www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Martes 17 de Septiembre de 2019
02:48 hs.

Twitter Faceboock
VENEZUELA
Sanção dos EUA contra PDVSA: um salto na ofensiva imperialista contra a Venezuela
Redação

A decisão do governo dos EUA é um salto na ofensiva do golpe. As consequências recairão sobre a população trabalhadora e os pobres. É necessário um plano de emergência e uma solução independente para esta crise.

Ver online

Imagem: EFE

A tensão política no país está se acelerando cada vez mais, à medida que o governo de Donald Trump avança em seu intervencionismo acelerado. Esse avanço encoraja a ala direita em suas intenções de golpe.

A decisão do governo norte-americano de impor novas sanções à PDVSA configura quase um ato de guerra contra a nação venezuelana. O que é apresentado como uma luta contra Maduro trará consigo um novo colapso das condições de vida das pessoas pobres daquele país.

É, na verdade, um embargo petroleiro sem precedentes para a Venezuela. Além disso, as sanções proíbem a exportação para a Venezuela de diluentes usados pela PDVSA no processamento de petróleo pesado e extra pesado e limitam o comércio de títulos da PDVSA. Isso significa que a produção de petróleo no próprio país pode continuar caindo. Da mesma forma, não será possível exportar ou importar derivados de petróleo dos EUA. como, por exemplo, gasolina.

A PDVSA já se encontra em uma grande crise dentro do território venezuelano, com seus níveis de produção caindo para mínimos apenas comparáveis aos de 1940. Se em 2012 eles produziram cerca de 3 milhões de barris por dia, hoje esse número está próximo de um milhão de barris, levando à quedas acentuadas nos fluxos de caixa.

A sanção dos EUA inclui o congelamento de 7 bilhões de dólares em ativos venezuelanos, além de outros 11 bilhões em exportações futuras. Cada pagamento que entra no PDVSA terminará em contas congeladas. Com um descarado cinismo, Steven Mnuchin - Secretário do Tesouro dos EUA - disse que "se os venezuelanos querem continuar nos vendendo petróleo e aceitarem que o dinheiro vai para as contas bloqueadas, não temos problema, continuaremos comprando".

Os EUA são o destino de cerca de metade das exportações venezuelanas. Outra parte significativa do petróleo bruto é exportada para a China. No entanto, grande parte desse hidrocarboneto está em pagamento de dívidas contraídas, portanto não significam renda para o país. Outras cotas vão para outros países em proporções diferentes, e uma parte vai para a troca de mercadorias.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui