Política

GOVERNO GOLPISTA

Temer se reúne com Meirelles para acelerar corte de direitos

Neste domingo (4), Michel Temer voltou a se reunir com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para traçar a estratégia do próximo período de avançar na implementação dos cortes de direitos da população e se concentrar no estímulo ao crescimento econômico das médias e grandes empresas.

segunda-feira 5 de dezembro de 2016| Edição do dia

Foto: Galileu Oldenburg, divulgação EP

Neste domingo (4), Michel Temer voltou a se reunir com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, na residência oficial do vice-presidente da República, o Palácio do Jaburu. Os encontros são constantes, segundo informações de Brasília, e acontecem em meio a investidas dos aliados do governo golpista que se desesperam com a demora da equipe econômica em aplicar as reformas.

A poucos dias para o envio da proposta de reforma previdenciária, a estratégia assinalada pelo governo é centrar esforços para avançar na implementação dos cortes de direitos da população e concentração total na elaboração de medidas de estímulo ao crescimento econômico das médias e grandes empresas. Como propostas a serem incluídas na agenda aparece um novo leque de formas de as empresas renegociarem suas dívidas e “melhoria no ambiente de negócios”, com redução de impostos para empresas e menor controle do Estado sobre o lucro.

Além das propostas já enviadas, aliados do presidente defendem a queda dos depósitos compulsórios que os bancos são obrigados a fazer junto o Banco Central (BC), sob argumento de as instituições financeiras possuírem mais espaço para renegociarem suas dívidas com as empresas. A proposta tem enfrentado forte resistência do BC. Os depósitos compulsórios obrigam o bancos a depositarem parte dos recursos captados dos clientes numa conta no BC, sendo assim uma forma de controle da inflação e da taxa de juros pela União, limitando a capacidade de fornecimento de crédito, principalmente para empresas.

A pressão sob Henrique Meirelles tem crescido depois da divulgação dos resultados negativos do Produto Interno Bruto (PIB) pelo terceiro trimestre consecutivo, com destaque para a produção industrial.

Lideranças do PSDB e caciques do PMDB manifestam preocupação com a demora da equipe econômica em adotar medidas para a retomada dos lucros dos grandes empresários e latifundiários. Segundo pronunciamento do Palácio do Planalto, as manifestações contrárias às medidas de ajuste não influenciarão no andamento do processo de implementação.

A polarização política no país tem acarretado em forte pressão na equipe econômica do governo golpista de Temer. Por um lado oligarcas do PMDB e grandes empresários do PSDB anseiam pela implementação das reformas e redução do controle do Estado sob suas possibilidades de lucro, o que significará jogar nas costas dos trabalhadores os prejuízos da crise; por outro, uma forte resistência às medidas votadas, com números que passam de 70% de desaprovação. O país continua política e economicamente instável e os trabalhadores e a juventude inquieta com os planos do governo golpista de Temer para o país. Apesar de constantes reuniões com a equipe econômica para dar um pouco mais de segurança a base de seu governo (empresários e latifundiários) quanto aos ajustes, a situação que tem se encontrado Temer é cada vez mais encurralado.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Michel Temer   /    Política

Comentários

Comentar