Política

CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Várias escolas de SP já se organizam para cruzar os braços segunda-feira contra a reforma

Em Campinas e em várias cidades da Grande São Paulo escolas vão paralisar no dia 19 contra a reforma da previdência.

Danilo Magrão

Professor de sociologia da rede pública

sexta-feira 16 de fevereiro| Edição do dia

Professores que se enfrentam cotidianamente com a precarização das condições de trabalho e da educação, fechamento de salas de aula, atribuições caóticas e o desemprego vão fazer parte desse dia de jornada de lutas nacional. Isso mesmo com a pouca construção da Apeoesp, que de forma bastante dúbia coloca para os professores “fecharem suas escolas” em um cartaz, mas não organizaram assembleias e espaços para discussão sobre a paralisação

Na Zona Norte de São Paulo as escolas Gustavo Barroso, Pedro Alexandrino, Judith Guimarães, Albino César, Ângelo Bortolo e Sérgio da Costa vão ter paralisações parciais que variam de 40% a 80% do total. Também em Santo André várias escolas vão fechar, e a escola Clotilde Peluso vai estar fechada no período da manhã e noite.

Em Campinas a E.E. Maria Julieta e E.E. Eduardo Barnabé, Charbonneau e São Jorge estarão 100% paradas, e Álvaro Cotomacci e Cecília de Godoy de 50 a 80% da escola.

É fundamental que esse dia de paralisação seja parte da construção e exigência que as centrais sindicais e a Apeoesp organize uma verdadeira greve geral para barrar a reforma da previdência e anular as demais reformas que atacam os nossos direitos.




Tópicos relacionados

Professores São Paulo   /    Reforma da Previdência   /    Política

Comentários

Comentar