Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Temer quer reforma da previdência depois de sua vitória no covil de ladrões

A Meirelles e Eliseu Padilha já sinalizaram que estão fazendo de tudo para aprovar a reforma da previdência ainda neste semestre.

quinta-feira 3 de agosto| Edição do dia

Depois da vitória no mais podre balcão de negócios da burguesia, Eliseu Padilha, que é Ministro da Casa Civil, declarou que "a próxima batalha" do governo é "a retomada da reforma da previdência". Outro que também declarou que empenhará seu trabalho pautar logo neste semestre a reforma da previdência é o Ministro da Fazenda Henrique Meirelles,

O governo começa já a recontar os votos, depois da rejeição da denúncia de Michel Temer com o mais amplo toma-lá dá-cá político, de emendas parlamentares a cargos e todo o tipo de favorecimento desta casta. Rodrigo Maia, que é um dos especialistas como presidente da Câmara, declarou ontem mesmo que para a reforma da previdência, terá "que reoganizar a votação. Para ter os 308 votos necessários, vamos ter que reorganizar”.

Os governistas contam com um forte aliado, o PSDB, que se dividiu na votação da denúncia mas se mantém unido a Temer pelas reformas, uma prova que o dia de ontem não passou de um show (indigesto) para fingir moral destes partidos.

Todos eles que só tem uma moral única, atender os interesses capitalistas. Por isto, Eliseu Padilha deixou claro: "Nós temos toda a boa vontade possível com o PSDB, que tem nosso crédito."

Veja aqui: Veja quanto receberam, os crimes e os perfis daqueles que livraram Temer da denúncia

Henrique Meirelles, Ministro da Fazenda que esteve no conselho administrativo de tudo o que é empresa que meteu o calote no trabalhador (incluindo a J&F dos irmãos Joesley), também demonstrou sua pressa em rifar a aposentadoria dos trabalhadores para manter o lucro dos bancos e empresários, negando em entrevista que a reforma tributária deveria ser a primeira a ser enviada ao congresso.

Antônio Imbassahy, da Secretaria do Governo, teria declarado que a reforma tributária precisa de menos votos e por isso poderia passar a frente, declaração que Meirelles viu com maus olhos, segundo informações da Agência Estado. Segundo esta Agência, a equipe econômica acha possível passar esta reforma até outubro, e ela seria enviada antes da reforma tributária.

Para quem ainda tinha alguma dúvida, o dia de ontem demonstrou como não se deve confiar que o parlamento ou a justiça vão por sua própria boa vontade beneficiar os trabalhadores, muito pelo contrário. Enquanto nos atacam com reformas, os salários deles está muito bem guardado assim como os lucros dos bancos e da patronal. Só mesmo com a luta organizada dos trabalhadores é possível derrotar estas reformas e colocar uma saída dos trabalhadores para a crise.

Veja também: "Resgatar a força dos trabalhadores para barrar as reformas", diz Diana Assunção em VÍDEO




Tópicos relacionados

Reforma da Previdência   /    Câmara dos Deputados   /    Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar