Mundo Operário

SAÚDE RIO DE JANEIRO

Trabalhadores da saúde convocam ato em defesa do SUS dia 09: Crivella, pague os salários!

quarta-feira 4 de dezembro de 2019| Edição do dia

Trabalhadores da saúde que completam 2 meses sem receber seus salários estão convocando uma manifestação na prefeitura do Rio de Janeiro, em defesa do direito à saúde e pelo pagamento imediato dos salários atrasados. O ato está sendo convocado pelo movimento Nenhum Serviço de Saúde à Menos e deve receber adesão das diversas categorias da saúde municipal do Rio e ocorrerá às 17h na prefeitura do Rio de Janeiro.

Enquanto não pagou os salários, Crivella manteve dezenas de benefícios para empresários capitalistas e orientou mais cortes na saúde para o ano de 2020. Em plena campanha eleitoral, Crivella quer cuidar de seus interesses e dos interesses de seu tio, Edir Macedo- e as pessoas que ele disse que iria cuidar, que se virem.

Leia também: Crivella atrasa 2 meses de salário e trabalhadores da saúde chamam ato no TRT nesta quinta

A situação de dezenas de clínicas da família, maternidades, Capes e hospitais sem condições de atendimento, deixando a população pobre e a classe trabalhadora sem acesso um direito fundamental - o direito à saúde - é fruto de inúmeras políticas privatizantes, levadas adiante por Eduardo Paes com as Organizações Sociais de Saúde, e que foram mantidas e até aprofundadas pela política de Crivella.

Crivella, enquanto falava para seus aliados "falar com a Márcia", a grande maioria do povo carioca sofria nas filas do SUS. Uma situação construída para beneficiar os planos de saúde privados e as próprias OS, que oferecem contratos com salários miseráveis para os servidores da saúde, para no final, não pagar os salários.

A saúde é um direito humano, mote do chamado do ato, reflete diretamente a situação: a precarização e o não pagamento dos terceirizados, tanto das OS quando das empresas que cuidam de setores como a limpeza de hospitais, afeta diretamente a vida do povo carioca, e é a causa direta de sofrimento e morte nas filas de atendimento. Por isso é essencial apoiar os trabalhadores da saúde em sua luta. Pagamento imediato dos salários! Direitos plenos aos trabalhadores da saúde! Abertura dos livros de contabilidade da prefeitura e das OS, queremos saber para onde vai o dinheiro que deveria ser gasto em medicamentos, equipamentos e no atendimento ao povo!

Leia mais: Trabalhadores da saúde sem salário: Crivella ameaça a existência do SUS no Rio

Abaixo, reproduzimos o chamado à manifestação:

// SAÚDE É UM DIREITO HUMANO! // 09 DEZ - 17h - PREFEITURA

O movimento Nenhum Serviço de Saúde a Menos convoca toda a população carioca, todos os trabalhadores e suas associações, sindicatos e movimentos sociais para participar do ato SAÚDE É UM DIREITO HUMANO!, terça-feira, 09 DE DEZEMBRO, às 17h, na frente da prefeitura do Rio de Janeiro, no dia internacional dos direitos humanos.

Este ato é organizado por conta dos sucessivos cortes e falta de investimento na saúde feitos pela Prefeitura ao longo de 3 anos, que chegam a mais de 2,2 bilhões (matéria do jornal O globo, 29 de novembro de 2019).

Até o fim do ano, será votada uma proposta de orçamento na Câmara de Vereadores onde a Prefeitura indica corte de mais R$200 milhões para o ano que vem!

O resultado dessa política até aqui tem sido:

.quase UM MILHÃO de cariocas perderam acesso a equipes de saúde, o que gera mortes e doenças que podiam ser evitadas,

.diversas unidades de saúde em toda cidade não atendem mais,

.faltam medicamentos e materiais mesmo para atividades básicas,

.falta de limpeza, de segurança e de manutenção das unidades de saúde,

.demissão de mais de 2500 profissionais (principalmente mulheres negras moradoras de comunidades e favelas),

.atrasos de salários recorrentes ao longo dos últimos três anos para os trabalhadoras e trabalhadores de saúde,

.assédio moral, perseguição dos superiores contra quem se manifesta e outras formas de violência laboral,

.reduções salariais e precarização dos vínculos trabalhistas (pejotização etc),

.adoecimento mental em massa dos trabalhadores da saúde.

Todo esse desmonte só foi possivel pela crescente privatização da saúde através de Organizações Sociais (OS) que ocorre há quase dez anos, que expandiram os serviços inicialmente, mas de forma fragil. Agora as OSs servem para impor vínculos trabalhistas cada vez mais precários, sem direitos, com salários mais baixos. A privatização ofereceu serviços cada vez piores e com mais desperdicio, ao invés de garantir um sistema para durar, de expansão planejada, baseado em vínculos trabalhistas estáveis e carreiras de estado, com crescente fonte de financiamento.

Contra esses ataques a saúde pública dizemos:
SAÚDE É UM DIREITO HUMANO!
E um direito NÃO É MERCADORIA!
São as nossas vidas!
O SUS é nosso e ninguém vai tirar da gente!

#trabalhadorespeloSUS
#LUTOPELASAÚDE
#09D
#FORACRIVELLA




Tópicos relacionados

Greve na saúde do Rio   /    Marcelo Crivella   /    Saúde   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar