprios manifestantes", disse o general. Refere-se aos ataques que estão recebendo das forças paramilitares, principalmente das Forças de Apoio Rápido (RSF), um grupo de mercenários paramilitares que participaram do genocídio em Darfur, no oeste do país. Ele até disse que um veículo militar da RSF havia sido atacado e sequestrado perto do campo. Dezenas de manifestantes foram mortos pelos ataques, e muitos outros foram feridos pelo assédio de invasores identificados como pertencentes às forças armadas.

As negociações entre o Conselho Militar de Transição e a Aliança para a Liberdade e a Mudança (ALM) foram suspensas em 21 de maio devido à falta de acordo sobre um Conselho Soberano Transitório. Ambas querem obter a direção e desfrutar de uma representação majoritária no seio do futuro Conselho Soberano, que deve garantir a transição política por três anos. A greve geral foi convocada pela ALM para fazer uma demonstração de força para exercer maior pressão sobre o comando militar de acordo com seus objetivos de obter mais espaço de poder no futuro governo.

O alto acatamento com a greve de 48 horas e as demandas da rua, que estão gritando "Abaixo todo o velho regime" não estão em conformidade com os desejos dos líderes da oposição que descartaram vários dos seus objetivos do programa, como um governo 100% civil, a agenda de gênero (apesar da forte presença das mulheres nos protestos) ou a convocação de uma Assembleia Constituinte, além de não comentar os acordos com o FMI que têm mergulhado o país em miséria.

O Exército tem o apoio da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, o que lhes confere legitimidade internacional. Por essa razão, nesta mesma quinta-feira, entre outros meios de comunicação que foram censurados, fecharam-se os escritórios da Al Jazeera, a meio de comunicação do Qatar dissidente do regime saudita, e com relações com o Irã. Então a disputa geopolítica se torna evidente.

O processo que tirou Al Bashir do Sudão está gerando dores de cabeça para a Arábia Saudita e os Emirados Árabes. São países que operaram para impedir todos os processos da Primavera Árabe, de participaram de repressões como a do Bahrein ou intervindo na guerra civil do Iêmen, da qual o exército sudanês participa como bucha de canhão. Os interesses sauditas e dos emirados são evitar qualquer tipo de governo civil, e através das Forças Armadas manter a cooperação militar e a próxima relação através do Faisal Banco Islâmico do Sudão (Arábia) e do Banco Nacional de Abu Dhabi (Emirados Árabes).

Os sauditas não param de "colaborar" com os líderes militares. A aposta das monarquias do golfo é mais provável de construir um homem forte como Haftar na Líbia, ou Al Sisi no Egito, que pode administrar o país africano. A principal preocupação do país árabe é a influência do Catar, Turquia ou Irã.

A greve geral foi um pronunciamento enorme contra o regime, e a resposta do Exército deixa à ALM que a solução negociada é um caminho morto. A firmeza dos protestos e a irrupção da greve geral como um método para o Exército cair são a base para que suas exigências sejam atendidas.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui