Política

CRISE DOS COMBUSTÍVEIS

Temer vai rever a tabela de preços mínimos para os fretes beneficiando o agronegócio mais ainda

Pressionado pelos ruralistas, Michel Temer pretende rever a tabela de preços mínimos dos fretes, que havia sido definida as pressas para interromper o movimento dos caminhoneiros. Com isso os donos do agronegócio saíram beneficiados.

quarta-feira 6 de junho| Edição do dia

O governo Temer recuou e resolveu rever a tabela de preços mínimos para os fretes rodoviários após pressão de ruralistas. A tabela de preço mínimo do transporte rodoviário - definida às pressas pelo governo para interromper o movimento dos caminhoneiros na última semana- é considerada a maior vitória dos caminhoneiros nos últimos tempos. Mas, diante da reação do empresariado, especialmente representantes do agronegócio, eles começam a temer que essa conquista esteja com os dias - ou horas - contados.

Seria retirada da tabela o preço mínimo para o chamado frete de retorno – quando o caminhão volta vazio. O governo também deve rever parâmetros que podem diminuir substancialmente o valor do frete mínimo. Para fretes a granel, por exemplo, a queda será de 30%, em média. A tabela só deve valer para fretes fechados após a publicação da nova norma.

Os caminhoneiros, por sua vez, temem que a tabela recém-instituída pelo governo como contrapartida ao fim do movimento seja derrubada. Ivar Luiz Schimidt, representante do Comando Nacional do Transporte diz: "Se essa tabela cair, vai ter uma greve pior que a última.

Segundo o presidente da Abcam uma tabela de preço mínimo vinha sendo negociada no Congresso antes do movimento dos caminhoneiros que estourou na última semana e quando ocorreu o desabastecimento de combustíveis e de alimentos e da medida provisória ser emitida. É uma situação instável em que há possibilidade de um novo movimento. Com isso nos questionamos se Temer, os ruralistas e até mesmo patronal dos transportes estão preocupados com um novo desabastecimento de combustíveis e de alimentos para a população ou com seus lucros?




Tópicos relacionados

crise combustíveis   /    Governo Temer   /    Greve caminhoneiros   /    Política

Comentários

Comentar