Mundo Operário

GREVE VITORIOSA

Terceirizados dos Correios obtêm vitória contra o atraso de salário e a precarização do trabalho

Trabalhadores terceirizados da Central de Tratamento dos Correios em Indaiatuba, próxima a Campinas, no interior de São Paulo, obtiveram uma vitória contra a empresa MG Terceirizações depois de uma semana de greve. Conseguiram que os salários atrasados fossem pagos, além da cesta básica e todos os trabalhadores terão estabilidade no emprego garantida até 31 de dezembro.

quinta-feira 16 de julho| Edição do dia

A luta dos trabalhadores terceirizados dos Correios da Central de Tratamento de Indaiatuba obteve um desfecho vitorioso depois de uma semana de greve. A pressão dos trabalhadores, que cruzaram os braços desde a última quarta-feira, dia 08, fez com que a empresa MG Terceirizações pagasse os salários dos trabalhadores. Vale lembrar que a mesma empresa tinha anunciado que pagaria o salário de junho de maneira parcelada, com a primeira parcela para o dia 15 de julho e a segunda para o dia 29 de julho. A partir desse anúncio os trabalhadores terceirizados cruzaram os braços e garantiram que até o dia 14 de julho fosse pago a totalidade dos salários, embora cerca de 50 trabalhadores ainda não tiveram nenhum centavo depositado em suas contas.

Essa luta que o Esquerda Diário acompanhou teve grande repercursão na mídia burguesa da região de Campinas pois os trabalhadores terceirizados cumprem uma função essencial para a distribuição de cartas e encomendas para parte do interior de São Paulo, são 450 trabalhadores em 3 turnos de trabalho que garantem toda a distribuição dos Correios para Campinas e Região, sem eles, grande parte das encomendas sofreram atrasos. A condição de trabalho deles já era bastante exaustiva antes da pandemia, com o aumento dos serviços de entrega em função das medidas de isolamento social, o serviço aumentou, isso sem aumento salarial e no número de funcionários.

Além de estarem trabalhando mais, com exigência de horas extras e expostos a contaminação por Covid, os trabalhadores viram seu salário de junho ser atrasado para o final de julho, com isso se organizaram e declararam greve até que os salários de todos os trabalhadores fossem pagos. Na última terça, 14 de julho, ocorreu uma audiência na Justiça do Trabalho para que fossem acordados a regularização dos pagamentos, inclusive da cesta básica que estava atrasada desde junho, e os trabalhadores obtiveram estabilidade no trabalho até 31 de dezembro de 2020 para que não haja represálias da empresa aos trabalhadores que se mobilizaram.

Veja aqui apoio que o Esquerda Diário, trabalhadores do Nossa Classe e estudantes da Juventude Faísca prestaram a luta dos terceirizados.

O Esquerda Diário, uma mídia que defende os trabalhadores, estará ao lado dos terceirizados e efetivos dos Correios que lutam contra a privatização de Paulo Guedes. A crise capitalista decorrente da pandemia escancarou como os trabalhadores da saúde e serviços de entrega são essenciais. Diversos setores da saúde se mobilizaram contra as precárias condições de trabalho e no dia 01º de julho os entregadores por aplicativo, a face “modernizada” dos motoboys, também se mobilizou. Agora, os trabalhadores terceirizados dos Correios, estatal brasileira que já vem sendo privatizada há décadas e que Paulo Guedes quer vender de vez, mostram que não aceitarão que seu trabalho, tão fundamental nesse período, seja ainda mais precarizado!




Tópicos relacionados

Trabalhadores Terceirizados   /    Campinas   /    Correios   /    Terceirização   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar