Mundo Operário

INDÚSTRIA

Terceirização faz mais uma vítima fatal: trabalhador morre em acidente de trabalho na Sobraer SJC

sábado 2 de abril de 2016| Edição do dia

Um trabalhador de 32 anos, funcionário da empresa terceirizada que presta serviços para a Sobraer (Sonaca Brasileira Aeronáutica) morreu esmagado por uma parede ontem em São José dos Campos. De acordo com a empresa Sobraer, uma construtora foi contratada para fazer uma reforma na unidade. A obra estava em fase de demolição de paredes para a construção de novas estruturas.

Eldézio dos Santos Teixeira estava demolindo uma estrutura quando parte da alvenaria caiu em cima dele. Este é mais um caso de trabalhador que deixa a sua vida dentro das fábricas. A responsabilidade pela vida tirada do trabalhador é da empresa Sobraer e também da construtora terceirizada que não tem nenhum interesse em dar condições para que o funcionário possa exercer a sua função com segurança. Essa é mais uma prova de que o lucro para os patrões está acima da vida.

É preciso denunciar o papel nefasto que cumpre a terceirização, que é um meio para que os patrões tenham menos custos com os trabalhadores e para que aumentem seu lucro. Ao propor medidas como esta, os patrões impõem para os trabalhadores que eles corram risco de sofrer acidente de trabalho, pois não existe nenhum interesse dos de cima de investir em sua segurança.

Com a crise econômica capitalista que o país está vivendo, vamos assistir a uma onda de demissão e também o aprofundamento da terceirização e dos outros meios que visa tornar a condição de trabalho cada vez mais precária. Fica mais visível com o aprofundamento desta crise que os trabalhadores vão estar cada vez mais sujeitos a acidentes, como sofreu Eldézio dos Santos Teixeira.

O fortalecimento da direita no país, no caso de um impeachment da presidenta Dilma, aprofundaria os ajustes e os ataques aos trabalhadores que o PT já vem implementando e, nesse sentido, significaria ainda mais precarização do trabalho que tem sua face mais expressiva na terceirização. É preciso, por um lado, que sindicatos como o dos Metalúrgicos de São José dos Campos, no qual o PSTU está a frente, saiam de sua inércia e lutem contra a terceirização na região do Vale do Paraíba. Como mostra o caso da GM, os companheiros do PSTU que estão num dos maiores bastiões operários do país, foram incapazes de dar um exemplo para o restante do país de como se luta contra o trabalho precário e as demissões. Por outro lado, é preciso romper com uma política que em última instância se liga aos setores da direita mais interessados na terceirização e na superexploração dos trabalhadores.

Assim, está mais do que na hora de um movimento nacional independente que dê exemplos na luta de classes e se enfrente com a direita que quer o impeachment da Dilma, pois este setor tem a única intenção de atacar profundamente os trabalhadores fazendo com que casos como do trabalhador de São José sejam cada vez mais frequentem, mas também contra os ataques do Governo Dilma, associado, por exemplo, ao PL 4330. O PSTU tem que romper com a sua política de "Fora Todos" e exigir da CUT que rompa com o governo e a Força Sindical com a oposição burguesa pra colocar em pé uma mobilização independente dos trabalhadores que faça a diferença na atual situação política e possa impor a efetivação de todos esses terceirizados sem a necessidade de concurso público. O Esquerda Diário se solidariza aos familiares e amigos pela irreparável perda de Eldézio.




Tópicos relacionados

Terceirização   /    Indústria   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar