Política

MICHEL TEMER

Temer chega a Oslo para vender o Brasil aos empresários noruegueses

O presidente Michel Temer desembarcou na Noruega para a tranquilizar investidores Europeus na manhã desta quinta-feira, 22. A última etapa da viagem ocorre em meio a declarações da Polícia Federal de que existem indícios de corrupção envolvendo o presidente e diante da rejeição de parecer favorável à reforma trabalhista em comissão do Senado.

quinta-feira 22 de junho| Edição do dia

Foto: Twitter Agora No Planalto

Na base aérea de Oslo, ele foi recebido apenas pelo chefe interino do Cerimonial do governo local, Sigwald Haugr. Além dele, estavam no local o comandante da base aérea, assim como o embaixador do Brasil em Oslo, George Prata, e a embaixadora norueguesa em Brasília Aud Wiig. O Itamaraty garantiu que esse é o protocolo para qualquer chefe de estado no país.

Um grupo de cerca de 50 brasileiros ainda planeja para esta quinta-feira uma manifestação contra Temer em uma das principais praças da cidade. O presidente optou por se hospedar em um hotel mais afastado, o Hotel Holmenkollen Park onde se reunirá com empresários noruegueses.

Membros do alto escalão do governo norueguês admitiram à reportagem que a viagem estava em uma situação "delicada" e "incerta" até a semana passada. Mas, diante dos interesses de empresas escandinavas no País, a agenda foi mantida.

Com um interesse limitado da imprensa local, a emissora pública da Noruega, a NRK, foi uma das poucas que destaca a viagem. Mas ela publicou nesta quinta-feira uma matéria insistindo nas acusações que sofre Temer, apontando que "os eventos no Brasil vão superar" os esforços do presidente em vender a ideia de estabilidade no País.

Temer se esforça porém não consegue esconder a crise política e econômica que atravessa o Brasil, muito menos estabilizar o seu governo para passar as reformas como gostaria.

Lembrando que menos de 10% da opinião pública o apoia, a emissora também aponta que Temer chama seu "ex-amigo" Joesley Batista de "o criminoso mais perigoso" do Brasil. Os dois trocam farpas depois que Joesley acusou Temer de ser líder da quadrilha mais perigosa do Brasil. De acordo com a NRK, a crise no País tem tido um "forte impacto" nas empresas norueguesas.

No único encontro do dia, Temer se reunirá com 17 empresários do país por apenas duas horas. Cada empresa terá dois minutos para se pronunciar. Segundo o jornal O Estado muitos deles vão insistir em obter do governo sinais de "consistência" por parte das políticas do governo. "Nossa mensagem é que vamos investir no Brasil e no longo prazo. Mas também precisamos de regras transparentes e consistentes, tanto no lado regulatório como no aspecto fiscal", disse o gerente das operações da Statoil no Brasil, Anders Opedal. Na lista dos convidados está também a Associação dos Armadores Noruegueses, além da Hydro, Aker, Kongsberg Maritime, Knusen e DOF.

O governo pretende insistir na disposição em abrir seu mercado vendendo o Brasil para os estrangeiros e nas apostas de um acordo comercial entre o Mercosul e a EFTA (bloco formado por Noruega, Islândia, Suíça e Liechtenstein). Pela noite, o Palácio do Planalto indica que Temer terá uma "agenda privada" que não será revelada publicamente.

Na sexta-feira, 23, Temer ainda se reúne com a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg. Mas não há a perspectiva de que acordos sejam assinados. Ele também estará com o presidente do Parlamento, Olemic Thommessen, e almoça com o rei Harald V. O presidente retorna ao Brasil ainda na sexta-feira, 23.

Floresta Amazônica ameaçada

Hoje, o ministro de Meio Ambiente, José Sarney Filho (PV), ainda se reunirá com seu homólogo norueguês, Vidal Helgeser. A Noruega alerta que os cortes no orçamento do Ibama e a crise política que atravessa o País explicam o aprofundamento das taxas de desmatamento na Amazônia.

Oslo ainda aponta que o veto do Planalto às medidas provisória que reduziam a área de proteção ambiental não é suficiente para tranquilizar os doadores internacionais. Após Temer vetar medidas provisórias que reduziam áreas florestais na Amazônia, um projeto com o mesmo teor será enviado ao congresso.

Em entrevista às vésperas da chegada de Temer ao país, Helgeser não hesitou em cobrar. Na semana passada, ele já havia enviado uma carta ao ministro José Sarney Filho criticando a situação ambiental no País. Agora, ele deixa claro que, se a atual tendência continuar, será "obrigado" a anunciar cortes nas doações. A Noruega é o maior doador ao Fundo da Amazônia e já destinou ao Brasil US$ 1,1 bilhão. Mas, para 2017, a liberação de recursos será reexaminada.

"Vimos grandes resultados na última década no Brasil e uma tendência preocupante nos últimos dois anos", disse o norueguês. "Esperamos que possamos ver um retorno a uma tendência positiva. Caso contrário, seremos obrigados a dizer que vamos reduzir o montante de nosso apoio", declarou.




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Michel Temer   /    crise econômica   /    Crise no governo   /    Política

Comentários

Comentar