Internacional

GREVE GERAL NA FRANÇA

Uma França paralisada caminha para o segundo dia de mobilização nacional

A greve dos trabalhadores dos transportes nas principais cidades, mantida desde quinta-feira passada, dá uma sensação de paralisação em toda a França. Enquanto isso, o novo dia de mobilização nacional está preparado para esta terça-feira, contra a reforma previdenciária de Macron.

terça-feira 10 de dezembro de 2019| Edição do dia

A forte greve de transporte mantida desde quinta-feira passada dá uma sensação de bloqueio nas principais rotas da França. Trabalhadores de trens, metrô, ônibus, balsas e aviões dobraram em sua maioria a convocação de paralisação contra a reforma trabalhista de Macron, enquanto preparavam para esta terça-feira um novo dia de mobilização, que na última quinta-feira teve sua primeira edição com a participação de 1.500.000 pessoas nas ruas de todo o país.

Os grevistas franceses, que enfrentam a reforma previdenciária, mantiveram na segunda-feira a mobilização contra o governo de Emmanuel Macron em um dia marcado pela paralisação quase total do setor estratégico de transportes, com estações lotadas, metrôs e trens fechados e novas convocatórias para continuar a greve nesta terça-feira

No quinto dia da greve, circulavam apenas 20% dos trens de alta velocidade (TGV), longa distância e subúrbios de Paris e 30% dos regionais, enquanto no metrô de Paris dez de suas 16 linhas estavam fechadas.

No caso dos trabalhadores de trens e metrôs, decidiram na segunda-feira estender a greve até sexta-feira, o que sugere que outros setores possam acompanhá-los nas votações.

A capital acordou com um engarrafamento de até 620 quilômetros, fato não era registrado há cinco anos.

Os trabalhadores saíram às ruas novamente para fazer piquetes de convecimento e impedir que as empresas operassem um serviço de transporte mínimo com pouco pessoal, o que que representaria um risco para os usuários e para os grevistas que permanecem em torno de estações e estacionamentos.

A Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT), Solidariedade e Força Operária (FO), bem como as entidades estudantis, convocaram uma nova manifestação interprofissional nacional (de todos os setores em luta) contra a reforma nesta terça-feira, um dia antes que o primeiro-ministro, Édouard Philippe, apresente todo o projeto do governo.

Enquanto isso, o executivo joga a carta de diálogo. Foi isso que até agora lhe permitiu insistir em avançar na reforma da previdência. Um texto que ainda é pouco conhecido, mas que a maioria dos franceses já é contra e significaria eliminar 42 regimes de aposentadoria especiais que existem hoje no país (incluindo aqueles para empregos insalubres), aumentando a idade da aposentadoria e reduzindo os vencimentos. A esse diálogo atendem os sindicatos - que foram forçados a convocar a greve devido à enorme pressão de sua base que já dura meses - mas continuam gerando expectativas em algum tipo de negociação com um governo que já se mostrou inflexível.

Apesar da reivindicação das ruas de que o projeto de reforma seja completamente retirado, as direções sindicais aceitam o jogo do governo, como o do alto comissário da reforma previdenciária, Jean-Paul Delevoye, que indicou que o diálogo com sindicatos e cidadãos continuarão até o início de 2020, quando o governo planeja levar o projeto à Assembleia Nacional.

Macron e sua equipe parecem dispostos a ceder nos tempos da aplicação, oferecendo uma transição mais lenta, mas sem tocar nos eixos principais de um projeto que foi uma das promessas eleitorais com as quais o atual presidente chegou ao Elysium. Emmanuel Macron se apresentou desde seu triunfo como um reformador, que estaria acima de todos e avançaria com modificações estruturais nas áreas de emprego e aposentadoria, como seus predecessores não puderam fazer. De fato, a greve atual lembra a que, em 1995, enfrentou o primeiro-ministro Alain Juppé, quie acabou com mesmo descartando seu projeto de reforma, após várias semanas de greve que também derrubaram seu governo.

Longe da imagem que queria mostrar, Macron teve que recuar logo após chegar ao poder, quando há mais de um ano a rebelião dos Coletes Amarelos explodiu. Um movimento que começou contra o aumento de combustível, se espalhou ao longo do tempo questionando miséria social, precariedade social, alto custo de vida, desigualdade e reformas neoliberais. Esse movimento uniu-se ao ativismo dos setores operários que vêm enfrentando diferentes ataques, como os ferroviários, e agora em massa contra a reforma previdenciária. Se algum ataque conseguiu passar Macron em algum momento foi precisamente graças às ações dos dirigentes sindicais que, longe de buscar uma aliança com os Coletes Amarelos, os deixaram sozinhos até que a mesma dinâmica social os obrigasse a terminar chamando os dias de greve que começou na última quinta-feira.

Por enquanto, o bloqueio de transporte parece não terminar na terça-feira, quando a empresa ferroviária nacional (SNCF) e a empresa de transporte metropolitana (RATP) em Paris alertaram que o tráfego permanecerá "muito perturbado" o dia todo, pois vários setores já votaram para continuar até sexta-feira.

Apenas 20% dos trens de alta velocidade e de passageiros circulam e na rede de média distância três das 10 linhas serão operadas e substituídas por ônibus, e a conexão com Espanha e Itália foi cancelada.

No tráfego aéreo, a Air France anunciou a supressão de 30% de seus vôos de curta distância e pouco mais de 10% dos vôos de média distância, a pedido da Direção Geral de Aviação Civil, que solicitou que as empresas reduzissem seus programas de vôo para esta terça-feira em 20% devido a greves.

É muito provável que vários dos setores que estão em greve votem para estender as greves ao longo da semana, e alguns não descartam que a mobilização seja prolongada até o Natal.




Tópicos relacionados

Greve Geral na França   /    Coletes Amarelos   /    Emmanuel Macron   /    França   /    Internacional

Comentários

Comentar