Educação

Zema pede "sacrifício" a servidores da educação em greve

Em entrevista ao programa Balanço Geral, da RecordTV Minas, nesta quarta-feira, o governador Romeu Zema disse "lamentar" a greve dos professores e pediu sacrifício aos servidores da educação.

quinta-feira 13 de fevereiro| Edição do dia

Fonte: R7

Enquanto propõe um aumento de 41,7% para as forças de segurança do Estado, ou melhor dizendo, as forças de repressão do Estado, nega o aumento reivindicado pelos servidores da educação de 12% e a regularização do 13° salário de 2019 que ainda não foi pago.

Zema justifica que as "forças de segurança" do Estado não recebem aumento a 6 anos e nega o aumento aos servidores da educação pois esse inviabilizaria a adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal do governo Federal.

Zema ainda pede "sacrifícios" aos trabalhadores que reivindicam seus direitos contrapondo-os a dura realidade de um milhão e meio de mineiros desempregados.

O governo Zema em consonância com o governo Bolsonaro, mostra sua cara reacionária e o seu plano de desmonte da educação, passando pelo não reajuste salarial e não pagamento dos 13° atrasados, alimenta o aumento salarial dos que reprimem, deixando bem claro a que serve seu governo.

Zema, assim como Bolsonaro, pretende descarregar a crise capitalista nas costas dos trabalhadores, passando pela proposta de reforma da previdência estadual, enquanto fortalece suas forças repressivas para, na base da força, continuar atacando os trabalhadores.

Saiba Mais: Professores da rede estadual em MG votam por greve




Tópicos relacionados

Romeu Zema   /    Greve Educação MG   /    Minas Gerais   /    Educação

Comentários

Comentar