Sociedade

LUTA POR MORADIA CONTAGEM

URGENTE MORADORES DA OCUPAÇÃO WILIIAM ROSA SOB RISCO IMINENTE

Publicamos a seguir denúncia da coordenação da ocupação Willian Rosa, em Contagem.

terça-feira 31 de janeiro de 2017| Edição do dia

Foto: Facebook da Ocupação William Rosa

Mais uma vez a justiça protege os poderosos e corruptos contra a população mais pobre e trabalhadora deste país.

No dia 26 de janeiro foi publicada um despacho da Juíza da 4 ª Vara Cívil de Contagem onde a mesma, dá passos para facilitar o despejo das famílias da Ocupação William Rosa.

Lamentável saber que a justiça se.pronuncie a favor do despejo de mais de 400 famílias para beneficiar uma negocição feita entre ceasa e uma empresa privada. Negociação que esta sobre investigação por suspeita de fraude na licitação. Vale lembrar que, desde o governo Dilma, o diretor do ceasa é apadrinhado do PMDB de Newton Cardoso JR.

Desde de 2013 aproximadamente 1600 pessoas vivem em um terreno no bairro Laguna em Contagem, na Ocupação William Rosa. Trata-se de famílias de baixa renda que nunca conseguiram ser atendidas por nenhum programa de moradia do Estado, embora tenham ficado anos nas filas de espera.

Infelizmente a situação dos moradores da Ocupação William Rosa é a mesma de milhares de famílias deste país.
O terreno ocupado é de posse presumida da Ceasa Minas, uma empresa em que 99% das ações são do governo federal, portanto trata-se de um terreno da União. Desde o primeiro momento, as famílias que ocuparam o terreno se dispuseram em negociar com os governos Municipal, Estadual e Federal na busca de uma solução para o grave problema social em que se encontram. Um acordo entre os três governos, além da própria Ceasa Minas e a Ocupação William Rosa chegou a ser assinado para que uma solução fosse encontrada. No entanto a Ceasa Minas e os orgãos governamentais não cumpriram o mesmo. Diante do impasse e das várias manifestações realizadas pelos moradores uma nova mesa de negociação foi formada junto ao poder público. O Governo Federal foi procurado e se comprometeu, através do Ministério das Cidades, de estar presente em nova rodada de negociações, o que ficou de ser realizado em 2017.

Diante deste quadro fomos surpreendidos pela manifestação da juíza. Esperamos que nenhuma reintegração seja cumprida e que nenhum ato de violência se estabeleça. O que as famílias lutam é por moradia e nos parece inaceitável que as três esferas de poder não possam juntas achar uma solução.

Lembramos que a direção do Ceasa Minas alega que existe um projeto de expansão da empresa para este terreno, mas a verdade é que o processo licitatório, que designou a área para que uma empresa privada fizesse a obra, esteja sob investigação. Suspeita de corrupção envolvendo uma empresa pública!

As famílias da ocupação não tem onde morar e se forem despejadas estarão nas ruas. Responsabilizamos o governador Pimentel, o comandante da Polícia Militar, o atual prefeito de Contagem Alex Freitas, Newton Cardoso Junior – padrinho do presidente do Ceasa e Michel Temer, Presidente da República, por qualquer ato de violência junto aos moradores da Ocupação William Rosa.

Mais uma vez o que temos ao nosso lado é a força povo que tem como única alternativa a luta direta e a solidariedade dos trabalhadores(as) de Minas.

O Minha Casa, Minha Vida, último programa habitacional existente no país, infelizmente não atendeu as famílias que recebem até 3 salários mínimos nas grandes cidades, embora construtoras tenham sido muito favorecidas pelo programa. Se os recursos para a habitação não atenderam aos pobres trabalhadores quando a economia crescia, imagina agora que o discurso da “crise” é usada como justifcativa para os maiores absurdos políticos, econômicos e de cortes ao programas sociais? Mais uma vez a responsabilidade da “crise” é jogada nas costas dos trabalhadores(as) do Brasil.

Todo apoio e solidariedade ás ocupações urbanas.
Pimentel e Alex despejo é covardia, queremos moradia.

Coordenação da Ocupação William Rosa




Tópicos relacionados

Minas Gerais   /    Moradia   /    Contagem   /    Sociedade

Comentários

Comentar