Mundo Operário

INTERNACIONAL

Trabalhadores da Amazon nos EUA protestam contra precarização no trabalho

Os trabalhadores se organizaram quando a patronal demitiu sua colega por visitar sua família.

sexta-feira 11 de outubro| Edição do dia

Os trabalhadores da Amazon em Sacramento criaram a plataforma Amazonians United Sacramento enquanto organizavam o protesto e o pedido de recontratação para reincorporação de uma companheira demitida por levar uma hora extra para visitar um membro da família durante sua morte.

As demandas contidas na carta de petição que eles apresentaram à administração em 30 de Setembro explicaram as condições de tempo livre para os trabalhadores da Amazon e como o que é anunciado como um benefício concedido pela empresa é na verdade a limitação de um direito básico: "Embora a Amazon seja uma empresa de bilhões de dólares administrada pelo homem mais rico do mundo, funcionários permanentes que trabalham em turnos de 8 horas têm apenas 10 dias de folga por ano, por qualquer motivo", diz A carta de demanda. "Isso significa que todos os dias que usamos [tempo livre não remunerado] para emergências familiares, doenças ou férias, estamos um passo mais perto da demissão".

Depois de semanas em que Sandra teve de suportar intermináveis ​​ligações e conversas com o departamento de Recursos Humanos da Amazon sem responder ao seu pedido de ajuda, os trabalhadores demonstraram o poder da organização e ações coletivas para reintegrar Sandra. Dentro de 24 horas, os gerentes da RR. HH informaram a Sandra que ela será reincorporada e recuperará o pagamento após se organizar e contar com o apoio de seus colegas de trabalho.

Essa vitória é relevante após vários outros protestos e greves contra as condições de trabalho infantil na Amazon, como a primeira greve nos Estados Unidos, em 15 de julho. Meses atrás, 60 trabalhadores de armazéns da Amazon, a maioria mulheres de ascendência somali, em Eagan, Minnesota, abandonaram o turno da noite, exigindo salários mais altos e uma reversão do limite de carga horária semanal de 30 horas. A gerência encerrou a greve de 2,5 horas prometendo resolver os problemas na manhã seguinte.

De acordo com seu post no Facebook, a Amazonians United disse que continuará exigindo que todos os trabalhadores recebam folga remunerada (PTO), bem como outros casos de demissão.




Tópicos relacionados

Amazon   /    Trabalhadores   /    Greve   /    Estados Unidos   /    Mundo Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar