Sociedade

Votação do "Escola Sem Partido" é adiada: que a CUT e CNTE mobilizem já!

A votação do projeto que vai legalizar a perseguição aos professores foi adiada para semana que vem. Somente uma grande força unindo toda a educação nacionalmente pode barrar esse projeto, as organizações de massas dos trabalhadores e profissionais da educação precisam mobilizar já!

Maíra Machado

Professora da rede estadual em Santo André e militante do MRT

quarta-feira 31 de outubro| Edição do dia

Imagem: Geledés

O projeto da Escola Sem Partido (ou escola com mordaça) seria analisado nesta 4ª feira (31) na Câmara dos Deputados. O relatório é do deputado Flavinho (PSC-SP), e o projeto reforça o caráter machista, racista e LGBTfóbico do novo governo e do parlamento brasileiro que já se adianta para aprovar o projeto de lei.

Parte dos presentes para acompanhar a análise do projeto não foi autorizada a entrar no plenário que analisava o texto. Ainda, grande parte dos professores que conseguiram entrar realizaram um forte protesto contra o autoritarismo dessa absurda votação por fora da comunidade escolar. Porém, essas medidas não serão suficientes, é preciso uma grande mobilização em todo o país, por isso fazemos essa exigência as grandes entidades dos trabalhadores da educação.

O projeto busca não apenas perseguir os professores, mas também impedir qualquer tipo de discussão no ambiente escolar sobre os temas de gênero, sexualidade e raça. Sendo o nosso país um dos mais violentos contra esses setores oprimidos no sistema capitalista.

Após a "caça às bruxas" iniciada por sua deputada catarinense Ana Carolina Campagnolo, Bolsonaro soltou vídeo chamando a perseguição aos professores. Dessa forma o “Escola sem Partido” nunca precisou esperar essa votação para tentar se colocar em prática. Já há algum tempo temos acompanhado diversas formas de assédio e exposição de professores e professoras por esse movimento. Nem bem as urnas esfriaram, a Câmara dos Deputados quer correr para transformar em lei essa forma de assédio. O “Escola sem Partido” representa também um imenso retrocesso na pluralidade de pensamento e na formação crítica de nossos jovens.

As entidades dos trabalhadores da educação e estudantes, como a CNTE, a APEOESP e o SINPEEM em São Paulo, o SEPE e Sinpro-RJ, a UNE e todas as entidades país afora que com toda a força que dirigem a muito tempo devem aproveitar essa 1 semana de atraso na votação do projeto de lei e organizar um plano de lutas a partir de comitês de base, que unifique toda a educação numa grande luta para derrotar esse projeto. É criminoso que as direções não tenham convocado até agora uma resposta pela base em defesa da liberdade de expressão dos professores. Exigimos uma resposta em defesa da educação!




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Comitês contra Bolsonaro   /    Mulheres Contra Bolsonaro   /    Escolas   /    Bolsonaro   /    Escola sem partido   /    Militarização das escolas   /    Sociedade

Comentários

Comentar