Mundo Operário

PANDEMIA E PRECARIZAÇÃO

Trabalhadores de call center de todos os países: contate-nos!

A situação de precariedade nos call centers criados por empresas de todo o mundo, segundo os correspondentes da rede internacional La Izquierda Diario.

segunda-feira 18 de maio| Edição do dia

Proletários de todos os países, uni-vos!

Manifesto Comunista. Karl Marx e Friedrich Engels

Imaginemos que este diário é uma máquina de teletransporte. Da Argentina iremos ao Chile, Costa Rica e México para ver como trabalham em diferentes partes da América Latina os trabalhadores de call centers. Os destinos não são caprichosos e as ligações entre um ponto e outro também não o são. A máquina funciona com base numa rede já existente: a rede internacional La Izquierda Diario (LID), uma multimídia que existe em 14 países, em 8 idiomas. Esta é uma iniciativa dos partidos que compõem a Fração Trotskista - Quarta Internacional, com quem acabamos de realizar um evento internacionalista ao vivo no dia 1 de Maio.

LID contra o segundo desgraçado mais importante do México

Recentemente, trabalhadores de call center do Grupo Salinas, no México, enviaram queixas à LID Argentina. Os nossos colegas correspondentes no país asteca também receberam muitas. Foi por isso que começamos aqui. Axel, ex-trabalhador do call center, recebe-nos e dá-nos um relato muito completo:

"Estima-se que existam 150.000 trabalhadores de call center no México, 52.000 na capital. Há uma grande sobrelotação, com salários muito baixos. É um dos empregos precários mais recorrentes entre os jovens e mais abundantes na Cidade do México. O salário médio de um trabalhador do call center é de 164 dólares. O tipo de contrato mais utilizado é temporário e é renovado por períodos de um a três meses, regularmente em empresas que não têm a mesma razão social que a empresa para a qual trabalha.

As principais aqui são Teleperformance, Atento e Telvista. A Teleperformance é dedicada ao suporte técnico, atendimento ao cliente, cobrança de dívidas e redes sociais. É uma empresa multinacional com presença em 80 países, 640 centros de trabalho e 330.000 trabalhadores. A Atento dedica-se ao suporte técnico, atendimento ao cliente, gestão de vendas e cobrança. É uma empresa multinacional com presença em 13 países e 150.000 funcionários. A Telvista dedica-se à prestação de serviços de atendimento a empresas dos sectores financeiro, telecomunicações, turismo, farmacêutico, automobilístico e tecnológico. É uma empresa mexicana com filiais na capital, Baja California, e nos Estados Unidos, no Texas e na Virgínia.

A política dos empregadores de call centers, desde o início da quarentena, tem sido a de manter as operações nos centros de trabalho. A maioria das centrais telefônicas continua a funcionar sem quaisquer medidas sanitárias. No meio da pandemia, foi dito que, para a fase 3 do contágio, apenas os sectores essenciais funcionariam. Mas não havia legislação que regulasse o encerramento dos locais de trabalho.

No LID México denunciamos a morte de Rodolfo Huvy, que foi infectado num Call Center do Grupo Salinas, uma empresa de Ricardo Salinas Pliego, o segundo empresário mais rico do país, com uma fortuna de 11,7 mil milhões de dólares. Como resultado, recebemos e publicamos cerca de 30 denúncias de trabalhadores do Call Center. Nenhum meio de comunicação social publica as denúncias dos trabalhadores precários na pandemia. O LID México aos poucos começa a ser visto como uma plataforma de denúncia”.

Qualquer semelhança com a realidade argentina, será mera coincidência?

Costa Rica: paraíso da precarização bilíngue

Teleperformance. Seguindo o rasto deste polvo arrebentador de jovens, chegamos à Costa Rica. Existem também a Concentrix/Convergys, Sykes, Amazon e estima-se que existam cerca de 46.000 trabalhadores no setor. São na sua maioria pessoas entre 18 e 30 anos de idade. Uma grande parte deles são bilíngues porque trabalham para empresas estrangeiras. O salário médio do sector situa-se entre 700 e 900 dólares. Parece muito em comparação com o México, mas não confundir: os salários aí são mais elevados porque o custo de vida é muito mais elevado. Digamos que eles também são pobres.

Em 15 de Abril, a nossa correspondente Paola Zeledón Muñoz, uma funcionária de call center, informou que o principal foco da infecção por coronavírus era um call center em San José, capital do país caribenho. São 31 casos confirmados no mesmo estabelecimento, representando 5% do total de 618 casos que o país detectou até a data.

Sofia (20) trabalha na Concentrix, no mesmo local. "Há muitas denúncias de jovens sobre o ambiente do call center, especialmente no que diz respeito à saúde mental", diz, acrescentando que os contratos que lá existem também são para três meses. Durante o período de experiência pode ser despedido "sem responsabilidade do empregador". Todos os contratos estipulam que você tem de trabalhar em feriados e que podem alterar o seu horário de acordo com a conveniência da empresa".

Gus (26) trabalha em Saix. "Tenho um contrato terceirizado , somos contratados pela Saix, mas trabalhamos realmente para as contas da empresa. O responsável pela gestão da obra ou exploração é a Saix, mas até há pouco tempo eu trabalhava na conta de um banco americano com capital imperialista. Era uma empresa americana e, no entanto, tem as suas operações com clientes aqui na Costa Rica e noutros países semicoloniais. Há coisas que são ilegais, por exemplo, obrigam-nos a assinar a perda do direito à sindicalização. É um direito inalienável na Costa Rica, mas eles fazem-nos assinar isso para intimidar", conta ela.

"Sei que a Amazon mandou muitos dos seus trabalhadores para casa com teletrabalho. A Teleperformance foi contra durante muito tempo e a Concentrix também foi lenta a implementá-la", diz Sofia. A Saix implementou parcialmente o teletrabalho, apenas em algumas contas ou campanhas, como são chamadas na Argentina. O relato de Gus parece incrível: "Saix ficou muito indiferente até receber uma queixa do Ministério da Saúde". Aí começou a tomar medidas superficiais, como a limpeza do chão. Tomou efetivamente muitas medidas repressivas. Podemos ser repreendidos se não mantivermos distância. A maior parte das vezes é impossível, porque há muito pouco espaço e demasiadas pessoas. Segundo ambos, a única coisa que o Governo fez foi "encorajar" as empresas a fazer teletrabalho, sem tomar quaisquer medidas.

O LID Costa Rica é uma das novidades em nossa multimídia. O seu lançamento aconteceu no dia 13 de Março. Juntamente com o LID Peru, que aderiu em 1 de Maio, eles são as duas últimas seções da nossa rede. "Durante a pandemia fizemos transmissões diretas que tratam de temas de interesse, para além de criarmos comités de crise. Realizamos uma campanha de denúncia das políticas elitistas da Universidade da Costa Rica (UCR), excluindo muitos jovens que não podem receber aulas virtuais devido a problemas de acesso à Internet e a um ambiente propício aos estudos, recusando-se a suspender o semestre", afirma Sófia. "É um instrumento que devemos utilizar muito mais, porque nenhum outro meio de comunicação social menciona sequer a situação precária da juventude", acrescenta Gus.

Teletrabalho no Chile: um testemunho do passado e do futuro imediato

Teletrabalho. Depois deste rótulo, nos transportamos para Santiago do Chile, um país onde, recentemente, enormes revoltas abalaram o regime neoliberal herdado da ditadura de Pinochet. O LID Chile tem relatado como, com a desculpa do coronavírus, o governo aproveitou a situação para aprofundar a militarização, reprimir os protestos e reprimir o espírito de revolta. Neste contexto, foi aprovada uma nova lei do teletrabalho, que as empresas vinham pedindo há muito tempo.

X (24) é um operador do Entel Call Center e presta serviços à Fonasa (seguro de saúde público). Ele já nos tinha dito como era ser um empregado de call center com teletrabalho pouco antes da pandemia. Ele abre-nos novamente as portas da sua casa. Enquanto come um prato de arroz, sentado no seu gabinete improvisado, responde a algumas perguntas entre chamadas.

Como estão as suas condições de trabalho e em que medida elas mudaram com a pandemia?

O meu trabalho e a minha rotina pessoal não mudaram muito. Antes, meus horários eram rotativos, e agora também. Tenho dois intervalos de 15 minutos e um almoço de 45 minutos, que na verdade é tempo de cozinhar. Se tiver de sair, tenho que evitar os postos de controlo policiais e militares, porque eles não lhe dão um salvo-conduto. A única coisa que posso dizer mudou é que a situação apenas foi utilizada para intensificar a repressão e que o trabalho é mais precário do que antes.

Para você, qual é o pior aspecto do teletrabalho?

Quando lhe dizem que o trabalho é melhor em casa, é uma mentira. A única coisa boa é que se poupa os minutos que se gastam em transportes públicos e o banheiro fica do outro lado da porta. Uma das piores partes é a atomização máxima da classe trabalhadora. Já não vejo ninguém. E, com os horários rotativos, o intercambio entre colegas é muito pequeno.

Os meus colegas dizem-me que eles sentem a mesma coisa que eu. A qualidade da chamada ficou muito pior. Isto afeta a qualidade dos atendimentos e deixa as pessoas nervosas, que já estavam aflitas por um sistema de saúde deplorável que foi desmantelado durante décadas. Algumas pessoas já nem sequer falam e você descobre de outras que estão trabalhando até 60 ou 65 horas por semana.

Você estava trabalhando com esta modalidade desde antes do governo chileno aprovar uma nova lei de teletrabalho. O que mudaria pra você?

A única coisa que eu vi que mudaria é que eles podem dividir o seu horário de trabalho em até 12 horas por dia, claro que não seguidas. Quer dizer, é mais flexibilidade no trabalho. É claro que lhe dizem que é em "comum acordo" entre trabalhadores e empregadores, mas todos sabem que são os patrões que estabelecem as condições. São poupanças para os patrões para onde quer que olhe. Deixaram de me pagar os vales transporte e vale alimentação.

Na Argentina, o presidente Alberto Fernandez justificou as reduções salariais dos trabalhadores que fazem teletrabalho, dizendo que trabalhar em casa gasta menos. O que você diria a ele se fosse seu presidente?

Que miserável, tenho a certeza que ele não suportaria trabalhar nas minhas condições durante mais de uma semana. Vamos ver se ele não tem de gastar uns trocos extra para arranjar as costas. No início eu nem sequer tinha computador e tive que gastar a miséria que me deram como primeiro salário para poder comprar um. No mês seguinte comprei uma cadeira porque tinha uma brutal dor nas costas, trabalhando 9 horas por dia em um horário rotativo em um piso de madeira. Agora tenho de pagar as contas de eletricidade de um computador que está ligado durante mais de 45 horas por semana.

Na Argentina, setores do governo também estão discutindo uma lei de teletrabalho semelhante à do Chile. O que o senhor diria aos trabalhadores na Argentina sobre isso?

Se o projeto é semelhante ao do Chile, eles terão mais flexibilidade, é para dar mais da sua vida ao empregador. Os governos militarizam e enchem as ruas com a polícia. Eles estão a separar-nos e a preparar o terreno para uma melhor repressão. Eles criam inimigos entre nós, em alguns lugares com os prisioneiros (como a onda de notícias falsas sobre a libertação de prisioneiros na Argentina), ou notícias que têm surgido aqui no Chile para criminalizar os trabalhadores haitianos que vivem em condições de superlotação, ou para vincular os trabalhadores de aplicativos ao tráfico de drogas (é claro que eles destacam que eles são estrangeiros).

Não tenho dúvidas de que tal lei não será feita para fazê-los trabalhar menos, nem fará com que os empregadores paguem por questões mínimas de saúde. Recentemente saí para tratar da papelada e uma caravana de trabalhadores de aplicativos passou a buzinar. Tem havido protestos e confrontos com a polícia e os militares também em comunidades dentro e fora de Santiago, assim como greves que começaram recentemente no norte, especialmente no setor de mineração. Eu diria aos trabalhadores da Argentina que o único caminho de encontrar saídass favoráveis para o povo trabalhador é através da nossa organização. Se os empresários saem favorecidos, é às nossas custas.

Pergunta para os leitores: Não é claro por que a semelhança com a Argentina não é uma coincidência?

E se fizermos uma rede maior?

Seguindo a trilha do Teleperformance, podemos voltar ao nosso país. Pontualmente, para o jardim da República: San Miguel de Tucumán. Ali, a multinacional também tem o apoio do governo e do sindicato para fazer o seu trabalho. (Sobre o papel dos sindicatos em outros países, perguntaremos em futuras viagens).

Um correspondente de Tucuman informou que a Teleperformance "foi denunciada à OCDE por uma coalizão de sindicatos com representação em dez países, incluindo França, Filipinas, Colômbia, Reino Unido, Portugal e Grécia. A denúncia alega violações dos direitos trabalhistas como resultado da crise causada pela Covid-19 e documenta condições insalubres e ultrajantes. O Financial Times publicou um artigo documentando as práticas de exploração laboral desta empresa nas Filipinas, onde trancaram trabalhadores e os obrigaram a dormir no chão dos centros de atendimento".

Publicamos várias denúncias contra esta empresa durante a pandemia. A partir daí também recebemos a notícia de uma greve para exigir a implementação do teletrabalho desde antes de a quarentena ser decretada. Correspondentes de Tucumán também relataram a primeira ação de rua da Red de Trabajadorxs Precarizadxs e Informales. Lá, trabalhadores de call centers, gastronomia, casas de fast food, aplicativos de entrega e outros setores se manifestaram por suas demandas como em outras cidades importantes do país. Dizem estar fartos de empresas que os tratam como se fossem descartáveis, de governos que os deixam fazer o que querem, e de sindicatos que traem e cedem todos os seus direitos. Esta é a notícia que gostamos de contar aos trabalhadores de outras partes do mundo.

E se a próxima ação da Rede fosse internacional? Pelo que nossos correspondentes nos dizem, certamente haveria trabalhadores de outros países que gostariam de participar.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Classe Trabalhadora   /    Juventude trabalhadora   /    Trabalhadores   /    Telemarketing   /    Trabalho Precário   /    Mundo Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar