Economia

QUEDA SALARIAL

Trabalhador brasileiro sofreu a maior queda salarial entre os países do G-20

O trabalhador brasileiro sofreu a maior queda de salários em termos reais entre os países do G-20 em 2016 e, em 2015, já esteve entre os três países que mais perderam em todo o mundo.

sexta-feira 16 de dezembro de 2016| Edição do dia

Um levantamento feito pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre o comportamento dos salários pelo mundo, que é publicado apenas a cada dois anos, concluiu que a queda no salário real do brasileiro neste ano deve ser de 6,2%. Em 2015, a perda foi de 3,7%.

Desde 2012, os números da renda do brasileiro apresentavam um certo crescimento, ainda que abaixo da média mundial. Considerando inflação, o poder aquisitivo do brasileiro aumentou em 4% em 2012, 1,9% em 2013 e 2,7% em 2014.

Em termos nominais, a OIT usa dados do IBGE para mostrar que os valores foram de R$ 1,9 mil em média por mês em 2013, R$ 2 mil em 2014 e R$ 2,1 mil em 2015.

A crise se aprofundou ainda mais neste ano para o trabalhador brasileiro. "Os números que estamos vendo não são nada encorajadores", disse Deborah Greenfield, vice-diretora da OIT. Para a entidade, o cenário aponta para uma nova queda em 2017.

Segundo a representante da OIT, um dos impactos mais imediatos na queda dos salários no Brasil deve ser a redução do consumo na economia e, claro, na demanda agregada. "A desaceleração de renda tem um impacto muito grande em famílias e isso vai ser sentido em toda a economia", alertou. "Os ganhos dos últimos anos podem sofrer uma erosão", disse.

Na avaliação dos especialistas da OIT, os dados brasileiros sugerem que a recuperação do crescimento da economia poderá levar mais tempo que se imagina, diante da perda do poder aquisitivo da população durante pelo menos dois anos.

Patrick Belser, autor do informe, também destaca a queda "dramática" do salário no País. A recessão e a queda nos preços de commodities influenciaram. "A redução continuou em 2016 e a demanda agregada também vai sofrer", disse.

De acordo com a OIT, o resultado negativo do Brasil teve um impacto até mesmo na média salarial na América Latina, com a região registrando uma queda de 1,3% em 2015.

Nos grandes países emergentes, o que se viu foi uma desaceleração da expansão dos salários. Ainda assim, eles continuaram a aumentar. Em 2012, essas economias viam seus salários reais aumentar em 6,6%. Para 2015, a taxa foi de 2,5%.

Outro alerta da OIT se refere ao impacto na desigualdade social. "Estudos mostram que o aumento de salários ajuda a combater desigualdades", constatou Greenfield. "Não estamos vendo combate à desigualdade. Mas o contrário", alertou. Ainda que o Brasil tenha reduzido seus índices de injustiça social, com o aumento do salário mínimo, a OIT insiste que o país continua sendo um dos mais desiguais do mundo. Um estudo realizado com base as declarações de imposto de renda entre 2007 e 2013 apontou que 700 mil pessoas, o que equivale a 0,36% da população, possuem patrimônio igual a 45% do PIB. Ao mesmo tempo, essas mesmas pessoas pagam, quase sempre, impostos mais baixos que os dos assalariados.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Tópicos relacionados

Inflação   /    crise econômica   /    Economia

Comentários

Comentar