GREVE DA FHEMIG

Trabalhadores da saúde não caem na chantagem de Zema e a greve da Fhemig continua

Em greve há seis dias, trabalhadores de oito hospitais que fazem parte da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) decidem em assembleia manter sua greve por tempo indeterminado, se negando a se contentarem com a migalha oferecida por Romeu Zema: pagar o 13º de quem recebe até R$2500.

segunda-feira 20 de janeiro| Edição do dia

Em greve desde a última quarta-feira, dia 15, para garantir o pagamento do décimo terceiro, melhorias nas condições de trabalho e gratificação da ajuda de custo, os trabalhadores de oito hospitais que fazem parte da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) decidem, em assembleia realizada hoje, manter sua greve por tempo indeterminado.

Para o desgosto do governador Romeu Zema, que prefere deixar à míngua a saúde e a educação, mas cumprir seus combinados com a polícia, sua oferta não conseguiu dividir a categoria que está na linha de frente no segundo ano de seu mandato. Ele ofereceu pagar o 13º de quem recebe até R$2500 reais, mas os grevistas não se contentam: querem o 13º de toda a categoria além de que outras demandas sejam atendidas.

Esse setor se mantém bravamente em greve mesmo com o assédio da direção da Fhemig, que considerava a greve ilegal, o que foi desmentido por um professor de direito da UFMG, mas propôs que ela fosse suspensa para que negociações fossem retomadas. Com mulheres negras na linha de frente, os grevistas foram claros em sua assembleia: não suspender, muito menos finalizar a greve, enquanto uma proposta digna não for apresentada, afinal, os trabalhadores que cuidam da saúde e salvam vidas da população merecem ser valorizados.

O Esquerda Diário, junto à Juventude Faísca, apoia a greve dos trabalhadores da Fhemig, e batalhamos juntos contra este governo de Zema, que nada mais é que um capacho de Bolsonaro, e não se importa de aprofundar a situação de precarização dos trabalhadores e da população mineira em troca de continuar favorecendo empresários como ele.




Comentários

Comentar