Mundo Operário

Trabalhadores do HU dizem NÃO ao relatório da PROAHSA

sábado 4 de julho de 2015| Edição do dia

Publicamos abaixo a carta votada na reunião dos trabalhadores do HU de 01/07 sobre o relatório feito pelo PROAHSA – Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde.

Aos membros da Comissão instituída pela Portaria 965, para avaliação da vinculação do Hospital Universitário da USP à Secretaria Estadual de Saúde:

Prof. Jose Otavio C. Auler Jr. - Presidente
Profa. Maria Amélia de Campos Oliveira
Prof. Carlos Gilberto Carlotti Jr.
Prof. Floriano Peixoto de Azevedo M. Neto
Prof. Waldyr Jorge
Acad. Ivo José Jordão Guterman
Acad. Felipe Kiyoshi

Aberta à Comunidade USP e demais interessados.

São Paulo, 02 de julho de 2015

No dia 19 de setembro de 2014 o Reitor da Universidade de São Paulo Marco Antônio Zago instituiu Comissão com incumbência de realizar estudos sobre proposta de vinculação do Hospital Universitário à Secretaria Estadual de Saúde.
Na primeira reunião desta Comissão, realizada em 03/10/2014, por iniciativa do então presidente, Professor Giovanni Guido Cerri, foi admitido que houvesse uma avaliação situacional a ser realizada pelo PROHASA para dar elementos técnicos que subsidiasse os trabalhos da mesma. Admitido desde o princípio que trinta dias seriam insuficientes foi solicitada expansão do prazo, concedido pelo Reitor.
A partir da segunda reunião, com a transição da diretoria da Faculdade de Medicina da USP, a presidência da comissão passou ao Professor José Otávio Costa Auler Junior.

O PROHASA cumpriu o que lhe foi atribuído e elaborou estudo situacional no mês de novembro de 2014. Em 28 de janeiro de 2015 os dados foram apresentados aos membros da Comissão pelo Dr. José Manoel de Camargo Teixeira através de uma projeção de slides. Tratou-se, na minha opinião, de um conjunto de dados verossímeis e uma apresentação razoável pelo tempo disponível. No ato da reunião solicitei cópia da apresentação, que foi negada pelo presidente da Comissão, argumentou que os dados deveriam ser apresentados ao Reitor antes de terem maior publicidade.

Até o presente momento, em que é solicitado aos membros que apresentemos propostas para complementar o relatório não tive oportunidade de ler o seu inteiro teor, após a última solicitação que fiz ao presidente, recebi da sua secretária mensagem eletrônica dizendo que o relatório só seria disponibilizado após a aprovação do texto final.

Acredito que foge ao razoável que qualquer membro da Comissão tenha condições de aprovar um relatório que não leu, e além disso, em nome do segmento que representa dar fé pública de seu conteúdo. Além da metodologia: aprovar sem ler e sem discutir com os seus representados, o relatório trata de um Hospital Universitário antes da demissão de 213 funcionários no Plano de Incentivo à Demissão Voluntária, da inativação de 20% de seus leitos, de 40% de sua unidade de terapia intensiva, de seu ambulatório de ortopedia, de seu prontoatendimento de oftalmologia. O Reitor da USP não aguardou os trabalhos da Comissão, através das medidas tomadas de remanejamento de pessoal e inviabilização de diversos serviços cumpriu com sua determinação de economia de recursos da universidade com o Hospital Universitário (anexo relatório de vistoria executada pelo Conselho Regional de Medicina).

A opinião dos funcionários do Hospital Universitário da USP é que o relatório produzido pelo Prohasa, não deva fazer parte do documento de recomendações apresentados à Reitoria e comunidade da USP, tanto pelos membros da Comissão não poderem dar fé de seu conteúdo, como pelos dados se referirem ao Hospital antes do PIDV.

Mesmo com as observações já apresentadas, consideramos momento oportuno para os membros da Comissão e da comunidade da USP nos engajarmos pela reestruturação do HU, nesse sentido apresento as propostas aprovadas pelos funcionários que represento.

Atenciosamente, Gerson Sobrinho Salvador de Oliveira
Representante dos funcionários do HU-USP




Tópicos relacionados

Hospital Univeristário da USP   /    Universidade   /    Saúde   /    USP   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar