Sociedade

Trabalhadores da JBS sofrem com surto do coronavírus em fábrica no RS

Em nota, a JBS declarou que a empresa é considerada essencial e que todas as medidas preventivas para garantir a segurança e prevenção dos funcionários foram todas. Mas o Ministério Público do Trabalhoestá investigando a empresa para analisar se realmente as regras sanitárias foram atendidas e saber como ocorreu o surto.

sábado 25 de abril| Edição do dia

O Frigorífico da JBS, em Passo Fundo (RS), regista surto de coronavírus entre os funcionários. Na empresa 19 funcionários já testaram positivo para o vírus. 15 suspeitos, e dois famílias deles morreram pelo coronavírus.

Em nota, a JBS declarou que a empresa é considerada essencial e que todas as medidas preventivas para garantir a segurança e prevenção dos funcionários foram todas. Mas o MTP (Ministério Público do Trabalho) está investigando a empresa, desde segunda-feira (20), para analisar se realmente as regras sanitárias foram atendidas e saber como ocorreu o surto. O ministério pediu afastamento de todos os funcionários por 14 dias, com remuneração.

O caso veio a público após numa live o Eduardo Leite, governador, e Arita Bergmann, secretária estadual da saúde, comentarem que havia uma empresa na cidade, sem divulgar o nome, com registro do surto do coronavírus. Anita chegou a declarar que "não é a primeira região em que acontecem surtos de origem, de dentro de um empreendimento". Passo Fundo é a segunda cidade do Rio Grande do Sul com maior casos de coronavírus, com 73 casos confirmados e 6 óbitos, ficando atrás apenas de Porto Alegre.

Segundo o Conselho Municipal de Saúde da cidade até o dia 18/04 a empresa tinha 7 casos confirmados, dentre esses um está em caso grave, e possuíam 78 funcionários afastados com suspeita de covid-19, 6 dos afastados trabalhavam não mesmo setor que o 2º caso confirmado da empresa. O conselho solicitou que o prefeito decreta-se interdição da planta da JBL e isole trabalhadora com sintomas: "Essas informações demonstram a urgência de uma ação por parte do poder público municipal, que não há outra possível senão a interdição da empresa até que sejam tomadas medidas de contenção da contaminação da covid-19 nela, tendo como referência o que propõe o MPT”

É necessário que sejam feitos testagens massivas em todos os funcionários das empresas que seguem funcionando, seus familiares e pessoas que entraram em contato, para identificar quem está e quem não está contaminado e assim evitar e assim ter racionalidade para planejar e enfrentar a pandemia, para a partir daí sabermos quem precisa ser isolado e quem pode seguir trabalhando, mas não para produzir bens inúteis que só servem pra manutenção dos lucros dos patrões e sim reordenar a produção para a produção de equipamentos que de fato atendam toda a demanda hospitalar necessária para o enfrentamento da pandemia.




Tópicos relacionados

Coronavírus e racismo   /    Coronavírus   /    Saúde Pública   /    JBS   /    Sociedade   /    Saúde   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar