www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Miércoles 18 de Septiembre de 2019
03:01 hs.

Twitter Faceboock
BREXIT
Theresa May anunciou sua renúncia em meio à crise do Brexit
Juan Andrés Gallardo
Buenos Aires | @juanagallardo1

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May anunciou nesta sexta-feira a renúncia para 7 de junho. A crise do Brexit e a derrota nas eleições europeias forçaram sua saída.

Ver online

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou sexta-feira que vai renunciar no dia 7 de junho, quando começará o processo para eleger seu sucessor como líder do Partido Conservador e chefe do Governo do Reino Unido, e permanecerá no cargo enquanto escolhem o novo líder "tory" (como os conservadores são conhecidos).

May anunciou sua decisão em um comunicado na residência oficial do número 10 da Downing Street, em Londres, e depois de se encontrar com o presidente de seu grupo parlamentar, Graham Brady, para determinar seu futuro político.

A decisão foi tomada depois de uma semana marcada pela crise do Brexit em que seu anúncio de apresentar pela quarta vez consecutiva o seu projeto de acordo para a partida da União Europeia foi rejeitado por uma grande parte dos membros do seu próprio partido e os aliados parlamentares, e as projeções das eleições para o Parlamento Europeu mostraram um triunfo do Partido Brexit e a derrota dos Conservadores.

Em sua declaração, a primeira-ministra disse que "sempre lamentaria profundamente" não conseguir executar a saída do país da União Europeia (UE), e pediu a seu sucessor à frente do Partido Conservador e do governo para tentar encontrar um consenso no Parlamento para sair do bloco.

Além disso, May informou que comunicou sua decisão à rainha Elizabeth II e que continuará atuando como primeira-ministra até que o processo de sucessão seja concluído.

"Eu fiz todo o possível" para materializar o "brexit", depois que os britânicos votaram a favor de deixar a UE no referendo de 23 de junho de 2016.

"Em breve vou deixar o trabalho que para mim tem sido a honra da minha vida para servir." Segunda Primeira Ministra?, Certamente não a última, digo sem animosidade, mas com uma enorme gratidão por ter tido a oportunidade de servir o país que amo" disse May, que é a segunda chefe de governo depois de Margaret Thatcher.

Com a renúncia de May, começa a corrida para definir a nova liderança do partido. Negociações que vêm ocorrendo a portas fechadas há semanas. No entanto, nada indica que esse processo seja simples e rápido. Existe a possibilidade de May continuar como primeiro-ministro por várias semanas.

Para o momento, maio ainda estará na cabeça do executivo quando o presidente dos Estados Unidos. EUA, Donald Trump, fazem sua visita de estado entre 3 e 5 de junho, deixando nua a crise em que ele mergulhou o processo Brexit no Reino Unido.

Enquanto o navio do Reino Unido permanece à deriva May e Trump vão participar, entre outras coisas, em um banquete com a rainha e, possivelmente, uma parte dos parlamentares.

Não se pode descartar a possibilidade de Trump também encontrar o líder eurocéptico local Nigel Farage, de extrema-direita, a quem todos dão como vencedor das eleições europeias realizadas na quinta-feira. Isto é anunciado pelo site fundado pelo ex-conselheiro de Trump, Steve Bannon, que é o atual dono do partido "internacional" da extrema direita.

Após o anúncio de May, o líder trabalhista Jeremy Corbyn, líder da oposição, disse na sexta-feira que eleições gerais devem ser convocadas imediatamente para que "as pessoas possam decidir sobre o futuro do país". Em sua conta no Twitter, Corbyn disse que May "Agora aceitou o que o país sabe por meses: não pode governar, e nem o seu partido dividido e desintegrado. Quem se tornar o novo líder Tory deve deixar o povo decidir o nosso futuro através de uma eleição geral imediata".

No entanto, não há indicação de que o Partido Conservador vai permitir a convocação de eleições até definir internamente sua própria proposta para suceder May com um líder conservador.

Entre os nove nomes que são embaralhados para suceder, há uma esmagadora maioria dos eurocépticos, alguns deles a favor de uma saída "dura" da União Europeia.

A Europa recebeu a notícia com poucas expectativas. A Comissão Europeia (CE) anunciou na sexta-feira que o presidente do executivo comunitário, Jean-Claude Juncker, "acompanhou o anúncio do primeiro-ministro May nesta manhã sem alegria pessoal". O presidente apreciou e gostou de trabalhar com a primeira ministra May e como disse antes, Theresa May é uma mulher com coragem por quem ele tem grande respeito", disse Mina Andreeva, porta-voz da CE, na conferência de imprensa diária da instituição. A reação de Juncker, com certa nostalgia, dá a ideia de que antes dos sucessores embaralhados, May era "toda uma moderada".

O final

Nos últimos dias, May, que até agora conseguiu segurar a liderança, apesar da forte pressão interna para renunciar, sofreu um golpe quando deputados e alguns ministros manifestaram a sua oposição à sua última tentativa de obter a aprovação de seu acordo "Brexit", apesar de já ter sido rejeitado pelo Parlamento em três ocasiões.

Na quarta-feira, a líder do grupo conservador na Câmara dos Comuns, Andrea Leadsom, responsável pela agenda parlamentar do Governo, renunciou em desacordo com a forma como a primeira-ministra conseguiu o "brexit", mas, mais especificamente, pela sua intenção de apresentar o projeto de lei sobre o acordo de retirada da UE negociado com Bruxelas.

Esse projeto incluiu algumas modificações, entre elas a possibilidade de que os deputados pudessem votar na realização de um segundo referendo para confirmar ou rejeitar o acordo "brexit".

O Reino Unido definiu a retirada da UE para o próximo dia 31 de outubro, após solicitar um adiamento no dia de 29 de março de 2019, inicialmente estabelecido.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui