Internacional

GOLPE NA VENEZUELA

Venezuela: Guaidó e a direita golpista convocam novas manifestações

Aconteceram na quarta e no próximo sábado. Neste domingo a oposição contra Maduro fez propaganda entre os militares. Nos EUA e na União Européia reforçam o discurso golpista.

segunda-feira 28 de janeiro| Edição do dia

Neste domingo à noite Juan Guaidó pediu novas mobilizações em todo o país. A oposição de direita, em seu ataque liderado pelo imperialismo, tenta continuar ocupando as ruas contra o governo de Nicolás Maduro.

O primeiro ato será na próxima quarta-feira entre as 12h e as 14h. O segundo acontecerá no sábado, 2 de fevereiro.

Em seu Twitter, Guaidó fez a convocação dizendo que "nesta quarta-feira, 30 das 12:00 às 14:00, onde quer que esteja, saia à rua para: 1) Continuar levando a mensagem de Anistia e as Garantias para a FAN. 2) Exigir que o FAN adira ao CRBV e a vontade do povo para permitir a entrada da Ajuda Humanitária.

Em um vídeo que foi transmitido ao vivo, o presidente autoproclamado disse que não pede mobilizações diárias porque "ele está ciente de que os venezuelanos estão atualmente lutando para conseguir o que comer".

Durante este domingo, a oposição de direita tentou fazer propaganda entre os membros das Forças Armadas. Durante o dia foi distribuído em bairros e regimentos o projeto da Lei de Anistia com o qual tentam quebrar a verticalidade dentro do Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) aliados a Maduro.

EUA e a União Europeia mantém a ofensiva golpista

Neste domingo também se soube que o governo dos EUA reconheceu Carlos Vecchio como representante diplomático do autoproclamado governo de Guaidó.

"Em 25 de janeiro, os Estados Unidos reconhecem a designação feita pelo presidente interino Juan Guaidó de Carlos Alfredo Vecchio como gerente de negócios do governo venezuelano nos Estados Unidos", disse um comunicado divulgado pelo Departamento de Estado.

A decisão faz parte do objetivo de dar maior legitimidade a Guaidó diante da "comunidade internacional" e apoiar o avanço do golpe.

Da União Européia a pressão contra o governo da Venezuela também se intensifica. A diferença em relação aos EUA é que uma série de países lançou um ultimato de 8 dias para Maduro convocar eleições. Se isso não acontecer, eles reconhecerão Guaidó.

A responsabilidade do Maduro

A ofensiva do golpe é baseada na situação de terrível degradação das condições de vida da população trabalhadora. Uma situação na qual Maduro e o Chavismo têm uma enorme responsabilidade.

A catástrofe social e econômica que se desencadeou nas massas trabalhadoras, juntamente com a repressão e a ampla perseguição política de qualquer oposição, dão vazão aos golpistas como Guaidó. Eles também servem de base para o discurso demagógico do imperialismo norte-americano, que exerceu brutal pressão econômica e política contra o país nas últimas décadas.

Precisamente por essa razão, como a esquerda socialista daquele país aponta, nesta crise é necessária uma saída independente, própria da classe trabalhadora e dos setores populares. Uma perspectiva para enfrentar o golpe da direita e o imperialismo sem implicar apoio político a Maduro.




Tópicos relacionados

Imperialismo   /    golpe   /    Donald Trump   /    Nicolás Maduro   /    Internacional

Comentários

Comentar