Internacional

ELEIÇÕES NO URUGUAI

Votação no Uruguai: postergam o resultado devido a um empate técnico entre Lacalle Pou e Martínez

Com 100% dos votos contados, o candidato da coalizão de centro-direita, Lacalle Pou ganha por 28.600 votos do candidato da Frente Ampla Daniel Martinez. Entretanto, o Tribunal Eleitoral não o declarou vencedor e o resultado final será conhecido entre quinta e sexta-feira.

segunda-feira 25 de novembro de 2019| Edição do dia

Os resultados oficiais com 100% dos votos contados dão 1.168.019 votos a favor de Lacalle Pou, líder da "coalizão multicolorida" da direita que inclui o Partido Nacional, Partido Colorado, Partido Independente, Capítulo Aberto e Partido Popular, contra 1.139.353 votos para o candidato da Frente Ampla (FA) Daniel Martinez. Ou seja, uma diferença muito apertada, de pouco mais de 28.000 votos.

Com um resultado tão estreito, o Tribunal Eleitoral do Uruguai não anunciou um vencedor e deve aguardar o resultado da votação final entre quinta-feira e sexta-feira desta semana, já que também há cerca de 34 mil votos contestados que podem mudar a tendência final.

O candidato da Frente Ampla Daniel Martínez falou com seus apoiadores e não reconheceu uma derrota, mas confirmou que temos que esperar pelos resultados finais para saber quem será o próximo presidente do Uruguai.

Lacalle Pou, candidato do Partido Nacional e da coalizão de direita, falou depois da meia-noite e disse que a "coalizão multicolorida" será a vencedora, mas que eles não podem confirmar isso até que o Tribunal Eleitoral oficialize nos próximos dias.

A reviravolta da FA, que não foi suficiente para ultrapassar a direita

O escrutínio provisório contrasta com as pesquisas anteriores que deram Lacalle Pou como vencedor certo. Os dados preliminares mostram uma diferença muito estreita que condiciona a coalizão de direita, caso seja finalmente vitoriosa, deixando uma Frente Ampla na oposição mais forte que no primeiro turno, onde obteve cerca de 39% do total (cerca de 950.000 votos).

Em outras palavras, a Frente Ampla conseguiu ganhar cerca de 190.000 votos entre o primeiro turno e a votação, enquanto a candidatura de Lacalle Pou passou de 700.000 votos no primeiro turno para 1.168.019 no segundo, cerca de 470.000 votos a mais. No entanto, este número é praticamente a soma dos votos obtidos pelo Partido Nacional, o Colorado e o Cabildo Abierto no primeiro turno, três das forças que compunham a coalizão de oposição multicolorida.

A Frente Ampla, que nos últimos dias perdia por uma diferença de 6 ou 7 pontos, conseguiu uma reviravolta e chegou no domingo a apenas 1 ponto percentual de diferença da coalizão multicolorida.

Reação às declarações do "partido militar"

Na última sexta-feira, em meio à proibição eleitoral, o ex-candidato à Prefeitura Aberta Guido Manini Ríos (conhecido como o Bolsonaro uruguaio) viralizou um vídeo onde provocativamente convocou as tropas das Forças Armadas a não votar na Frente Ampla. No mesmo dia, as declarações do Círculo Militar foram tornadas públicas com um discurso totalmente golpista e ameaçador, instando a família militar a não votar na Frente Ampla. Evidentemente, estas declarações pesaram negativamente no momento da votação e geraram uma rejeição em amplos setores, o que finalmente fez com que a Frente Ampla recuperasse parte de seu caldo eleitoral das eleições anteriores.

Os discursos

Em seu discurso, Daniel Martínez foi triunfante e pretendeu promover uma ideia de unidade nacional, apelando ao fato de que "somos todos uruguaios", um discurso que contrasta com a campanha de medo lançada por setores da Frente Ampla semanas antes da votação, de que haveria uma polarização entre “democracia” e “fascismo”.

Depois da meia-noite, Lacalle Pou apareceu diante da militância da coalizão multicolorida e se mostrou irritado com a atitude do candidato da Frente Ampla que ainda não reconheceu a derrota. Lacalle também pediu a unidade de todos os uruguaios, um discurso recorrente na campanha e que se faz necessário impor até o próximo governo que terá uma perspectiva de ajuste.

O resultado expressa, por um lado, um certo desgaste com os mandatos Frente Amplistas e a ruptura pela direita de alguns setores da população, mas, ao mesmo tempo, a rejeição das palavras de Manini também coloca um manto de instabilidade sobre a coalizão. Portanto, o resultado muito apertado deixa a Frente Ampla numa boa posição.

Se os resultados finalmente derem a Lacalle Pou como vencedor, o próximo período encontrará uma direita fortalecida, embora com a Frente Ampla como uma força importante na oposição. Esse resultado desafia a classe trabalhadora, os jovens e os setores populares a se prepararem para os ataques e ajustes certos que virão.

Por enquanto, será necessário esperar pelo escrutínio final entre quinta-feira e sexta-feira para descobrir quem será o próximo presidente.




Tópicos relacionados

Uruguai   /    Internacional

Comentários

Comentar