Política

#30 DE JUNHO

Veja no Esquerda Diário as categorias que paralisaram em 18 estados

sexta-feira 30 de junho| Edição do dia

Houve protestos em 18 estados do país neste dia de paralisação nacional convocado pelas centrais sindicais, que entretanto boicotaram a organização pela base e dividiram as categorias ao invés de organizar uma jornada superior ao 28 de abril, como desejavam os trabalhadores que querem derrubar Temer e suas reformas. Apesar das centrais sindicais, categorias importantes do transportes paralisaram em vários estados; bancários e petroleiros, metalúrgicos, servidores da saúde e trabalhadores da educação, marcaram as ações do dia pela manhã. Veja um breve repasso pelos estados.

Bancários e trabalhadores das refinarias paralisaram em praticamente todos os lugares do país.

ABC PAULISTA

O comitê contra as reformas do ABC realizou piquete na Av. Anchieta nesta manhã. No ABC paulista, 9 fábricas paralisaram, General Motors, Avibras, Prolind, Hitachi, Parker Filtros, Heatcraft (todas em São José dos Campos), Parker Hannifin, Armco e Deca (em Jacareí).

Professora Maira Machado deu declaração junto a estudantes da FAPS (Faculdade Paulista de Serviço Social), FAMA e FSA (Fundação Santo André) além de professores, trabalhadores do telemarketing e estudantes secundaristas em ato /panfletagem agora pela manhã em frente a Bridgestone /Firestone em Santo André, neste dia de Greve Geral chamado pelas centrais sindicais, apesar do boicote aberto da maioria delas à organização da jornada.

ALAGOAS

Por volta das 6h, manifestantes fecharam os dois sentidos da Avenida Fernandes Lima, em Maceió. Também houve bloqueio na Avenida Assis Chateaubriand, no Pontal da Barra.

Rodoviários paralisam as atividades entre as 8h e 12h. Servidores da Eletrobras e da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) também aderiram à paralisação. Bancários e enfermeiros paralisaram atividades no Estado de Sergipe.

AMAZONAS

Os petroleiros do Amazonas paralisaram suas atividades como parte do movimento nacional.

BAHIA

Rodoviários pararam os ônibus em fila na Avenida ACM (região do Iguatemi), no sentido Paralela, em Salvador, por volta das 6h30. Um grupo de manifestantes fechou todas as vias da região. Em outros locais da cidade, os ônibus circulam normalmente. O ato foi organizado por centrais sindicais e movimentos sociais.
A estação de trens do Subúrbio de Salvador não abriu nesta sexta-feira e não há circulação dos veículos ferroviários.

Veja aqui: Em Salvador, rodoviários bloqueiam avenida e trens não funcionam

Na região metropolitana, manifestantes bloquearam o cruzamento da região de Mataripe, em Madre de Deus, por volta das 5h.

CEARÁ

Protestos fecharam vias de Fortaleza nesta manhã. Houve congestionamentos nas Avenidas 13 de Maio, da Universidade, Visconde do Rio Branco, Imperador e Domingos Olímpio em Fortaleza.

Servidores do Sindicato de Trabalhadores Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro) pararam cerca de 15 ônibus e esvaziaram os pneus dos coletivos, para que os ônibus não rodassem apesar da determinação judicial.

Bancários aderiram à paralisação. A concentração acontece a partir das 9h, na Praça da Bandeira, no Centro de Fortaleza.

DISTRITO FEDERAL

Uma das paralisações mais fortes do 30J aconteceu em Brasília: ônibus e metrôs não funcionaram, a Esplanada ficou bloqueada. Os ônibus de todas as empresas também permaneceram nas garagens, apesar da determinação da Justiça para manter 50% do serviço.


Metrô fechado no DF

Na BR-020, próximo ao Setor Mestre D’Armas, em Planaltina, manifestantes colocaram fogo em pneus por volta das 6h30. Nas rodovias do DF, as faixas exclusivas foram liberadas mesmo em horário de pico.

Bancários, professores e servidores da Universidade de Brasília aderiram à paralisação.

Faixas em frente à Eletronorte avisam que servidores estão em greve (Foto: Letícia Carvalho/G1)

ESPÍRITO SANTO

Manifestantes bloquearam uma via em frente à Rodoviária de Vitória, e houve confronto com a Polícia Militar, que usou bombas de efeito moral. O grupo seguiu em passeata pela cidade, até a região do aeroporto.

No campus Goiabeiras da Ufes, estudantes, docentes e técnicos-administrativos bloqueiam as entradas de carros.

GOIÁS

Manifestantes bloquearam a saída de ônibus de uma garagem em Goiânia durante a madrugada e o início da manhã. Devido aos protestos previstos para o Centro da capital goiana, algumas rotas foram alteradas, e nenhuma linha está atendendo a região. Assim como nos demais estados, os bancários paralisaram suas funções em todos os bancos públicos.

MINAS GERAIS

O metrô na capital Belo Horizonte não funcionou esta manhã, e manifestantes bloqueiam avenidas na Grande Belo Horizonte. O sindicato dos metroviários informou que o metrô fica parado da 0h às 11h59.

Manifestantes colocaram fogo em pneus na Avenida Cristiano Machado, no bairro Palmares, na Região Nordeste de Belo Horizonte. O protesto foi no sentido Centro.

Em Contagem, na Grande BH, manifestantes bloquearam a Avenida Cardeal Eugênio Pacelli, no bairro Cidade Industrial. Na mesma cidade, outro grupo de manifestantes causava congestionamento no tráfego na Rodovia Fernão Dias, no sentido BH.

A fábrica Magnesita ficou bloqueada esta manhã conforme reportamos no Esquerda Diário.

Veja aqui: 30J: Ato na fábrica Magnesita de Contagem

PARÁ

Rodoviários paralisaram as atividades e faziam protestos desde a madrugada na região metropolitana de Belém. O sindicato impediu a saída de veículos – afetando o transporte de cerca de 1 milhão de pessoas.

Manifestantes bloquearam desde as primeiras horas da manhã desta sexta-feira na avenida Almirante Barroso, em frente a agência dos Correios, no Entroncamento.

PARAÍBA

Protestos contra o presidente Michel Temer fecharam ruas, rodovias e o Terminal de Integração nas primeiras horas desta sexta-feira em João Pessoa. Após liberar o terminal de ônibus do Varadouro, os manifestantes ocuparam o entorno do Parque da Lagoa, no Centro, e inteditaram o trânsito no local. Segundo organização do protesto, cerca de 300 pessoas participam da manifestação. A PM não divulgou estimativa.

Em todo o Estado, professores das redes estadual e privada de ensino paralisaram as atividades, junto aos bancários.

Veja aqui: 30J: Educação completamente paralisada na Paraíba junto aos bancários

Em Campina Grande, manifestantes interromperam a saída dos ônibus da garagem da maior empresa de transporte coletivo da cidade, a Expresso Nacional.

Veja aqui: Campina Grande na Paraíba amanhece vazia por paralisação dos ônibus

PARANÁ

Forte paralisação dos transporte no Estado, e também do setor metalúrgico e petroleiro. Metalúrgicos da Volvo, Renault e Bosch paralisaram e protestaram com faixas e cartazes durante a manhã por cerca de duas horas. Também paralisaram os metalúrgicos da New Holland, WHB, Brafer e Volkswagen. Funcionários da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar) também paralisaram logo cedo em frente à empresa e seguiram em direção à BR-476, parte do movimento nacional das refinarias.

Em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, os ônibus do transporte coletivo foram impedidos de sair das garagens no início da manhã. Em Londrina, na região norte, os acessos ao Terminal Central foram bloqueados por volta das 6h.

PERNAMBUCO

Na capital Recife, os trens ficaram paralisados pela manhã. Motoristas e cobradores de ônibus paralisaram coletivos na Avenida Guararapes, Conde da Boa Vista e Ponte Duarte Coelho, região central da capital pernambucana.

Rodovias federais foram bloqueadas no estado durante a manhã. Na região metropolitana do Recife, as BRs 101 Norte e Sul foram afetadas por manifestações, assim como a BR-232, em Bonança, a BR-428, em Paudalho, e a BR-428, em Petrolina.

Na área central da capital, houve bloqueios em avenidas – um grupo de manifestantes ateou fogo na pista da Avenida Cruz Cabugá. O Metrô funciona em esquema especial. Os ônibus não pararam, mas o serviço do BRT do Corredor Norte-Sul foi paralisado.

A Linha Diesel (VLT), que atende passageiros no Cabo de Santo Agostinho e em Jaboatão dos Guararapes, na RMR, não tem operação.

Veja aqui: Metroviários de Recife paralisam linha sul do metrô nesse 30J

No Agreste pernambucano, manifestantes do MST fecharam um trecho da BR-232 em São Caetano. Eles colocaram fogo em pneus dos dois lados da pista.

PIAUÍ

Motoristas e cobradores do transporte público de Teresina paralisaram atividades às 6h e bloquearam as principais vias no Centro da cidade. Os veículos só voltam a circular por volta das 12h.

RIO DE JANEIRO

No estado do Rio, professores, trabalhadores portuários e funcionários de universidades federais e do estado paralisaram suas atividades, além de metalúrgicos de da capital e de Angra dos Reis mostrando que o Rio quer lutar contra as reformas. Em Niterói, metalúrgicos, petroleiros, professores e estudantes, entre outros, fizeram parte do fechamento da ponte Rio-Niterói, que contou com repressão policial. As refinarias estão paralisadas nacionalmente, assim como os bancários e ecetistas.

Veja aqui: Trabalhadores e jovens fecham Linha Vermelha e são reprimidos pela polícia no Rio

RIO GRANDE DO NORTE

Os trabalhadores do setor da saúde e os bancários paralisaram suas funções hoje. Em Natal, as universidades estaduais e federais (UFRN e UERN) não terão aulas. E os ônibus não rodam pela capital potiguar (no dia 28 de abril os ônibus funcionavam parcialmente).

Pelo menos três pontos foram bloqueados por manifestantes, que protestam contra a reforma trabalhista e da previdência.

Veja aqui: Ônibus paralisam em Natal junto com bancários e servidores da saúde

RIO GRANDE DO SUL

Apesar das grandes centrais sindicais não encamparem a greve geral, importantes mobilizações deram largada em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Em duas das garagens de ônibus importantes da cidade, a Carris e a Trevo, sindicatos e estudantes fizeram piquetes e fecharam as garagens, mas foram alvo de uma brutal repressão policial já no início da manhã.

Confira o vídeo da repressão:

Sobre as mobilizações, Thiago Flame, da equipe do Esquerda Diário que está acompanhando a greve dos trabalhadores, declarou o seguinte:

SÃO PAULO

O transporte público funcionava na Grande São Paulo, mas manifestantes interditaram vias e rodovias da região desde cedo – Anchieta e Régis Bittencourt foram afetadas. Acessos aos aeroportos de Congonhas, na Zona Sul, e de Cumbica, em Guarulhos, foram bloqueados, e manifestantes chegaram a entrar no saguão de Congonhas.

Veja aqui: Manifestantes ocupam aeroportos de São Paulo contra as reformas de Temer

No Centro da capital paulista, houve bloqueio na Avenida São João e a Polícia Militar reprimiu os manifestantes.

Na Zona Oeste de SP, trabalhadores e estudantes da USP bloquearam o portão principal da Universidade e a avenida Alvarenga, num importante entroncamento da capital.

[AO VIVO] Manifestação bloqueia portão principal da USP

Veja também: Trabalhadores e estudantes da USP fazem ato como parte do dia de paralisações

Interior de SP

Na Baixada Santista, os estivadores bloquearam o porto e fizeram protestos nas vias de Santos e São Vicente. Além da paralisação das centrais sindicais, trabalhadores do Porto de Santos iniciaram uma greve de 48 horas nesta sexta.

Na região de Campinas, houve bloqueio de vias e a Rodovia Santos Dumont (SP-075) foi interditada. Petroleiros da Replan, em Paulínia, iniciaram uma greve por tempo indeterminado nesta manhã.

Centrais sindicais também fecharam uma avenida e uma rodovia em Jundiaí. Em Sorocaba, transportes urbano, intermunicipal, rodoviário e de fretamento estavam 100% parados.

Veja aqui: Petroleiros do interior de SP paralisaram hoje e estão em greve por tempo indeterminado

Em Itapetininga, serviços de transporte urbano, intermunicipal, rodoviário, de fretamento e de cargas também pararam, afetando cidades da região.

Em Limeira, a paralisação do transporte público afetava cerca de 50% da frota. No Vale do Paraíba, manifestantes bloquearam a Rodovia Presidente Dutra e a entrada de fábricas na região de Pindamonhangaba.

Os metalúrgicos da General Motors, Avibras, Prolind, Hitachi, Parker Filtros e Heatcraft paralisaram em São José dos Campos; em Jacareí, paralisaram os metalúrgicos da Parker Hannifin, Armco, Deca.




Tópicos relacionados

#30J   /    Política   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar