Educação

CRISE NA EDUCAÇÃO

UnB diz não ter verbas para outubro e descarrega crise nos trabalhadores e estudantes

A universidade já estava com dificuldades orçamentárias desde o início do ano, e agora diz que a situação se agravou e pode não conseguir manter os custeios da universidade no próximo mês, além disso vem demitindo funcionários terceirizados e diminuindo gastos com água e luz.

segunda-feira 2 de outubro| Edição do dia

Segundo a reitoria é possível terminar o ano com um déficit orçamentário de mais de R$60 milhões e não sabe se conseguirá manter os custeios da universidade para outubro. Hoje já há racionamento de água e luz, e redução nos contratos com as empresas terceirizadas, além do não pagamentos do custeio com o restaurante universitário.

A verba orçamentária da universidade diminuiu de R$219 milhões em 2016 para R$136 milhões em 2017, 40% a menos. No entanto, o MEC negou que houveram cortes. Segundo o Ministério o que ocorreu foi que em 2016 houve um “erro técnico” e o orçamento acabou sendo maior.

A universidade já fez pedido ao MEC para o aumento dos recursos de custeio, mas a resposta do Ministério é que para isso acontecer tem que equilibrar as contas dentro da pasta, ou seja, retirar esse dinheiro de outra universidade.

O que ocorre hoje é que, em nome dessa crise orçamentária, a reitora Márcia Abrahão e a burocracia universitária estão “diminuindo os gastos na universidade”. O que aparenta ser consequente na prática significa que são os estudantes e trabalhadores da UnB que estão pagando essa conta, já que são mais de 200 demitidos segundo o sindicato de trabalhadores da universidade, e os que ficam são sobrecarregados a níveis absurdos.

Um trabalhador terceirizado da limpeza disse ao G1: "Ficou pior porque tirou gente e aumentou o serviço. Agora eu varro a área de um setor onde trabalhavam 5 pessoas. Tem gente vindo trabalhar até doente com medo de ser cortado". Isso mostra qual é a cara da “crise na educação” que impõe o MEC com seus cortes e da “redução de despesas” que faz a reitoria da UnB.

Pode te interessar: Sistema universitário em colapso, PEC 55 em funcionamento




Tópicos relacionados

Crise na Educação   /    Universidade de Brasília   /    Governo Temer   /    Educação

Comentários

Comentar