Internacional

HÁ TRINTA ANOS

Tiananmen: o massacre que o governo da China escondeu

O dia 4 de junho marca o 30º aniversário do massacre da Praça Tiananmen. Um divisor de águas na história do gigante asiático. Desde a derrota da luta dos estudantes e trabalhadores em Pequim, a burocracia do Partido Comunista Chinês assumiu a restauração capitalista no país.

quinta-feira 6 de junho| Edição do dia

Os protestos que ocorreram na primavera de 1989 na Praça Tiananmen, localizada no coração de Pequim, ladeados pela Cidade Proibida, pelo Parlamento e pelo Museu Nacional, continuam sendo um assunto proibido na China.

A morte de Hu Yaobang, ex-secretário-geral do PCCH (que impulsionou as reformas econômicas junto com Deng, mas que era visto como uma ala mais democrática da burocracia dirigente, ocorrida em 15 de abril de 1989, reacendeu as mobilizações dos estudantes, dos trabalhadores e, em menor medida, dos intelectuais chineses, que se mobilizavam por liberdades democráticas e contra a corrupção; contra as reformas econômicas procapitalistas (ou restauracionistas) implementadas por Deng Xiaoping e seu Primeiro Ministro Li Peng, que estavam começando a criar desigualdades sociais, desemprego e inflação.

Essa unidade de reivindicações cristalizou-se na imensa Praça da Tiananmen, que, durante o mês e meio de mobilização, serviu de palco catalisador para o protesto social contra as reformas pró-capitalistas impulsionadas pelo PCCH.

Pode lhe interessar: Chaves para entender a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos

Em 4 de maio, aproximadamente 100.000 estudantes e trabalhadores marcharam em Pequim pedindo reformas pela liberdade de expressão e um diálogo formal entre autoridades e representantes estudantis. Em 13 de maio, grandes grupos de estudantes ocuparam a Praça Tiananmen e iniciaram uma greve de fome, pedindo ao governo que retirasse a acusação feita no editorial do Diário do Povo e que fossem iniciadas conversas com os representantes eleitos pelos estudantes.

Centenas de estudantes continuaram a greve de fome e receberam o apoio de milhares de outros estudantes e moradores de Pequim, que continuaram os protestos durante a semana. Os estudantes cantavam A Internacional nas manifestações e mostravam seu apoio ao socialismo chinês, ainda que exigissem reformas.


Protesto massivo na Praça Tiananmen (foto Jian Liu)

"Houve muito pouca aceitação entre os trabalhadores da idéia de Deng Xiaoping de que tudo ficaria bem se ’alguns enriquecerem primeiro’; eles consideravam isso simplesmente como uma injustiça distributiva ". Além disso, "muitos trabalhadores sentiam-se profundamente ofendidos mesmo por diferenças salariais que não seriam consideradas muito grandes de acordo com os critérios ocidentais, onde foram advertidos, no entanto, como injustas [...]. Um ressentimento particularmente acentuado foi o que provocou a brecha cada vez maior entre os bônus pagos aos trabalhadores e aqueles recebidos pelos gerentes superiores das empresas, que em alguns casos poderiam ser de vinte a trinta vezes maiores do que o pago aos trabalhadores. ", afirma Pieranni em China 1989: Os manifestantes, o Partido e o massacre de Pequim.

Assim, em 20 de maio, o governo declarou a lei marcial e, nas primeiras horas de 3 a 4 de junho, o uso das forças armadas, do Exército Popular de Libertação (EPL), contra trabalhadores e estudantes. Os soldados avançaram da parte oeste da cidade e atiraram nas pessoas. Os tanques avançaram em direção ao coração de Pequim, através de bloqueios improvisados formados por ônibus e atirando selvagemente em multidões de moradores irritados que o governo estava usando a força armada.

A entrada de tropas na cidade recebeu a oposição ativa de cidadãos que construíram grandes barricadas nas estradas que retardaram o progresso dos tanques, mas a praça ficou vazia na noite de 4 de junho, após o massacre.

A luta continuou nas ruas ao redor da praça, com manifestantes avançando repetidamente para as tropas armadas do Exército Popular de Libertação, que respondeu com fogo automático. O exército tinha ordens de, "como deveria, evacuar a praça nas primeiras horas de 4 de junho", diz Jiang Lin, tenente da EPL, 30 anos depois.


Protestos em Tiananmen (foto Jian Liu)

Estima-se vários milhares de mortos, aqueles que morreram como resultado da repressão realizada naquela noite.

Além do massacre, o PC chinês puniu milhares de pessoas após a dura repressão das manifestações. Além dos milhares que enviou para a prisão, muitos foram enviados para campos de trabalho forçado para serem reeducados a serem rotulados como "contra-revolucionários".

Em declarações em Cingapura para ministros da Defesa, militares de alto escalão e especialistas, o general Wei Fanghe, atual ministro da Defesa da China, questionou por que o mundo sempre diz que a China "não lidou com o incidente corretamente". "Esses 30 anos mostraram que a China sofreu grandes mudanças", disse ele, acrescentando que, graças à ação do governo, "a China desfruta de estabilidade e desenvolvimento, a atuação do governo durante os protestos de Tiananmen em 1989 foi correto".

A derrota de Tiananmen abriu caminho para a restauração capitalista sob a liderança do Partido Comunista

O ano de 1989 é um ponto de inflexão na história recente da China, porque este foi o ano em que a derrota da luta de estudantes e trabalhadores em Beiying, o Partido Comunista empreendeu a restauração capitalista no país, e foi precisamente essa derrota das massas o que finalmente empurrou a China ao longo do caminho neoliberal para a globalização.

A restauração capitalista da China assumiu a forma da liquidação da planificação econômica , do monopólio do comércio exterior, da privatização de numerosas empresas, da privatização do campo, do desenvolvimento de fortes desigualdades sociais entre a cidade e o campo, entre o Norte e o Sul, uma grande superexploração, bolhas imobiliárias e financeiras, o afogamento de qualquer expressão democrática; e tudo sob a direção do Partido Comunista. Essa burocracia acabou dirigindo o processo de restauração capitalista avançando como país capitalista, mas retrocedendo nas inusitadas diferenças sociais e perdas das conquistas da revolução (que agora inclui os principais milionários chineses), hoje presidida por Xi Jinping.


Violenta repressão em Tiananmen que se converteu em um massacre (foto Jian Liu)

30 anos depois ressurge no corpo estudantil chinês estudantes marxistas que, como os estudantes de Tiananmen, são os novos inimigos do governo chinês. Pequim vê com preocupação a aliança entre trabalhadores e estudantes universitários que ideologicamente se dizem marxistas. Como Eric Fish, autor do livro Millenials da China: The Want Generation, aponta: “o marxismo que [o Partido Comunista da China] ensina nas escolas não é o verdadeiro; é selecionado e reinterpretado para adaptá-lo a seus próprios fins ", explica, e a contradição entre os ideais da doutrina original e a realidade é óbvia. "O aumento da desigualdade e outras questões sociais na China levaram a uma decepção em certos setores em direção ao programa de ’reforma e abertura’, e há uma percepção de que o Partido Comunista abandonou suas origens socialistas", explica a pesquisadora Simone van Nieuwenhuizen, do Instituto de Relações Austrália-China da Universidade de Tecnologia de Sydney. No caso dos jovens, o desencanto em relação à desigualdade e à corrupção acrescenta que lhes falta "o mesmo medo instintivo das autoridades que as gerações anteriores": não viveram a Revolução Cultural nem se lembram do massacre de Tiananmen, assinala Fish.

No verão chinês de 2018, dezenas de estudantes de todo o país viajaram para Huizhou, no sudeste do país, para mostrar solidariedade aos trabalhadores da Jasic Technology, que estavam protestando contra o que eles consideravam um "tráfico de escravos" da empresa fabricante de máquinas de soldar. Na China, os protestos trabalhistas estão longe de ser menos frequentes. Em 2018, mais de 900 greves foram contabilizadas em todo o país e em todos os tipos de setores, de táxi a mineração. Mas o fato de estudantes de universidades de elite terem percorrido milhares de quilômetros para demonstrar solidariedade aos trabalhadores de uma fábrica é muito mais raro desde que as manifestações de estudantes e trabalhadores em 1989 em Tiananmen acabaram dissolvidas em sangue.

"A ’manutenção da estabilidade’ nas escolas está se tornando uma prioridade crescente, e (as invasões contra os estudantes marxistas) provavelmente só aumentarão isso. Mas em algum momento pode ser demais para os alunos tolerarem. A crescente repressão às vezes pode criar o efeito oposto ao que ela procura ", conclui Fish.

Como observado em Considerações sobre o marxismo oriental: "Na atualidade, em que a restauração capitalista na China e no Vietnã, juntamente com a plena integração da gigantesca e anteriormente fechada economia indiana ao mercado mundial," ocidentalizou "a região - com seus limites e forma tortuosa, é verdade através da adoção acelerada da produtividade da técnica capitalista e do embate com suas antigas formas sociais - produzem uma paisagem predominantemente urbana e assalariada onde predomina o peso social da classe trabalhadora. Isso, objetivamente, facilita a capacidade desta última de desempenhar um papel hegemônico articulador, mostrando como uma perspectiva muito mais realista uma estratégia baseada na teoria da revolução permanente ".

Hoje, a tarefa para a classe trabalhadora e os camponeses é levar adiante a revolução socialista, mas ao contrário da revolução de 1949, liderada por Mao, que é operária e camponesa baseada em conselhos ou sovietes de trabalhadores, camponeses e soldados que decidem as medidas necessárias para a planificação da economia , começando com a nacionalização do comércio exterior, a nacionalização sob administração dos trabalhadores dos principais ramos da economia, a nacionalização dos bancos, a nacionalização da terra, entre outros.




Tópicos relacionados

China   /    História   /    Movimento Estudantil   /    Internacional

Comentários

Comentar