Mundo Operário

REFORMA TRABALHISTA

Trabalhadores do Carrefour do Rio aprovam estado de greve contra ataques da Reforma Trabalhista

terça-feira 19 de dezembro de 2017| Edição do dia

Em assembléia realizada nesta segunda-feira (18/12), trabalhadores da rede Carrefour, do Rio de Janeiro, aprovam estado de greve e ameaçam parar caso a empresa não atenda às suas demandas ou continue com perseguições aos funcionários.

Os primeiros empregados de redes de supermercado a demonstrarem insatisfação com as condições de trabalho foram os da rede Mundial. Eles cruzaram os braços no mês passado, em resposta à decisão da empresa de cortar compensações pelas horas trabalhadas nos domingos e feriados. Os empresários entenderam que poderiam promover os cortes depois que a atividade foi inserida no grupo de essenciais, em decreto assinado em agosto pelo presidente Michel Temer.

A pauta de reivindicações dos empregados do Carrefour inclui a exigência de manutenção do pagamento de adicional de 100% sobre as horas trabalhadas nos feriados e domingos. Os trabalhadores pedem também a reintegração dos demitidos por terem participado das reivindicações; folgas adicionais pelo trabalho nos feriados; fim do desvio de função; intervalo de 15 minutos para lanche; e fim do assédio moral, entre outras reivindicações.

De acordo com o sindicato a empresa se comprometeu em pagar o adicional por trabalho em feriados apenas para os feriados que ja passaram e não garantiu nada com relação aos próximos feriados. Os trabalhadores entregarão a pauta de reivindicações neste quinta-feira(21/12) à empresa em mediação da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego (SRTE).

Esta tentativa da empresa de reduzir o pagamento de adicionais expressa o reflexo da reforma trabalhista aprovada por Temer que da aval para as empresas reduzirem salários, benefícios e direitos. É necessária a organização nos locais de trabalho e que os sindicatos preparem de fato os trabalhadores para resistir contra os cortes nos direitos da nossa classe.




Tópicos relacionados

Reforma Trabalhista   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar