Internacional

IMIGRAÇÃO EUROPA

Vídeo fascista de um prefeito na Hungria contra os refugiados

Prefeito da ultradireita da Hungria da aldeia de Ashotthalom, fronteira com a Sérvia, filmou um vídeo que ameaça os “imigrantes ilegais” com a prisão, expulsão e mais vigilância do exército e da polícia.

Cynthia Lub

Barcelona | @LubCynthia

quarta-feira 23 de setembro de 2015| Edição do dia

“Se querem ir até a Alemanha, então a rota mais curta é desde a Sérvia é através da Croácia e Eslovênia. Não confiem nos traficantes de humanos. Hungria é uma opção ruim. Asthottalom é a pior”, acaba dizendo a mensagem desse breve, mas impactante vídeo, difundido no país húngaro em cujas fronteiras a situação dos refugiados se converteu em um verdadeiro inferno.

Começa falando Lazlo Toroczkai, prefeito de uma cidade chamada Asthottalom que se encontra perto da fronteira com a Sérvia, por onde mais de 220.000 migrantes passaram durante este ano para Europa Ocidental.

Com uma posição firme disse, “ Aqueles que tratarem de cruzar nossas fronteiras ilegalmente podem facilmente terminar em prisão. Desde 15 de Setembro, na Hungria, cruzar as fronteiras ilegalmente é um crime” e ameaçou dizendo que “podia ser castigado com a prisão e vários anos de expulsão da Hungria” e explicando que para isso, ele contará com a presença de uma forte disposição de polícias e soldados.

O vídeo não está muito longe da realidade. As imagens da Hungria de milhares de refugiados recebidos a empurrões, cassetetes e gás de pimenta nas fronteiras já percorreram o mundo desde que se agravou a crise migratória europeia.

Nesta última semana, os refugiados “devolvidos” desde a Croácia, foram enviados a Áustria desde a Hungria. O governo húngaro os “recebe” com uma nova cerca de arrame farpado de aço que o conservador Viktor Orbán anunciou que “é a solução” para esta crise. Enquanto o parlamento aprovou leis para que o exército vigie as fronteiras em “estado de crise diante da migração em massa” com material antidistúrbio com balas de borracha e gás lacrimogêneo.

Além de mobilizar a polícia e o exército contra homens, mulheres e crianças, o governo da Húngria aplicou outra lei que penaliza com um a cinco anos de cadeia a entrada ilegal no país.

O vídeo tem um estilo de um filme de ação, com policiais vigiando em carros, cavalos ou em motos e helicóptero rodeando a zona, Este vídeo não é a obra de um prefeito isolado, e sim que está em sintonia com a política reacionária e racista que o governo da Hungria vem aplicando contra os refugiados.




Tópicos relacionados

Imigração   /    Internacional

Comentários

Comentar