Política

OCUPA BRASÍLIA

Temer destrói saúde e educação, mas quer ressarcimento das centrais por prejuízo em Brasília

Michel Temer, após requerer a presença do exército para reprimir a manifestação de Brasília, também acionou a Advocacia-Geral da União (AGU), que enviará para todos os ministérios uma nota orientando-os a realizar um balanço com cálculos estimados sobre os bens danificados durante o ato em Brasília.

quinta-feira 25 de maio| Edição do dia

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O pedido realizado por Temer para que as Forças Armadas atuassem nos atos foi revogado, entretanto, ontem a noite saiu do Palácio do Planalto a orientação para que fossem reunidas o maior número de imagens que comprovassem as ações contra os ministérios, a fim de dar suporte para essa decisão desproporcional sobre a presença das forças armadas. Além disso, tem a intenção de identificar os manifestantes e puni-los criminalmente.

Não há informação se a AGU determinará um prazo para que os ministérios entreguem seus levantamentos, mas Temer tem pressa em criminalizar os protestos e, principalmente, tentar justificar a absurda medida de decretar o uso das Forças Armadas. A decisão de Temer foi alvo de críticas e causou uma série de reações negativas no Congresso. Depois de reunido todos os balanços, a AGU irá aplicar legalmente ação que vai cobrar o ressarcimento aos cofres públicos contra os organizadores do protesto, ou seja, a centrais sindicais. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, em apoio às decisões de Temer reforça: “a desordem não será tolerada”.

Temer, apoiando-se no poder judiciário, tenta de todas as maneiras diminuir a grande manifestação em Brasília, justificar a enorme repressão aplicada e criminalizar a luta contra as reformas e seu governo. Depois de já ter aprovado cortes em serviços básicos destruindo saúde e educação, exigirá que as centrais sindicais paguem pelos danos materiais, mostrando que está claramente disposto a acionar qualquer medida repressiva ao seu alcance para manter a agenda de ataques e aprovar as reformas.




Tópicos relacionados

#OcupaBrasília   /    #24M   /    Política

Comentários

Comentar