www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Viernes 19 de Julio de 2019
06:09 hs.

Twitter Faceboock
INTERNACIONAL
A morte na prisão de um ativista marca a 15ª sexta-feira dos protestos na Argélia
Redação

Centenas de milhares de pessoas voltaram a se manifestar em todo o país para expressar seu rechaço ao regime e exigir a libertação de todos os presos políticos, após a morte de Kamel Edin Fekhar.

Ver online

"Poder assassino" grita uma maré de pessoas que voltou às ruas nesta sexta-feira em toda a Argélia, a décima quinta desde que os protestos começaram, para expressar sua rejeição ao regime.

Mas nesta sexta-feira eles incorporaram uma nova demanda às suas demandas: a libertação de todos os presos políticos. É consequência da morte na prisão do ativista Kamel Edin Fekhar, na última terça-feira, que marcou as marchas da 15ª rodada consecutiva de protestos.

Os manifestantes acusam as autoridades pela morte de Fekhar, que estava em greve de fome para protestar contra sua prisão, em 31 de março. Fekhar já havia sido preso por dois anos entre 2015 e 2017 sob a acusação de supostamente "atacar a autoridade do Estado". Suas fotografias povoaram todas as manifestações e em muitas das reuniões um minuto de silêncio foi mantido em sua memória.

Kamal Eddine Fekhar tornou-se uma das figuras da luta pelos direitos humanos que surgiram durante os trágicos acontecimentos de Ghardaia, quando confrontos eclodiram entre Mozabite e comunidades árabes. O governo tinha abastecido tensões entre as duas comunidades para silenciar demandas democráticas e sociais do movimento Berber contra o confisco de terra para o benefício das multinacionais e oligarcas argelinos.

As mobilizações nas principais cidades do país acontecem na última sexta-feira do Ramadã (mês do jejum muçulmano). "Argélia livre democrática", "Não ao Estado militar", "Fora o sistema, soberania para o povo", "Liberdade para todos os presos políticos e prisioneiros de opinião" são as consignas mais cantadas junto à rejeição das eleições marcadas para 4 de julho. "Não às eleições fraudulentas" afirmam.

O Chefe de Gabinete Ahmed Gaïd Salah, rechaçado por manifestantes, disse em várias ocasiões que a demanda dos manifestantes que "todo o regime caia" é "irresponsável e perigosa". Salah é um dos principais denunciados pelos manifestantes como parte do antigo regime e é por isso que exigem sua renúncia.

Isso explica a virada repressiva do governo de transição. Prisões e repressões policiais no centro da capital argelina, mais fortes que na sexta-feira anterior, não pararam as milhares de pessoas protestaram na Praça dos Correios e nas ruas do centro da cidade após o fim da oração muçulmana na sexta-feira no início da tarde.

Rejeitado pelos protestos, os potenciais comícios estão pendurados por um fio enquanto nenhuma grande figura política e nenhum dos principais partidos políticos (incluindo o partido no poder) apresentaram oficialmente sua candidatura. O Conselho Constitucional deve decidir antes de 5 de Junho, sobre a validade dos candidatos, mas parece que ele não iria cumprir as condições exigidas, que são dois: 600 avais de deputados ou 60.000 assinaturas de eleitores.

O General Salah, verdadeiro homem forte da sequência da renúncia de Abdelaziz Bouteflika como presidente em 2 de abril, reapareceu esta semana sugerindo que as eleições em 4 de julho tem todas as chances de serem suspensas. Gaïd Salah pediu um diálogo com "concessões mútuas" para resolver a crise política e para celebrar assim, "com breves atrasos", as eleições presidenciais. "A prioridade é um diálogo produtivo para acabar com a crise em nosso país", evitando uma decisão em favor de uma transição, conforme solicitado pela oposição e o movimento de protesto popular.

É cada vez mais evidente que Gaïd Salah procura ser o árbitro de transição, similar ao papel do general Al Sisi no Egito, que estendeu seu mandato até 2030. Embora oferte de um suposto diálogo, permitindo que se deixassem de pé os pilares fundamentais da antigo regime, intensificou a repressão de protestos e detenções arbitrárias contra ativistas.

No entanto, a continuidade dos principais atores do regime, que contam com o apoio interessado da França para alcançar uma restauração da ordem, tem pela frente uma tarefa que nada indica que não contará com grandes contradições, uma vez que as massas argelinas revindiquem um governo civil e a saída de antigos parceiros do ex-presidente Abdelaziz Buteflika.

A oposição liberal não propôs uma solução básica e busca uma solução pacífica e negociada da situação. Seu objetivo real é conseguir maiores cotas de poder em um futuro regime de "maquiagem". O rechaço às eleições e as manifestações semanais que realizam massas argelinas, afirmam que estão longe de abandonar a luta por uma profunda mudança de todo o regime.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui