www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Sábado 24 de Agosto de 2019
10:19 hs.

Twitter Faceboock
DIANTE DE UM NOVO ANIVERSARIO DE SUA MORTE
A história do testamento de Lenin
Claudia Ferri

O documento, proibido na URSS durante décadas, era considerado uma "bomba contra Stalin.”

Ver online

O dia de hoje marca um novo aniversário da morte de Lenin. Sua intensa vida política e a extensa obra que produziu ao longo de sua vida expressam a combinação explosiva que marcou seu gênio: a teoria marxista e a prática política revolucionária.

Lenin teve uma doença longa. Sua saúde começou a piorar no final de 1921 e o primeiro ataque que sofreu em um domingo de maio de 1922 deixou-o paralisado e sem fala por um tempo. Embora tenha retomado brevemente a vida pública durante uma época em que sua saúde melhorou, novos ataques o mantiveram em uma residência fora de Moscou. Entre o final de dezembro de 1922 e o início de janeiro de 1923, ele ditou aos seus secretários (1) uma série de notas confidenciais. O conjunto dessas notas é conhecido como testamento político de Lenin. Este documento é de importância central não só porque levanta uma série de propostas programáticas ao conjunto do partido para frear a crescente burocratização , mas também porque propõe destituir de Stalin de suas funções enquanto exalta as virtudes de Trotsky. O chamado testamento derrubou o mito construído por numerosos escritores stalinistas, nos anos seguintes, que apresentaram Stalin como o discípulo favorito de Lênin; e eles o transformaram em um herói quase divino, honesto e superior, desprovido de qualquer traço humano. Devemos a recuperação do testamento ao trotskismo e o próprio Trotsky que manteve Lenin imagem viva mais humano, flexível, ousada e perspicaz, sem perder a intransigência que um revolucionário deve ter de enfrentar qualquer situação que deve enfrentar.

O começo da luta pela sucessão começou com os primeiros ataques da doença. O Bureau Político, sem Lenin tinha 6 membros (2), deu à luz uma facção (não tão secreta) que tinha como único propósito de impedir que Trotsky ganhou a maioria que lhe permitiria tornar-se o "herdeiro" de Lenin (3). A troika (tríade) consistia em Zinoviev, Kamenev e Stalin. Claramente, este último foi o que mais lucrou com essa aliança. Nos últimos meses de 1922, Stalin como Secretário Geral nomeou muitos de seus homens para posições de poder no aparato, controlando todos os movimentos do partido.

Lenin observou com preocupação o crescente poder que Stalin foi acumulando e estava pronto para dar uma luta no âmbito do Comité Central contra estes métodos foram minando o caminho do governo revolucionário russo e do desenvolvimento da revolução internacional. Seu único aliado foi Trotsky, a quem propôs formar um bloco contra a troika e contra a crescente burocratização interna, através de uma série de cartas confidenciais (4).

Quando a saúde de Lenin piorou, a política do secretário-geral tornou-se cada vez mais agressiva e reacionária. Na reunião do Comité Central novembro de 1922, em que nem Lenin nem Trotski estavam presentes (ambos doente) votou uma mudança radical no comércio exterior enfraquecido as fundações do monopólio estatal para o benefício do setor privado. Os dois ausentes puseram o grito no céu e Trotsky, em representação de Lenin, encarregou-se de defender a posição de ambos conseguir que recuasse com a medida em dezembro. Naquele mesmo mês, Lenin começou a ditar seu "testamento". Era para ser lido no XII Congresso do partido que aconteceria em abril do mesmo ano. No entanto, não foi divulgado, o que havia na vontade que tanto assustou a troika?

O testamento

O testamento de Lenin –que pode ser lido nas obras seletas editadas por IPS-CEIP Leon Trostsky-é formado por uma série de cartas e notas ditadas por Lenin a suas duas secretarias entre 23 de dezembro de 1922 e 4 de janeiro de 1923.Sao textos curtos e sintéticos, já que contava com poucos minutos ao dia para poder ditar suas ideias, por exigências médicas. A tensão do revolucionário estava centrada em três aspectos: o problema da direção do partido, o papel da GOSPLAN e a questão acerca das nacionalidades. Todos apontavam diretamente a Stalin.

Lenin irá propor aumentar o número de membros do comitê central a 50, ou mesmo, 100 membros com a ideia de incorporar trabalhadores jovens para que adquiram experiência política e acrescentar sua contribuição para melhorar as condições terríveis em que o aparato do partido estava. Esclarece que estes mesmos jovens não têm que vir de estruturas do aparato, mas que tem que estar perto dos trabalhadores e camponeses simples. Assinou a incapacidade da Inspeção dos Trabalhadores e Camponeses, um órgão dirigido por Stalin, encarregado de controlar a burocracia e a má gestão das instituições do Estado, e propõe ligá-lo à Comissão de Controle. Como diz o historiador e biógrafo de Lenin, essa era "a obra-prima de seu plano de reorganização do Comitê Central e de todo o topo do organograma do Partido". Além disso, em face da controvérsia sobre uma possível divisão no partido sobre as diferenças entre Stalin e Trotsky, ele se inclina para o segundo, destacando-o como o mais capaz entre os membros do Comitê Central, embora acrescente que ele tem uma excessiva autoconfiança e que ele é atraído pelos assuntos administrativos das coisas. Trotsky tomou essas palavras pelo que elas eram: uma crítica política entre os revolucionários. No entanto, quando se referiu a Stalin, advertiu sobre o imenso poder que acumulava e duvidava que soubesse como usá-lo com prudência (Carta de 24/12/1922). Poucos dias depois, em 4 de janeiro, ele acrescentou uma declaração contundente, descrevendo Stalin como rude, uma falha intolerável nas funções do secretário geral, e acrescentou: "Proponho aos camaradas que eles reflitam sobre como remover Stálin daquele cargo e nomeá-lo para outra pessoa que tenha apenas uma vantagem sobre o camarada Stálin: o de ser mais tolerante, mais leal, mais cortês e mais atento aos camaradas, com um humor menos caprichoso, etc. "(6).

O segundo ponto que se desenvolve no documento é sobre o GOSPLAN (Comissão de Planejamento do Estado). Mais uma vez ele está ao lado de Trotsky e reconhece que é uma "idéia saudável" melhorar suas habilidades. Para isso, profissionais e especialistas que trabalham em conjunto com a gestão do GOSPLAN devem ser incluídos. Na carta de 14 de dezembro de 1922, o secretário de Lenin copiou: "Proponho propor ao congresso que conceda um caráter legislativo, sob certas condições, às decisões do Gosplan, aderindo neste ponto ao camarada Trotsky, até certo ponto e em certas condições ". Lênin viu a necessidade de profissionalizar essa tarefa, aumentando a competência do órgão do Estado.

Mas "a bomba contra Stalin" (como diriam seus secretários) foi o último ponto desenvolvido no Testamento. Eles se referem ao problema das nacionalidades, tratado por Lênin em 30 e 31 de dezembro. Lá, ele acusou diretamente o aparato partidário de manter os piores métodos do czarismo na Geórgia (local de nascimento de Stálin) em que o Estado soviético e o centralismo burocrático haviam sido impostos pela força (e Trotsky denunciara a política stalinista como brutal e contrária aos interesses do proletariado mundial). Aponta diretamente o Comissário do Povo para as Nacionalidades - Stalin - encarregado de estabelecer relações entre o governo e o resto das pequenas nacionalidades que foram brutalmente oprimidas durante o czarismo. Na carta, Lênin acusa-o de chauvinismo e nacionalismo social, dizendo que ele tem um problema de princípios: como entender o internacionalismo.

É a nação opressora (grande, neste caso a Rússia), que não só deve ser reduzida para observar a igualdade formal das nações oprimidas, mas tem de lutar eficazmente para melhorar as condições das pequenas nações e estabelecer solidariedade e laços democráticos com base em fortalecer a União das Repúblicas soviéticas "quem não entendeu isso não entendeu a posição verdadeiramente proletária sobre a questão nacional, no fundo ainda mantém o ponto de vista pequeno burguês" (7). Dois meses depois, Lenin enviou uma carta a Stalin, quebrando relações pessoais com ele, se ele não retirar o insulto feito a Krupskaya por telefone (no final de dezembro, embora Lenin só tenha sabido em março de 1923) por ter permitido uma troca de mensagens entre Lenin –que estava de cama- e Trotsky. Enquanto algumas leituras contemporâneas (e stalinistas) falam de uma ruptura pessoal para minimizar diferenças, em Lenin não havia aspectos pessoais separados dos políticos. Seus últimos seis meses de vida foram destinados a combater a propagação do burocratismo especialmente encarnada na figura de Stalin.

Um mês antes do congresso de 1923, sua doença piorou e ele não conseguiu mais se recuperar. Apesar da insistência de Krupskaia após a morte do revolucionário, o Testamento não foi discutido no Congresso. Foi lido somente em 22 de maio de 1924 em uma sessão especial do CC expandido que incluía os militantes mais veteranos e foi recebido como uma bomba real (8).

Anos mais tarde, quando Zinoviev e Kamenev se juntaram a Trotsky na Oposição Conjunta para derrotar politicamente Stalin, a discussão sobre o testamento ressurgiu novamente. Quando o décimo aniversário da Revolução de Outubro foi cumprido, os militantes da oposição distribuiram milhares de cópias do testamento para as massas que tinham ido às ruas para comemorar. O aparato de Stalin agiu rapidamente e reprimiu e aprisionou aqueles que queriam dar a conhecer as últimas palavras de Lênin. O testamento ficou conhecido na URSS justamente com a morte de Stalin, no XX Congresso de 1956 - o da "desestalinização" - e depois publicado na revista Kommunist no mesmo ano.

O stalinismo transformou a imagem de Lenin em uma divindade. Após a sua morte, milhares de monumentos foram criados, seu corpo foi embalsamado e foi inventada a lenda oficial de que o leninismo e o trotskismo estavam em caminhos opostos. No entanto, a luta de Trotsky e milhares de militantes trotskistas, muitos deles condenados, deportados e assassinados pelo governo soviético dos anos 20 e 30, permitiu que a imagem de um Lenin mais humano fosse mantida viva, recuperando melhores experiências da revolução de outubro e seu imenso legado teórico. Foi o trotskismo que lutou incessantemente para recuperar Lenin e denunciar os métodos difamatórios, caluniosos e faccionais tão comuns no stalinismo.

NOTAS

1. M Volodicheva e L. Fotieva.

2.Trotsky, Bhukharin, Zinoviev, Kamenev, Tomsky e Stalin

3. Veja Deustcher, Isaac. O profeta desarmado, p. 76

4.Fragmentos dessas cartas podem ser lidos em O Profeta Desarmado(Deustcher),
Minha Vida(Leon Trotsky) e a Última batalha de Lenin( Moshe Lewin).

5. Ver Leon Trotsky, Lenin, Bs. As., Ediçoes IPS-CEIP, 2009, P 367.

6.Lenin, Selected Works, volume ll ed. IPS-CEIP, pp 556-557

7. Lbid. P. 565

8. Alguns historiadores como Broué ou Deustcher se perguntam por que Trotsky não lutou naquele tempo para divulgar o testamento. A verdade é que Trotsky (e os médicos) confiaram em uma rápida melhoria de Lenin e suas forças foram postas em armar o famoso bloqueio. Trotsky sabia que ele estava apenas no departamento político e que depois da bomba iriam para ele. Além disso, num momento em que Lenin estava lutando com a morte, ele temia que foi interpretado como uma luta para dividir os seus despojos ( Veja Leon Trotsky, Lenin, op. Cit , p. 371).

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui