Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Temer designa Maia articulador da Reforma da Previdência

Após a denúncia por corrupção passiva ser rejeitada por 263 deputados na semana passada, o presidente Michel Temer fez neste domingo, 6, um afago ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e aceitou suas sugestões para não ceder antes da hora na negociação da reforma da Previdência.

segunda-feira 7 de agosto| Edição do dia

Em reunião no Palácio do Planalto, da qual também participaram ministros, Temer concordou com as observações de Maia e deu sinais de que vai transformá-lo numa espécie de articulador da reforma, curando feridas deixadas no relacionamento dos dois no processo de votação da denúncia.

O presidente disse em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada no sábado, que as mudanças na Previdência poderiam se resumir à fixação da idade mínima para aposentadoria (65 anos para homens e 62 para mulheres) e ao corte dos privilégios do funcionalismo. Na reunião deste domingo, porém, ouviu de Maia que é preciso discutir também um modelo de transição para os que ingressaram no serviço público antes de 2003. O deputado defendeu uma campanha publicitária para mostrar, em termos didáticos, que os aposentados podem ficar sem receber, como no Rio, se nada for feito agora. Mostrar em termos didáticos ou melhor esconder de maneira desonesta o caráter da reforma jogando para cima dos trabalhadores a resposta dessa Crise.

"Queremos uma reforma, não uma meia-sola", afirmou o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, que também participou da reunião. "O presidente pediu trabalho e empenho para que possamos cumprir a agenda econômica. São medidas que podem dar tranquilidade fiscal, como a Previdência, a simplificação tributária e o Refis." Além do Programa de Recuperação Fiscal, há mais de 20 Medidas Provisórias na pauta do Congresso.

Convocada de última hora por Temer, a reunião ocorreu no Planalto, o que não é usual no fim de semana, e durou quatro horas. Além de Maia e Moreira, contou com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e dos ministros Henrique Meirelles (Fazenda) e Antônio Imbassahy (Governo). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Uma reunião que visa profundamente em como vão ser aprovados outros ataques ainda mais profundos e estruturais. A reforma da previdência não seria uma mera alteração das idades, mas sim, uma alteração sobre toda a maneira de contribuição. Dessa forma, querendo jogar toda a crise para cima dos trabalhadores, para que nós não nos aposentemos, para que trabalhemos até morrer em prol de seus lucros, mas não deixaremos que isso aconteça. Não deixaremos que os piloto continuem recebendo altos salários, uma infinidade de privilégios, enquanto não teremos mais direito a um trabalho digno ou a aposentadoria, como foi a intenção dessa reunião no domingo.

Por isso, os trabalhadores têm que se organizar para ir com tudo contra essas reformas, superando as centrais sindicais traidoras que não construíram de forma consequente luta contra a reforma. Vamos para cima, a nossa vida não vale o lucro dos governos e empresas que querem se isentar do pagamento da aposentadoria digna.




Tópicos relacionados

Rodrigo Maia   /    Reforma da Previdência   /    Michel Temer   /    Política

Comentários

Comentar