Educação

EDUCAÇÃO RIO

Universidades do Rio convocam "S.O.S Educação Pública" nesta quinta

quarta-feira 18 de outubro| Edição do dia

Dezenas de entidades do movimento sindical e estudantil, como Asduerj - Associação dos Docentes da UERJ, Fasubra Sindical - Federação de Sindicatos dos Trabalhadores em Universidades Brasileiras, Andes-SN - Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior, Sintuperj - Sindicato dos Trabalhadores das Universidades, Públicas Estaduais no Estado do Rio de Janeiro entre outras, estão convocando para esta quarta feira (19/10) um ato político em defesa da Educação Pública, Gratuita e de Qualidade. O S.O.S Educação Pública começará com uma plenária de lançamento da Frente Nacional em Defesa das Instituições Públicas do Ensino Superior e ao final com ato publico pelas ruas da cidade do Rio.

Com um chamado amplo e democrático em defesa da educação pública a proposta do evento chama atenção a situação de calamidade em que se encontram as Universidades públicas, tal como no Rio de Janeiro as administradas pelo governo do Estado que vem sendo brutalmente atacadas, UERJ, UEZO, UENF, FAETEC e CEFET e chamam a uma unidade de resistência dos trabalhadores e estudantes e toda a população em defesa da educação publica, denunciando o caráter privatista por trás do descaso com as instituições, que chega ao absurdo de não repassar verbas de custeio e manutenção, aos trabalhadores, atrasando salários e impondo uma condição de fome e miséria aos servidores públicos e terceirizados, e aos estudantes.

A criação da Frente Nacional em Defesa das Instituições Públicas do Ensino Superior, composta por entidades, organizações, movimentos sociais e estudantis, pretende fazer reverberar a luta em defesas das instituições publicas do ensino superior em todo o país, conformando frentes estaduais com setores de outros níveis da educação afim de unificar a luta.

A crise que assola o Estado é profunda e enquanto o governo Pezão segue distribuindo isenções milionárias à empresários e pagando dívida para enriquecer banqueiros, negociou com o golpista Temer um pacote de ajustes que vai estrangular os trabalhadores do Estado para garantir que os empresários sigam lucrando e os políticos corruptos mantenham seus privilégios.

Não há resistência e luta capaz de vencer tamanhos ataques aos trabalhadores e aos serviços públicos que não passe por ligar os interesses da comunidade universitária à comunidade que segue fora dela, mostrando que nosso interesse em defender a educação publica se conecta com a necessidade de avançar para que o acesso seja de fato democrático, defendendo com unhas e dentes as conquistas como as cotas e políticas permanência estudantil, mas levantando a necessidade de acabar com o vestibular que deixa de fora milhões de jovens em todo o país, ou ainda a defesa de que para que a universidade sirva de fato à população precisa se livrar das patas da iniciativa privada nos conselhos e órgãos superiores e ser administrada técnica e politicamente por quem a constrói todos os dias, os estudantes, funcionários e professores de maneira proporcional, que sabem e podem oferecer serviço de qualidade que a população precisa e merece.

Levantar essa saída contra a crise que se coloca hoje passa por entender quem são os inimigos para combate-los e construir a força de luta necessária para atacá-los, por isso ações como essa podem ser um passo importante para colocar contra a parede as grandes centrais sindicais a fim de retomar o caminho de lutas e da greve geral.

A educação vale mais que o lucro deles!
Que os empresários e políticos corruptos paguem pela crise do Rio!

Todos ao ato amanhã, 19/10/2017 (quinta-feira);
Horário: A partir das 14 horas;
Local: UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Rua São Francisco Xavier, número 524, bairro Maracanã);
Programação: Início às 14 horas, com concentração e realização de plenária de lançamento da Frente Nacional em Defesa das Instituições Públicas do Ensino Superior. Às 17 horas, saída para o ato público.




Tópicos relacionados

Que os capitalistas paguem pela crise!   /    #UERJResiste   /    Crise no Rio de Janeiro   /    UERJ   /    Educação   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar