Internacional

DONALD TRUMP COMPLETA UM ANO DE MANDATO

Um ano da Era Trump: O que exatamente mudou desde que Donald Trump mudou-se para a Casa Branca?

Parece que nossos piores medos tornaram-se realidade desde a eleição de Trump, e o mundo como conhecemos acabou. Como as próximas eleições de meio período já estão se tornando objeto de um debate considerável, vale a pena avaliar o impacto Trump até agora.

segunda-feira 22 de janeiro| Edição do dia

Crédito: Reuters

Em 20 de janeiro de 2017, Donald Trump Jr. assumiu como o 45º presidente dos Estados Unidos. Em 20 de janeiro de 2018, o país foi novamente varrido por protestos massivos com mais de um milhão de pessoas ocupando as ruas na Segunda Marcha das Mulheres, milhares marcharam para expressar seus desprezo por Donald Trump. Internacionalmente, Trump é visto como um bufão racista. Seus comentários racistas sobre o Haiti, El Salvador, e os países do continente Africano, intensificaram a raiva contra a administração Trump ao redor do globo.

Ao longo do último ano, houveram “desastres naturais” sem precedentes em diversos lugares. Inundações, furacões, incêndios florestais e deslizamentos de terra mataram centenas, enquanto a maior parte de Porto Rico ainda está sem energia e a administração Trump está deixando-os apodrecer. A ameaça de guerra nuclear está mais próxima do que esteve em décadas atrás. Parece que nossos piores medos se tornaram realidade desde a eleição de Trump e, o mundo como conhecemos acabou. Como as próximas eleições de meio período já estão se tornando objeto de um debate considerável, vale a pena avaliar o impacto Trump até agora. Certamente, a sensação inicial de choque e horror deu espaço à um estado permanente de descrença misturado com repulsa, vexação e diversão. O apocalipse que parecia iminente na manhã seguinte de 8 de novembro de 2016, ainda não acontecer, mas um número de ações tomadas pela administração Trump tiveram efeitos catastrófico e causaram grandes alarmes. Mas esse presidente realmente mudou o mundo em um ano?

É verdade: não houve escassez de notícias provocando ansiedade e absolutamente aterrorizantes que emanavam do escritório do presidente; a desnecessária disputa com a Coréia do Norte, o anúncio da saída do Estados Unidos do Acordo de Paris, a proposta de cancelamento do DACA (Deferred Action for Childhood Arrivals" , programa implantado no governo Obama para regularizar temporariamente imigrantes em situação ilegal que chegaram aos Estados Unidos quando eram menores de idade), do Status de Proteção Temporário (TPS em Inglês) e a lei de reforma tributária podem ser algumas das mais preocupantes das conquistas de Trump. Se há uma coisa que é certa, é que o futuro com Donald Trump vai ser incerto. Claro, é exatamente o que o reality show de Trump, Inc. vende ao seu público: incerteza espetacular.

Ninguém pode negar que tem sido um passeio selvagem, como uma visita ao circo, exceto que você não pode ir para casa depois de uma hora porque a performance bizarra continua. Os tweets ultrajantes continuam a chegar, os demitidos e as renúncias quase não acompanham os escândalos, e os pais cobrem os ouvidos de seus filhos quando o rádio relata a última escolha de palavras de Trump. O refrão sobre como o comportamento "não presidencial" que Trump adota tem atingido um ponto de febre e só é superado por especulações em curso sobre suas estruturas de saúde mental e personalidade. No entanto, o problema da indignação que se baseia principalmente na moralização e psicologização é que não é revolucionário. Isto é, por mais iluminante que seja, diagnosticar o "líder do mundo livre" com narcisismo patológico ou alguma forma de demência, tais esforços não abordam as questões mais profundas. De fato, as discussões sobre as capacidades mentais de Trump, são em muitas formas uma distração.

O que exatamente mudou desde que Donald Trump mudou-se para a Casa Branca? Como seus predecessores, ele não ¬efetivou a maior parte de suas promessas de campanha. O muro na fronteira que ele prometeu construir continua a ser um grande ponto de interrogação (junto com quem vai pagar), a proibição de viagens aos mulçumanos continua a ser desafiada nos tribunais, e o "pântano" que ele estabeleceu para drenar parece mais pantanoso do que antes. (Enquanto os dois primeiros são uma fonte de alívio temporário para progressistas e esquerdistas, o último não é surpreendente.) Por outro lado, os ataques da administração Trump aos imigrantes, o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel e, portanto, o apoio ao apartheid do Estado israelense e sua habilidade grosseira da extrema direita neste país estão causando a destruição de vidas e meios de subsistência, tanto nos EUA como em todo o mundo.

O setor da classe trabalhadora, em grande parte, branca, que votou em Trump fez isso em última instância porque queria ver melhorias em suas condições de vida. Foi discutido continuamente, desde a eleição de que a base de Trump não é na verdade classe trabalhadora. Entretanto, se um terço dos eleitores de Trump tem um renda aproximada de US$50 mil ou menos e outro terço renda que não ultrapassa US$100 mil, então a grande maioria dessas pessoas é pobre ou classe média. A retórica racista de Trump pode ter apelado para essa população, mas o racismo é um instrumento nas mãos do capitalismo, utilizado para mascarar e aprofundar as contradições econômicas.

A verdade é que todo o fanatismo e o comportamento de ódio não podem "trazer de volta nossos empregos". Os salários permaneceram estáveis no primeiro ano de Trump, assim como a taxa de participação da força de trabalho. O corte de impostos corporativos pode ou não levar a um aumento adicional no emprego (a evidência mostra que os cortes de impostos são um fator altamente confiável no investimento de capital), mas isso definitivamente levará a uma desigualdade social mais extrema. A deportação de imigrantes também não beneficia os trabalhadores nativos; não é mais que um exercício de desumanidade e uma tela de fumaça política que serve para obscurecer a realidade do que é viver e trabalhar no país mais rico da terra, onde quase metade da força de trabalho vive em salários de pobreza (menos de US $ 15 por hora), mais de meio milhão de pessoas são sem-teto e a crise da saúde continua sem cessar. Entretanto, culpar Trump ou focar em sua conduta errática nesta situação é tanto incorreto como perda de objetividade.

À medida que sentimentos e movimentos de direita ganharam força ao longo do ano passado, a desigualdade econômica cresceu precipitadamente. Não é necessário uma bola de cristal para prever uma redistribuição contínua da riqueza do fundo para o topo. Essa tendência é um fenômeno global, mas é particularmente observada nos EUA. Como apontado no Relatório Mundial de Desigualdade 2018, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, 1% da população adulta ganhou o equivalente a 10% dos renda nacional em 1980. Na Europa, esse número aumentou para 12%, mas nos Estados Unidos alcançou 20%. No mesmo período de tempo os ganhos de renda anual nos EUA, os 1% aumentaram 205%, enquanto que para o 0.001% o valor é 636%. Em comparação, o salário anual médio dos 50% inferiores estagnou desde 1980.

O fato que as disparidades sociais estão aumentando constantemente nos Estados Unidos e no resto do mundo, indica que Trump é parte do problema, em vez de ser o problema. Contrariamente à sua auto apresentação como um anti-político anti-establishment que luta pelos trabalhadores americanos, este presidente está fazendo efetivamente a vontade da classe dominante, da qual ele mesmo é um exemplar emblemático, enquanto desvia nossa atenção das verdadeiras razões dos problemas. Acontece que este presidente "impróprio" é incrivelmente apto a criar indignação dirigida a si mesmo, quando essa raiva deveria ser direcionada abertamente às realidades econômicas e sociais que os trabalhadores e os povos oprimidos lutam contra.

Considerando que 15% dos americanos são afetados por transtornos de personalidade e aproximadamente 18% dos adultos possuem uma condição de saúde mental, é perfeitamente possível que Trump entre eles, mas isso não explica porque as condições materiais das pessoas continuam piorando. É fácil ficar impressionado com o vocabulário limitado de "The Donald", sua boca de "vestiário" e racismo e misoginia quase inconscientemente flagrante, ou mesmo seu ego absurdamente inflado. Entretanto, o que é mais impressionante, é a forma como a classe capitalista global conseguiu colocar mais e melhores mecanismos para a transferência de riqueza dos trabalhadores para os proprietários. Sim, Trump é perigoso. Ele também é o rosto feio do Estado no capitalismo neoliberal.

Sob toda a fúria e o drama, Trump tem mais em comum com os presidentes republicanos anteriores como Reagan, Bush e George W. Bush, e até mesmo com presidentes democratas como Clinton e Obama do que parece - e certamente mais do que ele nos faz acreditar. A “mudança” que pretendiam causar ressoou com pessoas que desejam uma vida melhor, mas invariavelmente se transformaram em mais do mesmo. A declaração repetida de Marx de que "o executivo do estado moderno não é senão um comitê para administrar os assuntos comuns de toda a burguesia" ainda é válida. Não importa quão mais ou menos atraente, carismático ou não convencional seja o chefe deste comitê, eles necessariamente serão obrigados a fazer tudo o que estiver ao seu alcance para manter o status quo a serviço de sua classe.

Após Trump vencer as eleições, e milhares de jovens, inspirados pelo “socialismo democrático” de Bernie Sanders, começarem a se juntar ao DSA (sigla em inglês, Democratic Socialists of America - organização de esquerda norte-americana)", houve muita conversa sobre uma “abertura” à esquerda. Esta abertura ainda está presente. Houve também outros desdobramentos importantes, incluindo, mais recentemente, o movimento #MeToo. O desafio para a esquerda continua sendo a tarefa de unir as lutas contra todas as formas de opressão e contra a exploração capitalista. O que o último ano demonstrou mais do que tudo é que a luta contra a injustiça precisa ser lançada como um amplo ataque ao sistema capitalista, pressionando contra os esforços liberais e organizando para proteger os membros mais vulneráveis da classe trabalhadora e promover os interesses da classe como um todo.




Tópicos relacionados

Estados Unidos   /    Donald Trump   /    Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar