Política

RIO GRANDE DO SUL

Vigília contra as privatizações de Sartori é convocada para os dias 29, 30 e 31

Sindicatos e movimentos sociais convocam vigília na Praça da Matriz, em Porto Alegre, durante os dias 29, 30 e 31 de janeiro, contra a medida de Sartori para liberar a privatização da CEEE, CRM e Sulgás sem necessidade de plebiscito. No final de janeiro o governo também pretende aprovar a adesão do RS ao regime de recuperação fiscal de Temer.

segunda-feira 15 de janeiro| Edição do dia

Aproveitando o verão e a cidade mais vazia, Sartori pretende aprovar duros ataques contra o patrimônio público e a classe trabalhadora gaúcha, sobretudo os servidores públicos.

Durante 2017 a votação que autoriza a privatização das estatais CEEE, CRM, e Sulgás sem necessidade de plebiscito foi inviabilizada principalmente pela luta dos trabalhadores em educação e por importantes divisões na base do governo na ALERGS. Passada a greve o governador mais detestado pelos trabalhadores gaúchos pretende aprovar esses ataques no final de janeiro, em sessão extraordinária na Assembleia Legislativa.

Além disso a sessão extraordinária deve pautar também a adesão ao regime de recuperação fiscal do governo golpista de Temer. No ano passado o governo também enfrentou dificuldades e fechou 2017 sem conseguir aprovar este ataque, tendo as contas do estado questionadas inclusive pelo próprio governo Temer.

Frente à tentativa do governo de aprovar estes ataques, sindicatos e moimentos sociais convocam para uma vigília nos dias 29, 30 e 31 de janeiro, quando deve ocorrer a sessão extraordinária em que Sartori pretende aprovar estes ataques. A vigília deve se concentrar na Praça da Matriz, em frente à Assembleia Legislativa e o Palácio Piratini.

Na próxima terça (16) ocorrerá ainda manifestação contra a privatização da empresa na sede da CEEE localizada na Avenida Ipiranga, uma das maiores da cidade. A concentração está marcada para as 07h30.




Tópicos relacionados

Rio Grande do Sul   /    Porto Alegre   /    Caxias do Sul   /    Privatização   /    Política

Comentários

Comentar