×
Rede Internacional

BLACK LIVES MATTER | Will Smith: muitas vezes a polícia me parou com insultos racistas

Em uma entrevista o ator falou sobre as manifestações contra o racismo que atravessam os EUA. E afirmou que a polícia da Filadelfia o chamou "nigger" (uma expressão com conotação extremamente racista) em mais de dez ocasiões.

segunda-feira 13 de julho de 2020 | Edição do dia

Na segunda passada a estrela de Hollywood publicou em seu canal do YouTube uma versão editada de uma entrevista com Angela Rye, onde expõe sua postura sobre o movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam). Nela declarou que "estamos em uma circunstância na qual nunca havíamos estado, o mundo inteiro se levaaantou e disse aos afroamericanos ’os vemos, os escutamos, como podemos ajudá-los? Nunca estivemos neste lugar".

Will Smith nasceu na Filadélfia, uma das maiores cidades dos EUA, onde calcula-se uma população de 40% de negros atualmente. "Cresci sob o governo de Rizzo, ele passou de ser chefe de polícia a governador, tinha mão de ferro. Os policiais da Filadélfia me chamaram ’nigger’ (negro, tem uma conotação extremamente racista) em mais de dez ocasiões, me paravam frequentemente. Por isso entendo o que é estar nestas circunstâncias com a polícia, sentindo como se tivesse sido ocupado, é uma força de ocupação", declarou na entrevista.

Nos Estados Unidos, segundo o "mapeamento da violência policial", um afroamericano tem 3 vezes mais probabilidades de ser assassinado pela polícia que um homem branco. E segundo este mesmo estudo, de 2013 a 2019, somente 1% dos oficiais de polícia acusados de assassinato foram castigados.

O reconhecido ator também reafirmou "fui a uma escola católica no subúrbio, e dessa forma entendi quais são as disparidades de uma maneira realmente interessante, as crianças brancas estavam felizes quando aparecia a polícia, enquanto que meu coração sempre começava a bater com força. As pessoas que não crescem neta situação, simplesmente não podem compreendê-la. Não se pode simplesmente compreender o que se sente em viver num território ocupado".

Assim retratava sua própria experiência em suas origens, atravessada pelo racismo e a violência policial estruturais nos Estados Unidos. Também se pronunciou em apoio ao desfinanciamento da instituição policial, uma exigência que ganhou grande peso no movimento que tomou as ruas.

A extensão dessa demanda põe em evidência o papel do próprio Estado e suas forças repressivas para sustentar a violência e discriminação com os setores oprimidos. No marco da pandemia a população negra, os imigrantes, as mulheres e LGBTs são os mais afetados pela crise sanitária, social e econômica. A repressão sistemática a estes setores não é casual, quando se observa aos governos do mundo implementar políticas que só buscam salvar aos grandes empresários enquanto as grandes maiorias sofrem os efeitos da crise.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias