Educação

UERJ

Técnicos e alunos realizam trancaço em resposta a Dornelles

A UERJ que encontra-se em greve desde o mês de Março, acumula atraso de bolsas e salários, demissões de funcionários terceirizados, restartante universitário fechado além de inúmeros outros problemas estruturais oriundos de uma política de sucateamento da educação pública por parte do Estado e, que tem a conivência da Reitoria. A atividade que durou o dia todo, parou a universidade e seus serviços no campus Maracanã, aos mais de 100 dias de greve mostrou a importância de ações mais contundentes que busque pressionar tanto a Reitoria quanto ao Governo do Estado.

Isabela Santos

Estudante de Serviço Social da UERJ e coordenadora do Centro Acadêmico de Serviço Social da UERJ - CASS

quinta-feira 23 de junho de 2016| Edição do dia

O governo do Estado, atualmente governado por Dornelles - PP, que recentemente decretou estado de calamidade a fim de implementar mais cortes e ajustes nos setores que atendem a população buscando garantir a realização das olimpíadas, é o mesmo que, enquanto realiza encomendas de mais de 9 mil reais em frutas vermelhas, ameaça cortar bolsas dos estudantes cotistas e diz não ter como fornecer nenhum real de reajuste as servidores em greve.

O Estado do Rio declarou “estado de calamidade” e pediu a união um empréstimo de 3 bilhões de reais. Em declaração, porém, Dornelles afirmou que este dinheiro será usado para obras da linha 4 do metro e para o financiamento da “segurança” dos jogos, que na verdade significa melhorias nas ferramentas utilizadas pela polícia para o exercício das suas praticas violentas e de seus assassinatos. Em meio a greve de vários setores da educação, dentre eles da UERJ, em meio a constantes declarações afirmando não saber como será realizado o pagamento do funcionalismo estadual, mais uma vez o governo deixa claro que suas prioridades não envolvem os trabalhadores ou os setores da população que agonizam nas filas dos hospitais.

O “estado de calamidade”, aliado ao pedido de empréstimo bilionário, é nada menos que resultado da falência provocada pelos governos do Estado do Rio de Janeiro. O Rio já acumula uma divida publica superior a 19 bilhões de reais e ao mesmo tempo segue concedendo a empresas, como a AMBEV, isenções bilionárias. Esta dívida é mais uma da contas que a população do Rio não fez, mas vai ter de pagar. Esse é só mais um dos empréstimos que deixam mais ricos setores que não param de lucrar enquanto a crise é descarregada nas costas dos trabalhadores e da juventude.

O governo de Dornelles no Rio, tal qual o governo de Temer em nível federal, se reafirma cada vez mais um governo alheio aos trabalhadores e a juventude. Neste sentido ações como a realizada pelos técnicos e estudantes em greve na UERJ, ações contundentes e ‘radicalizadas, mostram o caminho de uma luta difícil a ser trava com esses governos que governam para si mesmos e para os ricos. Não há cenário fácil para as greves e os trabalhadores em luta hoje no Rio, não há perspectivas de vitória para os estudantes da UERJ, técnicos e professores que não passe por questionar os privilégios da casta política. Não há cenário favorável que não passe por rever e reaver os bilhões de reais destinados em isenções fiscais ou que não passe pelo não pagamento de uma dívida que aos trabalhadores nem mesmo sabem como foi adquirida.




Tópicos relacionados

UERJ   /    Educação   /    Política

Comentários

Comentar