Internacional

INGLATERRA

Theresa May tenta resistir à crise, mas tem poucas chances de aprovar o seu acordo para o Brexit

A onda de renúncias e rejeições que provocou o acordo com Bruxelas pelo Brexit ameaça a estabilidade do governo e põe em dúvida uma saída negociada da União Europeia.

sexta-feira 16 de novembro| Edição do dia

Frente a enorme crise que poderia até terminar com a sua renúncia, a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, aderiu hoje ao acordo preliminar alcançado com Bruxelas para implementar a saída da União Europeia (Brexit).

Na frente do Parlamento, com seu próprio partido dividido e depois de várias renúncias em seu gabinete, May afirmou que desde o início era necessário "defender o interesse nacional" e que embora o acordo tenha "detalhes difíceis e incômodos de aceitar", "é o melhor acordo que poderia ser alcançado ".

Sem muitas opções, o primeiro-ministro optou por manter o acordo, tentando enfrentar todas as críticas que derrubaram o arco político, da centro-esquerda de Jeremy Corbyn (líder do Partido Trabalhista) à direita dos "eurocéticos".

Mostrando-se decidida e obviamente dirigindo-se à opinião pública e não aos deputados, ela ressaltou que com este acordo tem sido possível defender os empregos, manter "o controle de nossas fronteiras, o controle de nosso dinheiro, o controle de nossas fronteiras, o controle de nossas leis e da nossa agricultura e nossa pesca ".

Além disso, acrescentou em um tom lapidário que a rejeição do acordo teria "consequências imprevisíveis" e jogou a bola para os deputados: "Eu cumpri minha responsabilidade. Deve ser agora os deputados, uma vez que tenham estudado o acordo, aqueles que cumprem com o seu.”

Governo do Caos?

May anunciou na quarta-feira um consenso dentro de seu gabinete sobre o acordo com Bruxelas. Mas poucas horas depois começaram a renúncia dos ministros-chave, como Ministro do Trabalho e Pensões, Esther McVey e do próprio motorista negociações Brexit, Dominic Raab, entre outros funcionários que o seguiram mais tarde.

Na Câmara dos Deputados, sua própria bancada foi entregue e a grande maioria anunciou que rejeitaria o acordo. Muitos exigiram uma retificação ou que chamam de novo referendo.

Jeremy Corbyn, do Partido Trabalhista, enfatizou em seu discurso que "o governo está em caos. Este acordo tem o risco de deixar o nosso país indefinidamente em uma casa mal construída e sem voz ou voto no futuro" e disse que os trabalhistas vão rejeitar o acordo.

Jacob Rees-Mogg, euroecéptico e ultra-católico do Partido Conservador, anunciou que seus deputados irão conduzir uma moção de censura que, se bem sucedida, poderia derrubar o governo e forçar um adiantamento da eleição.

O tempo corre e a incerteza cresce

May, embora obviamente cansada, insistiu em mostrar sua firmeza e disse que "liderança" é tomar "decisões corretas" e não "fáceis". "Podemos deixar a UE sem qualquer acordo, descobrir que não há nenhum tipo de problema, ou podemos mostrar unidade e apoiar o melhor acordo possível".

Mas por causa do número de legisladores que anunciaram sua oposição, o documento tem poucas chances de ser aprovado ao votar na Câmara dos Comuns em dezembro. E o relógio está com pouco corda, pois o prazo máximo de negociação com a União Europeia é o próximo 29 de março.

A falha em alcançar um acordo para o Brexit negociado pode ter sérias consequências econômicas não apenas para o Reino Unido, mas para toda a Europa. Nesta quinta-feira a Lira caiu quase 2% frente ao Euro e ao Dólar. Além disso, também houve quedas em algumas grandes bolsas europeias como a Dax de Frankfurt, o Cac de Paris ou o Ibex 35 de Madri.

As ações da holding da IAG que integra a Iberia, British Airways e Vueling caíram quase 5%. As do Banco Sabadell mais de 3%, aprofundando assim a queda que se arrasta desde o início do ano (-27,4%), devido em grande parte às dificuldades em sua subsidiária britânica TSB.

E isso talvez seja uma pequena amostra do que pode acontecer.




Tópicos relacionados

União Européia (UE)   /    Theresa May   /    Brexit   /    Internacional

Comentários

Comentar