www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Viernes 23 de Agosto de 2019
17:56 hs.

Twitter Faceboock
PARALISAÇÃO
Municipais de Campinas impõe paralisação no dia 22 contra direção sindical pelega
Danilo Magrão
Professor de sociologia da rede pública
Daniel Oliveira
Professor municipal de Campinas
Ver online

A reforma da previdência pretendida pelo governo Bolsonaro tem despertado preocupação em amplos setores dos trabalhadores pelo país. Não obstante o apoio inicial de parcela dos eleitores, as questões objetivas que ameaçam afetar a massa de trabalhadores em benefício dos grande proprietários e banqueiros impõem um choque de realidade. Não por acaso pesquisas recentes apontam uma queda vertiginosa nos índices de aprovação ao governo.

Por esse motivo o dia de mobilização convocado pelas centrais sindicais para 22/03 vem ganhando corpo entre trabalhadores dos setores público e privado, em especial na educação.

Os professores, mais uma vez, apontam ser uma categoria que pode ser a ponta de lança da luta contra a reforma da previdência. Mesmo as grandes centrais sindicais, chamando apenas uma dia de mobilização, os professores têm aderido massivamente e estão paralisando suas escolas.

Entre os servidores municipais de Campinas não foi diferente. Tão logo correu a notícia da convocação as discussões começaram a ser feitas nos locais de trabalho. Inúmeros trabalhadores decidiram fechar seus postos de trabalho e somarem-se às mobilizações convocadas pela cidade, mesmo com o seu sindicato STMC (Sindicato dos trabalhadores municipais de Campinas), dirigido pelo PSB e filiado a CTB, não chamando a paralisação. Até a noite do dia 19/03 imperava o mais absoluto silêncio em todos os canais de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores STMC de Campinas que representa a categoria. Só então, pressionado pela mobilização espontânea da base da categoria, contando várias paralisações que começaram a ser aprovadas diretamente nas escolas, foi publicado um tímido chamado pela paralisação pelas redes sociais.

É uma vergonha a omissão que esse sindicato vem protagonizando diante dos inúmeros desmandos do governo municipal. Desde as sérias denúncias de desvio de dinheiro da saúde pública, às movimentações para impor a reforma da previdência federal aos servidores dos estados e municípios através do prefeito Jonas Donizette (PSB), a paralisia com relação a campanha salarial. Na prática, é uma direção sindical que funciona como um departamento da prefeitura.

A força dos municipais de Campinas, que atropelaram suas direção sindical burocrática e pelega é um enorme exemplo para os trabalhadores do Brasil. As burocracias das grandes centrais sindicais, que seguem sua paralisia pra construir um verdadeiro plano de luta para barrar a reforma da previdência, precisam ser superadas para que retomemos os sindicatos para as mãos dos trabalhadores, e assim, através de nossa força barrar o conjunto dos ataques do governo Bolsonaro.

Amanhã, às 10:00 e às 18:00 acontecerão atos e manifestações em Campinas no Largo do Rosário, contra a reforma da previdência. Professores municipais, estaduais, estudantes e trabalhadores da Unicamp, como várias outras categorias, estarão presente para mostrar que não seremos nós que pagaremos pela crise.

Veja também: Em Campinas, escolas paralisam contra a reforma da previdência. Confira a lista

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui