Internacional

EXTREMA-DIREITA NOS EUA

Trump chama de “boas pessoas” os grupos extremistas que se manifestaram armados em Michigan

Michigan United for Liberty é como se denominam os manifestantes que entraram no capitólio do Estado para pressionar contra uma nova extensão do estado de emergência.

terça-feira 5 de maio| Edição do dia

O mundo ficou desconcertado depois de colocar em questionamento até qual nível de reacionarismo alguém como Trump pode chegar ao saudar grupos ultradireitistas negacionistas com a gravidade da crise do coronavírus.

Na jornada anterior à comemoração do Dia Internacional das e dos Trabalhadores, um grupo denominado Movimento Michigan Unido pela Liberdade entrou no vestíbulo do capitólio do Estado para exigir da governadora democrata, Gretchen Whitmer, o fim da quarentena.

Isso aconteceu um dia depois da resolução no tribunal de Michigan que a imposição de permanência no lar não viola os direitos constitucionais dos habitantes. Na mesma sessão legislativa onde se discutia a continuidade do estado de emergência pelo COVID-19.

Trump, um negacionista da crise santitária, como de costume, saudou os manifestantes reacionários, sinalizando que “são pessoas muito boas, mas estão bravos”. Cabe destacar que os manifestantes portavam armas de guerra permitidas no Estado enquanto sejam visíveis e não estejam com máscaras. Sem se importar com isso, o questionado presidente imperialista enfatizou que esses grupos extremistas “querem suas vidas de volta, de forma segura! Encontre-os, fale com eles, faça um acordo”.

Michigan tem sido fortemente golpeada pela pandemia, superou 40 mil casos de contágio e conta mais de 3500 mortos segundo uma recontagem elaborada pela Universidade Johns Hopkins.

Leia também:
Tre Kwon: mostra as várias frentes da luta dos trabalhadores nos EUA

Publicado originalmente em espanhol no La Izquierda Diario.




Tópicos relacionados

Donald Trump   /    Internacional

Comentários

Comentar