Política

MARÍLIA-SP

Trabalhadores e estudantes batalham para tomar a greve geral nas mãos em Marília

Campanha “tomar a greve geral em nossas mãos” é parte importante das iniciativas de construção do combate a Temer e às reformas na cidade de Marília.

segunda-feira 3 de julho| Edição do dia

Em Marília, como em todo o país, as principais centrais sindicais atuaram como freio à mobilização, primeiro conscientemente dando a trégua de mais de um mês desde a última greve geral para o governo se reorganizar, depois lançando uma confusão de datas, e por fim, sem construir efetivamente a greve na maior parte das categorias que dirigem. A Força Sindical, que congrega o maior número de sindicatos na cidade, declarou à imprensa local que se trata de uma greve “de sindicalistas”, e não dos trabalhadores, e que as reformas da previdência e trabalhista possuem “pontos positivos”, deixando claro sua intenção não de barrar as reformas, mas negociar apenas alguns pontos destas. Na maior parte das categorias não houve assembleias de base, propostas de paralisação, tampouco chamado para a manifestação por parte dos diretores.

Por outro lado, houve uma séria de iniciativas importantes de tentativa de construção de base. O Movimento Revolucionário de Trabalhadores (MRT), o Professores Pela Base e a juventude Faisca Anticapitalista e Revolucionária se somaram à construção da greve geral do dia 30/06 com a campanha “Tomar a greve geral nas mãos”, com intervenções nos muros da cidade, panfletagens em indústrias e empresas, em universidades e escolas, além das categorias em que atua. Como você pode conferir algumas fotos aqui.

Após tentativa de censura na Câmara Municipal de materiais didáticos que tratavam de questões de gênero e de cultura afrobrasileira nas escolas, foi organizada uma Semana Contra as Opressões. Ligado ao combate à esta censura e às opressões as atividades tiveram papel de serem parte da construção da greve geral do dia 30. Os setores oprimidos serão os mais atacados com as reformas, neste sentido devem tomar a greve geral em suas mãos junto aos trabalhadores. Para saber mais sobre este processo confira notícia aqui.

Como parte da Semana Contra as Opressões foi organizada uma reunião de organização para construção de um comitê de base para luta contra as reformas e contra Temer reunindo categorias de trabalhadores, estudantes, e organizações políticas. A partir desta reunião foram organizadas panfletagens com carros de som entre diversas categorias de trabalhadores, além de locais importantes, como o terminal rodoviário, com grande apoio da população. Você pode conferir vídeos de chamado à mobilização aqui.




Tópicos relacionados

greve geral   /    Nossas vidas valem mais que o lucro deles   /    #30J   /    Greve geral   /    Greve   /    MRT   /    Marília   /    Política

Comentários

Comentar