Internacional

ESTADOS UNIDOS

Trump continua sua cruzada anti-imigrante e exige fundos para construir o muro

O presidente dos EUA disse em sua mensagem televisionada que há uma "crescente crise humanitária e de segurança" na fronteira sul de seu país, "uma crise de coração e alma", e que ele precisa do Congresso para dar a ele mais de 5 bilhões de dólares que ele pede para construir o muro com o México. Só então terminará o encerramento parcial do governo dos EUA.

quinta-feira 10 de janeiro| Edição do dia

De seu escritório na Casa Branca, na terça-feira, 8 de janeiro, o presidente Donald Trump divulgou uma mensagem televisiva no horário nobre.

Seu objetivo: convencer que há uma crise humanitária e de segurança devido à migração que entra no território dos EUA.

Sua negociação: para acabar com o fechamento parcial do governo, que no domingo, 6 de janeiro, entrou na terceira semana e ameaçou se sustentar por "meses e até anos", e pelos quais culpou os democratas.

Pela primeira vez, ele se dirigiu à população dos EUA em uma mensagem televisionada na qual se dedicou a criminalizar migrantes, uma de suas práticas recorrentes desde sua campanha eleitoral. Ele ressaltou que o muro que ele quer construir "será feito de aço e não de concreto, como querem os democratas".

Entre seus argumentos, já reiterativos e pouco fundamentados, Trump referiu-se à suposta entrada de criminosos e drogas na fronteira mexicano-americana. Em seu discurso de racismo e ódio, ele argumenta que as 300 mortes de americanos por heroína por semana e a imigração indocumentada que atravessa a fronteira sul estão diretamente relacionadas. No entanto, de acordo com diferentes meios de comunicação, uma boa parte dos opiáceos entra na China por correio ou pelo Canadá, ou em carros pela fronteira com o México.

Trump insistiu repetidas vezes que o muro "será financiado indiretamente pelo grande acordo comercial com o México". Algo que não pode ser assegurado, uma vez que o T-MEC - a modernização do Nafta - ainda não foi aprovado pelo Congresso dos EUA e, se for ratificado, os benefícios serão para o capital privado, não para os cofres dos EUA.

Esta mensagem, na qual ele também anunciou sua viagem à fronteira na quinta-feira, constitui uma nova tentativa de pressionar os democratas, que se recusam a aprovar os fundos para o muro.

Os democratas: de campeões de deportação a opositores ao muro

De sua parte, Nancy Pelosi, líder da nova maioria democrata na Câmara dos Deputados, disse que o projeto do muro é imoral. Juntamente com Chuck Schumer, líder da minoria democrata no Senado, a legisladora apareceu após o discurso presidencial.

"O fato é que o presidente Trump escolheu tomar como reféns os serviços essenciais como a saúde, a segurança e o bem-estar dos americanos e reter a folha de pagamento de 800 mil trabalhadores inocentes", disse Pelosi. "Ele quer forçar o contribuinte a financiar uma parede cara e ineficiente que ele sempre disse que faria o México pagar", acrescentou

Por sua vez, o Partido Democrata promoveu uma iniciativa na Câmara dos Deputados para conceder fundos às outras agências afetadas pelo fechamento do governo, enquanto as negociações sobre a segurança das fronteiras continuam.
A verdade é que durante as administrações de Barack Obama, os democratas bateram o recorde de deportações e incentivaram o florescimento de uma verdadeira indústria de deportação.

A atual rejeição dos democratas ao projeto do muro obedece, mais que ao humanismo, a um frio cálculo político e econômico: por um lado, reconquistar a base social entre a crescente população latina e, por outro, assegurar às corporações americanas a disponibilidade da mão de obra migrante, vulnerável diante das ameaças, para manter a super-exploração deste setor da população dos EUA.

Os governos contra os imigrantes

No entanto, Trump já ameaçou usar o seu direito de veto para acabar com este projeto de lei. Seu governo afirma que a situação na fronteira é uma crise total, ao nível da segurança e humanitária, e ameaça emitir uma declaração de "emergência nacional" para construir o muro. Mas essa saída pode levar Trump a um conflito judicial pelo uso não ortodoxo dos poderes do poder executivo norte-americano.

A crise humanitária é real e foi provocada por ataques contra os migrantes: repressão com gás lacrimogêneo, morte de pelo menos duas crianças sob custódia do ICE, separação de famílias, detenção compulsória de solicitantes de refúgio e superlotação em centros que lembram campos de concentração são algumas das medidas mais brutais da administração Trump.

Enquanto isso, a Casa Branca conta com a obediência dos governos centro-americanos e de López Obrador, no México para implantar planos de "investimento" para impedir a migração a partir de "projetos de desenvolvimento da região" que garantam apenas trabalho precário, enquanto seguem as medidas de assédio contra migrantes.

Foi a histórica dominação imperialista dos países da América Central e do México, cuja uma das expressões é a aplicação de décadas de planos neoliberais ditados de Washington que mergulharam a região na pobreza e violência da qual as famílias migrantes fogem.




Tópicos relacionados

Imperialismo   /    Donald Trump   /    Imigração   /    Internacional

Comentários

Comentar