Política

DESEMPREGO

Temer mente em seu pronunciamento: desemprego está aumentando

Em seu pronunciamento Temer afirmou que o desemprego está caindo, ao contrário do que disse o presidente o desemprego aumenta a cada dia.

quinta-feira 18 de maio| Edição do dia

Hoje em pronunciamento, o golpista Michel Temer, disse que seu governo viveu essa semana o seu pior e melhor momento e ao se referir ao que seria melhor, o golpista se refere aos indicadores de queda da inflação, os números do retorno ao crescimento da economia e os dados de geração de empregos que segundo seu discurso, criavam esperança de dias melhores. Obviamente para camuflar esses números, Temer não os cita, marcando em seu discurso apenas que seria bom. Além disso, Temer coloca como positivo o avanço das reformas no Congresso Nacional.

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) trimestral, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta quinta-feira, 18, 24,1% da força de trabalho brasileira estava desocupada ou subutiliza, ou melhor dizendo, desempregada. Este índice supera o registrado no fim do ano passado que era de 22,5% e também o registrado de janeiro a março de 2016, 20,9%. É possível observar que o desemprego vem aumentando gradativamente e isso se dá por causa da crise que o capitalismo se encontra. Isso significa dizer que só no Brasil, 26,5 milhões de pessoas não tiveram como trabalhar, isso apenas nos três primeiros meses do ano de 2017.

Em todas as regiões do país, as taxas de desemprego aumentaram cerca de 2%, sendo o Nordeste o que registra a maior taxa com 16,3% e o Sul o que registra a menor taxa 9,3%. Em São Paulo, a taxa de desemprego ficou em 14,2% nos três primeiros meses de 2017. No mesmo período do ano passado, a taxa era de 12,0%. É possível perceber que o problema é generalizado e que nenhum partido da ordem, nas regiões que governam, conseguem mudar os índices que só aumentam.

O desemprego entre os jovens de 18 a 24 anos de idade é de 28,8% e a diferença entre o Sul e o Nordeste é de 14%, sendo 19,1% no Sul e 32,9% no Nordeste. Já nos grupos de pessoas de 25 a 39 anos e de 40 a 59 anos de idade, este indicador foi de 12,8% e 7,9%, respectivamente. Não há nada que esse governo golpista esteja fazendo pelos trabalhadores e pela juventude. A cada dia cresce o exército de reserva da burguesia, como bem situou Marx, que são os desempregados que estão à disposição e que neste jogo são usados para manter as piores condições de trabalho com as maiores jornadas, bem como o constante assédio dos empregadores que ameaçam trocar os trabalhadores caso não se adequem aos seus desmandos.

Esta semana a esquerda Argentina, por meio da figura de Nicola Del Cano, lançou uma campanha entusiasmante, que é: "Nossas vidas valem mais que seus lucros”, em que propõem que a jornada de trabalho seja reduzida para seis horas, por cinco dias da semana, para que o trabalho seja dividido entre todos sem redução salarial. Trazendo para o Brasil cabe dizer que este trabalhador deve trabalhar menos e ganhar mais, ganhar o mínimo estipulado pelo DIEESE que em abril de 2017 deveria ter sido o valor de R$ 3.899,66.

Vamos todos às ruas contra este governo golpista e elejamos em cada bairro e local de estudo, representantes para uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana que mude as regras de todo o jogo deste regime e questione profundamente a ordem da coisas. Que os trabalhadores tomem a luta em suas mãos e decidam seu futuro!




Tópicos relacionados

Política

Comentários

Comentar