REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Temer apela novamente para Ratinho negociar publicidade a favor da Reforma da Previdência

O presidente golpista Temer não cansa de passar vergonha com seus "eufemismos" sobre a Reforma da Previdência em rede pública, e aparece mais uma vez em um programa popular de TV aberta para defender os ataques ao direito a aposentadoria com novas ameaças. Depois de participar do programa do Silvio Santos, volta ao seu antigo aliado machista, Ratinho, negociar publicidade para a Reforma da Previdência.

terça-feira 30 de janeiro| Edição do dia

(Foto retirada do portal Jornal do Brasil)

Após dar dinheiro para o Silvio Santos em rede nacional para falar das reformas, dessa vez o golpista foi ao Programa do Ratinho, constantemente denunciado por casos de machismo na TV, negociar um espaço para ele pregar uma Reforma da Previdência fora da realidade.

O principal objetivo de Temer no programa era falar da Reforma da Previdência e o quanto ela será “boa” para dos trabalhadores e para o país. Velhas ameaças como “A Previdência vai quebrar se a reforma não for aprovada”, se combinam a um novo discurso de comparar a possível situação da previdência com o que ocorreu na Grécia e em Portugal. Ou seja, Temer ameaça agora deixar os aposentados sem seu direito caso não seja como ele e os empresários e banqueiros internacionais querem.

Temer afirmou ainda que a reforma não vai prejudicar o trabalhador. “Não, de jeito maneira, vai até ajudar. Faremos a equivalência da aposentadoria nos serviços públicos e privados”. O que ele não fala é que essa equivalência é por baixo, que ceifa direitos da maioria dos trabalhadores, chamados de "privilégiados". Ao invés de aumentar os direitos, o golpista quer que trabalhemos por ainda mais tempo, num país que possui regiões com expectativa de vida de 50 anos.

Ou seja, pessoas vão sequer conseguir se aposentar. Aparentemente ele esqueceu nem fez questão de mencionar que a sua aposentadoria, assim como a dos setores do judiciário, estarão garantidas pela nova lei que supostamente só atacaria os “privilégios” dos servidores públicos comuns.

Na tentativa de aprovar o ataque, Temer pediu que a população mandasse cartas aos deputados e senadores para aprovarem a reforma. “Os deputados vão fazer ecoar no Congresso a voz do povo”. Como se a população quisesse que um de seus direitos mais elementares fosse arrancado e estivessem adorando a ideia de trabalhar até morrer. O ódio popular a reforma é o que dificulta a ele mesmo a aprovar a reforma em fevereiro, como quer.

Os deputados sabem que se votarem na reforma, a população cobrará (ao menos) nas urnas, ou mesmo o ódio retraído com ajuda das centrais sindicais possa explodir em polarização social profunda contra a reforma e a retirada de direitos democráticos.

Os trabalhadores já estão sentindo na pele o resultado dos ataques pós golpe. A reforma trabalhista já aprovada prevê empregos sem direitos, com baixos salários e condições precárias de trabalho. A Reforma da Previdência vem aprofundar ainda mais esse ataque, impedindo que parte da população se aposente mesmo após uma vida inteira de trabalho, ainda mais com o aumento drástico da informalidade.

O SBT está junto com os golpistas para aprovar a reforma, abrindo suas telas para Temer balbuciar seus eufemismos sobre uma Reforma tão dura. Após ter sido a favor do golpe institucional e ter recebido uma série de denúncias de machismo, uma das maiores emissoras de TV do Brasil está a serviço de propagandear a agenda econômica do golpe. Com cenas deprimentes como o Silvio Santos recebendo dinheiro de Temer em rede nacional, uma encenação do que se baseia a democracia capitalista.

O governo golpista quer aprovar os ataques a qualquer custo, apelando para os grandes monopólios de TV como a Globo e o SBT, até mesmo o Google, que, assim como o próprio governo, está a serviço dos empresários que querem continuar lucrando enquanto fazem os trabalhadores padecerem em condições precárias de emprego e sem poder se aposentar.




Tópicos relacionados

Ratinho   /    golpe   /    Mídia   /    Reforma da Previdência   /    Michel Temer

Comentários

Comentar