www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Viernes 19 de Julio de 2019
06:22 hs.

Twitter Faceboock
GOVERNO BOLSONARO
No Brasil de Bolsonaro, desigualdade de renda bate recorde histórico
Redação

Segundo estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV/IBRE), o índice medidor da desigualdade no país que vem subindo desde 2015, atingiu seu maior índice desde 2012.

Ver online

Tal pesquisa afirma que antes da crise, os mais ricos tiveram aumento de 5% de sua renda e os mais pobres 10%. Após a crise os mais ricos tiveram aumento de 3,3% da renda acumulada, e os mais pobres tiveram queda de 20%, ou seja, superou o aumento inicial. É mais uma prova que no Brasil de Bolsonaro estão preservados os lucros dos ricos enquanto os pobres seguem sofrendo e pagando por uma crise de que não são responsáveis.

A pesquisa também demonstra que as pessoas que ganham menos sofreram mais os efeitos da crise que os que possuem maior renda, e que as pessoas mais pobres hoje estão demorando mais para se recuperar em comparação com os mais ricos. Em 7 anos a renda acumulada dos mais ricos aumentou em 8,5%, enquanto que a dos mais pobres caiu em 14%.

Alguns economistas já apontam sinais característicos de que a economia no Brasil estaria entrando em depressão, e em meio a isso segue aumentando os números alarmantes de 13,7 milhões de desempregados, sendo 12,7% dos brasileiros, e a perda de 1 milhão de empregos em 5 meses de governo Bolsonaro. Mantém Bolsonaro o aumento constante da miséria dos pobres no país para seguir garantindo o lucro dos ricos às custas do suor dos trabalhadores.

Com isso Bolsonaro e sua equipe econômica ainda querem implementar a Reforma da Previdência para fazer com que os trabalhadores trabalhem até morrer, para manter intactos os lucros dos empresários (que devem R$450 bilhões à Previdência Social) e o pagamento da fraudulenta dívida pública. A garantia da lei de responsabilidade fiscal – a qual o PT respeitou religiosamente em seus anos de governo, pagando cerca de 13 trilhões de reais para os banqueiros com a dívida pública – serve como um enorme mecanismo de submissão da nossa economia aos interesses do imperialismo.

Lutar contra a Reforma da Previdência e pelo não pagamento da dívida pública é fundamental para fazer com que não sejam os trabalhadores que paguem pela crise, e sim os capitalistas, para que se apresente uma alternativa para a crise econômica brasileira que responda realmente aos interesses da classe trabalhadora e das massas desempregadas da juventude.

Se torna urgente unificar as atuais lutas hoje para derrotar o governo e seus planos de ajustes para que os capitalistas paguem pela crise. É necessário que tanto as direções estudantis quanto as sindicais unifiquem as pautas que hoje mantém separadas, contra os cortes na educação e contra a reforma da previdência. Exigimos de CUT e CTB que unifiquem as lutas, e não deixem trabalhadores e estudantes esperando até o longínquo 14/06 por uma greve geral. As centrais sindicais precisam antecipar o chamado à greve geral, se unificando com o chamado da UNE para o dia 30/05, junto à juventude em luta. Precisamos de uma paralisação nacional unificada no dia 30 de maio, contra os cortes na educação e a reforma da previdência!

foto: Sergio Moraes/Reuters

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui