Internacional

GOLPE NA BOLÍVIA

Vergonhoso comunicado da Chancelaria argentina que apoia o golpe de Estado na Bolívia

O comunicado emitido pelo organismo dirigido por Jorge Faurie não faz nenhuma referência à rebelião policial nem à atuação das Forças Armadas. Se coloca dentro da mesma linha política golpista impulsionada pela Organização de Estado Americanos (OEA) e o imperialismo norte-americano.

segunda-feira 11 de novembro| Edição do dia

Diante do golpe de Estado que ocorreu na Bolívia, a chancelaria argentina voltou a demonstrar que é uma voz dos interesses do grande capital imperialista e da direita regional.

Em um comunicado de imprensa emitido na tarde deste domingo esteve longe de condenar a ação que destituiu ao presidente Evo Morales. Pelo contrário, o organismo encabeçado por Jorge Faurie deciciu alinhar-se com o argumento da direita do continente.

Pode te interessar: Abaixo o golpe cívico militar religioso!

No texto se lê que “diante da instabilidade política vivida pela Bolívia após as eleições presidenciais de 20 de outubro, o governo argentino toma nota do informe preliminar da missão eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA), cuja auditoría confirma as irregularidades do processo de escrutínio e recomenda a relaização de novas eleições”.

O informe da OEA – publicado na madrugada desse domingo – constituiu o apoio aberto do golpe que se desenvolveu durante as horas da tarde. As Forças Armadas, após ter mantido uma atitude de especulação durante vários momentos, decidiram “sugerir” a Evo Morales que renuncie. Desta forma deram aval ao motim da direita e da polícia que se desenvolvia a dias.

No comunicado se afirma ainda que “o governo argentino entende como inevitável a decisão do governo boliviano de convocar novas eleições e, para isso, renovar com transparência a integração do Tribunal Eleitoral”.

Entretanto, o governo que propôs convocar novas eleições foi o de Evo Morales, logo deposto por um golpe militar.

O texto finaliza afirmando que “o governo argentino espera que as novas eleições a se realizarem contem com todas as garantias de liberdade e transparência para que se possa conhecer sem distorções de nenhum tipo a verdadeira voz e vontade do povo boliviano”.

Entretanto, o levante da direita está longe de saldar “todas as garantias”. Na noite e madrugada deste domingo, se reportaram ataques e detenções contra referentes do governo deposto. Ademais, segundo informaram meios de comunicação locais, a acasa de Evo Morales foi assaltada e saqueada. O que se está vivenciando na Bolívia é uma brutal revanche da direita cívica.

Esta posição não deveria surpreender. O governo de Macri foi o primeiro ao reconhecer o golpista Temer como presidente do Brasil após o golpe institucional de 2016. Esteve também entre os primeiros a saudar o triunfo do ultra-direitista Jair Bolsonaro. E, como não poderia ser de outra forma, reconheceu o golpista Juan Guaidó como “presidente encarregado” da Venezuela no início deste ano.

Há poucas semanas, durante o primeiro debate presidencial argentino, o ex-candidato à presidência pela Frente de Esquerda e dos Trabalhadores, Nicolás del Caño, chamou Macri de “lambe botas de Trump”. Razões não lhe faltavam. Essa definição pode se estender sem muito problema ao chanceller Faurie.




Tópicos relacionados

Golpe de Estado Bolívia   /    Bolívia   /    Argentina   /    Internacional

Comentários

Comentar